Stranger Things | História de Eddie Munson é baseada em crime real

Stranger Things | História de Eddie Munson é baseada em crime real

Por Natalie Rosa | Editado por Jones Oliveira | 12 de Junho de 2022 às 22h30
Netflix

A quarta temporada de Stranger Things trouxe não só o poderoso monstro Vecna, como também um personagem carismático e injustiçado. Eddie, interpretado por Joseph Quinn, ganhou rapidamente o coração dos fãs da série da Netflix.

Os criadores da trama, os irmãos Duffer, já haviam revelado que a inspiração para a criação do personagem foi um dos roteiristas. No entanto, eles se inspiraram apenas no visual "metaleiro" dos anos 1980, e a história de Eddie foi baseada em um caso real e perturbador.

Eddie conquistou os fãs da série ainda no primeiro episódio (Imagem: Divulgação/Netflix)

Satanic Panic

Na década de 1980, a população dos Estados Unidos entrou em uma histeria coletiva chamada Satanic Panic, ou Pânico Satânico na tradução literal. Nesse surto, muitos acreditavam que pessoas envolvidas em "cultos satanistas" estavam cometendo assassinatos brutais em todo o país.

O Pânico Satânico resultou em acusações e condenações injustas sem evidências suficientes, e muitas pessoas pagaram o preço por, supostamente, terem cometido crimes brutais e sádicos. A história foi tão impactante na época que um caso em específico serviu de inspiração para a nova temporada de Stranger Things.

Paradise Lost

Antes mesmo da série da Netflix, um caso inspirou a produção do documentário Paradise Lost: The Child Murders at Robin Hood Hills, de 1996. Ela mostra como três adolescentes foram condenados injustamente pelo assassinato e mutilação de três garotos pré-adolescentes, com as acusações apontando para supostos rituais satânicos.

Em Stranger Things, o Hellfire Club foi acusado de ser satânico (Imagem: Divulgação/Netflix)

Na comunidade onde os crimes aconteceram, no estado norte-americano do Arkansas, a população é bastante conservadora e religiosa, e no documentário os diretores entrevistaram diversas pessoas relacionadas ao caso, incluindo os pais das vítimas e dos acusados.

Durante os julgamentos, os adolescentes chegaram a assumir a culpa, mas o documentário mostra razões que indicam que as declarações foram frutos de coerções. A produção documental também traz informações relevantes para o andamento do caso e que foram negligenciadas pela polícia ou armadas.

Somente em 2011, mais de duas décadas depois, eles foram libertados, e até hoje não se sabe quem foram os verdadeiros assassinos das crianças.

Stranger Things

Em Stranger Things, as coisas acontecem de forma parecida. Com Vecna escolhendo como vítimas jovens com traumas e psicologicamente abalados, esses adolescentes foram assassinados de uma forma cruel sem deixar pistas de quem poderia ter sido o criminoso.

Como Eddie esteve com a primeira vítima, a personagem Chrissy (Grace Van Dien), o jovem fugiu para não ser preso por acreditarem que ele era o assassino. Então começa uma busca por ele, reforçada pelo preconceito com a imagem do personagem e o Hellfire Club.

Enquanto a população de Hawkins acredita que o Hellfire Club se tratava de um culto satânico, o grupo é, na verdade, um encontro de adolescentes nerds fãs de Dungeons & Dragons.

O documentário Paradise Lost: The Child Murders at Robin Hood Hills, infelizmente, não está disponível para assistir no streaming. No entanto, você já pode conferir a primeira parte da temporada 4 de Stranger Things na Netflix.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.