China "ganha" da NASA em sua primeira missão em Marte; entenda

China "ganha" da NASA em sua primeira missão em Marte; entenda

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 01 de Julho de 2021 às 13h20
Nature Astronomy

No ano passado, a China lançou a Tianwen-1 com destino a Marte, a primeira missão interplanetária do país. Já em maio deste ano, a nação asiática conseguiu pousar o rover Zhurong em Utopia Planitia, uma grande bacia de impacto no Planeta Vermelho. Estes feitos são bastante impressionantes por si só, mas podem ficar ainda mais surpreendentes: com tudo isso, a China se tornou o primeiro país a realizar uma operação de órbita, pouso e deslocamento de um rover logo na primeira tentativa.

Cumprir tantos objetivos em uma primeira missão — ainda mais uma com destino a um planeta cujos pousos têm taxa de sucesso de apenas 50% — não é nada fácil. Roberto Orosei, cientista planetário, afirmou em entrevista que “a China está fazendo, de uma só vez, o que a NASA levou décadas para conseguir”. A fala de Orosei não é sem fundamento: a sonda Mariner 9, da NASA, foi o primeiro satélite artificial a alcançar a órbita de outro planeta, em 1971. Depois, os rovers Spirit e Opportunity chegaram ao Planeta Vermelho somente em 2004, e ficaram ativos por longos períodos.

O rover chinês, junto de seu módulo de pouso, em Marte (Imagem: Reprodução/China National Space Administration)

Com o sucesso do pouso, o rover Zhurong ainda tem alguns meses de exploração pela frente. Ao longo dos três meses de sua missão, o veículo investigará a topografia e estrutura geológica de Marte, a estrutura do solo, a presença de água de gelo, características físicas da atmosfera e da superfície, entre outros objetivos. Com isso, será possível complementar os dados já obtidos por outras missões, produzindo um retrato geológico mais completo do nosso planeta vizinho. O Zhurong tem também um magnetômetro, que ajudará os cientistas a entender por que Marte perdeu tanto de sua atmosfera.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Estas são somente algumas das conquistas alcançadas pela China National Space Administration (CNSA) no último ano. Entre outros feitos, vale destacar o lançamento de dezenas de foguetes Long March, que levaram várias cargas úteis ao espaço — entre elas, está a sonda lunar Chang’e 5. No ano passado, a missão trouxe amostras da Lua, as primeiras que recebemos desde a missão soviética Luna 24, lançada em 1976. Foi também neste ano que o país asiático lançou o módulo Tianhe, o primeiro de sua nova estação espacial, que deverá ser concluída no ano que vem.

Conceito da Tiangong-3, a nova estação espacial da China (Imagem: Reproução/China Manned Space Engineering Office)

Apesar de ter chegado à órbita desejada com sucesso, o foguete usado no lançamento acabou alcançando velocidade orbital, e passou a orbitar a Terra em uma trajetória imprevisível. No fim, o estágio do veículo lançador realizou a reentrada na direção do Oceano Índico, e os detritos que resistiram à queima atmosférica caíram no mar.

Mas, ainda assim, a China segue solidificando sua presença no espaço e seguindo para cumprir o objetivo ambicioso de se tornar a principal potência espacial na década de 2040.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.