Estágio de foguete chinês retorna para a Terra e cai no mar; veja vídeos!

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 10 de Maio de 2021 às 11h10
CASC

Após lançar o primeiro módulo da nova estação espacial da China, o estágio central do foguete Long March 5B alcançou a órbita e iniciou um lento processo de retorno ao nosso planeta. Após alguns dias de especulações sobre onde e quando a reentrada iria acontecer, o detrito reentrou durante a noite de sábado (8) e caiu no mar, conforme o cenário apontado pelos especialistas como o mais provável para o destino do estágio.

O veículo foi usado para o lançamento do módulo Tianhe, que irá compor a estação orbital Tiangong-3. O problema é que, em vez de cair em segurança no oceano logo após cumprir seu objetivo, o estágio do veículo foi para a órbita e se tornou um pedaço de lixo espacial de trajetória imprevisível, que iria interagir com a atmosfera terrestre e acabaria reentrando em algum momento.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No fim das contas, o estágio do foguete reentrou nos arredores da Península Arábica por volta das 23h15 (horário de Brasília) do último sábado (8). Segundo informações preliminares dos oficiais do Comando Espacial dos Estados Unidos, “era desconhecido se detritos caíram na terra ou na água”. Depois, alguns analistas identificaram um “cemitério aquático” de foguetes que resistem ao calor da reentrada: o site Space-Track afirmou que os destroços do veículo chinês caíram no Oceano Índico, ao norte das Ilhas Maldivas.

Confira um dos registros da passagem do estágio enquanto caía:

Jonathan McDowell, astrofísico que estava acompanhando a trajetória do foguete, publicou em seu perfil do Twitter que a reentrada acima do oceano foi sempre a opção mais provável em termos estatísticos, mas deixou o alerta: “a China ganhou a aposta, mas mesmo assim foi descuidada”. De acordo com a CNSA, a agência espacial chinesa, a maior parte da estrutura do estágio do foguete foi queimada na atmosfera durante o início de domingo (9) e seus destroços ficaram irreconhecíveis.

Essa não foi a primeira vez em que um veículo espacial da China sai de controle e cai na Terra: no ano passado, o estágio central de outro foguete Long March 5B também realizou uma reentrada descontrolada e foi para o oceano — contudo, alguns detritos resistiram à reentrada e caíram em solo, mas felizmente não atingiram pessoas ou construções. Além disso, a estação espacial chinesa Tiangong-1, de 8 toneladas, caiu na Terra em 2018; naquela ocasião, a espaçonave queimou sobre o Oceano Pacífico.

Diversos nomes na comunidade espacial criticaram a China por este incidente e pelos demais, acusando falta de cuidado no programa espacial do país. Entre eles, Bill Nelson, administrador da NASA, que alertou ser preciso que os países minimizem os riscos da reentrada de objetos espaciais às pessoas e propriedades, e devem ser transparentes quanto a essas operações. “Está claro que a China não está cumprindo os padrões de responsabilidade em relação aos detritos orbitais”, disse, em um comunicado. “É crítico que a China e todos os países com objetos espaciais e entidades comerciais ajam responsável e transparentemente no espaço para garantir a segurança, estabilidade e sustentabilidade a longo-prazo das atividades do espaço externo", afirma.

Fonte: Space.com, NASA, NPR

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.