Os 10 melhores documentários sobre música para assistir na Netflix

Os 10 melhores documentários sobre música para assistir na Netflix

Por Beatriz Vaccari | Editado por Jones Oliveira | 12 de Outubro de 2021 às 10h30
netflix

A Netflix já revelou que se teve algo que os assinantes curtiram assistir enquanto cumpriam o período de isolamento social em casa foram documentários. Embora esse tipo de produção tenha ganhado mais popularidade entre as tramas true crime (paixão do público que originou até a série Only Murders in the Building, no Star+), uma coisa é fato: documentários podem ser produções fascinantes se trouxerem histórias bem contadas. E se tem histórias legais de serem transmitidas, são as envolvendo a indústria musical.

De 2020 para cá, o serviço de streaming investiu bastante em produções do tipo, trazendo figuras muito populares da música para a frente das câmeras sob o selo da Netflix. Atualmente, são tantos títulos que o Canaltech resolveu te ajudar na hora de escolher e montar a sua maratona, selecionando a dedo os 10 melhores documentários sobre música para você assistir.

10. Chorão - Marginal Alado

Apesar de não ser original da Netflix, Chorão - Marginal Alado era um dos filmes nacionais mais esperados para chegar aos cinemas e, consequentemente, ao streaming. O título acompanha a carreira de um dos nomes mais importantes da música brasileira, sobretudo a popularizada entre os jovens.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Chorão foi vocalista da banda Charlie Brown Jr. e faleceu em 2013, porém sua mortem ou as fragilidades que levaram-no a ela, está longe de ser o principal ponto dessa produção. Pelo contrário: o documentarista Felipe Novaes mostra, por meio de depoimentos de familiares e amigos, imagens inéditas e histórias, um Chorão que vai muito além do músico dos palcos, trazendo um olhar mais intimista para os fãs.

9. Hip-Hop Evolution

Este título aqui pode tomar um pouco mais do seu tempo por se tratar de uma série documental, mas uma coisa é certa: vale a pena. Dividida em 16 episódios distribuídos por quatro temporadas, Hip-Hop Evolution acompanha o subgênero da música estrangeira ao mesmo tempo que mostra os momentos-chave que mesclaram a cultura do rap à música.

Uma coisa interessante aqui é justamente como a produção se mostra um pouco mais presente e atual quando se trata de sua abordagem documental. Enquanto alguns filmes e séries permanecem presos na década de 1990, Hip-Hop Evolution foca no pós-anos 2000, abrindo espaço para outros artistas e formatos de lançamento, como por exemplo as mixtapes.

8. Homecoming: a film by Beyoncé

Você sabia que além de ser cantora e dona do seu próprio império, Beyoncé ainda ocupou a cadeira da direção de seu próprio documentário? Homecoming foi lançado em 2019 no catálogo da Netflix e segue uma premissa bem simples: acompanhar a artista em sua apresentação no Coachella Valley Music and Arts Festival de 2018.

Equilibrando sua narrativa entre o show e o documental, o filme é um olhar íntimo e muito profundo da performance de quem hoje é o principal nome da música pop e R&B. Ao mesmo tempo, a produção consegue consolidar ainda mais Beyoncé como a maior artista de todos os tempos e mostrar como, de fato, todos os seus shows estão longe de serem simples apresentações e sim um evento, como o “Beychella”.

7. Quincy

Você com certeza você já se deparou com a capa de Quincy enquanto rodava o catálogo da Netflix, mas só esperava um motivo para dar play. O filme acompanha a carreira do produtor e cantor Quincy Jones na música, onde atingiu a surpreendente marca de 80 indicações ao Grammy e 28 estatuetas ganhas ao todo.

Quem assume a direção é a sua própria filha, Rashida Jones, que também assina o roteiro. Aqui, acompanhamos registros de diversos anos, realizados por ela e pelo diretor de cinema Alan Hicks. A obra junta uma biografia contada com cuidado e nos mínimos detalhes, ao mesmo tempo que mescla com cenas mais duras, porém realistas, de como anda a vida de Jones atualmente: com cada vez mais problemas de saúde e grandes demandas que ocupam seu tempo.

6. Gaga: Five Foot Two

Quando se trata de música pop, não há quem não conheça o nome de Lady Gaga. Este filme é dirigido por Chris Moukarbel e foi lançado inicialmente no Festival de Cinema de Toronto, antes de chegar à Netflix em 2017. O filme traz uma visão muito íntima dos bastidores da carreira da artista, além de olhar com cuidado e muito de perto para os preparativos de sua apresentação no Super Bowl, considerado um dos shows mais impactantes do evento.

Ao mesmo tempo, Five Foot Two traz uma abordagem energética e potente, à altura da cantora que está em frente às câmeras. Em depoimentos, Gaga mostra como sempre se cobrou muito para suas aparições marcantes em eventos, shows e videoclipes — justamente por conta da sensação de controle de sua própria carreira que isso lhe dá.

5. Emicida: Amarelo - É Tudo Pra Ontem

O fim de 2020 também foi marcado pela estreia de outro documentário nacional na Netflix: AmarElo - É Tudo Pra Ontem, que desta vez acompanha os bastidores do show de Emicida no Theatro Municipal de São Paulo, logo após lançar seu álbum AmarElo, altamente elogiado pela crítica especializada e muito bem-recebido pelos fãs.

Entre os principais pontos a serem destacados na obra, não há como não falar sobre a coesão do roteiro e como o uso da fotografia é excelente, engrandecendo tanto Emicida quanto todos os elementos vistos em tela, de forma adequada e oferecendo um outro tipo de experiência para o espectador.

4. Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story by Martin Scorsese

Apesar de o título explicar quase tudo, Rolling Thunder Revue vai muito além de Martin Scorsese contando a história de Bob Dylan. Descrever o documentário dessa maneira parece banalizar o olhar tão sensível e delicado de um dos maiores cineastas da geração colocou sob a biografia de um dos mais icônicos nomes da música.

Aqui, acompanhamos um dos períodos de maior sucesso criativo de Bob Dylan (entre 1961 e 1966, para ser mais exato): quando ele ganhou destaque na cena folk de Greenwich Village e deixou Nova York para trás, pronto para abraçar o rock ‘n roll cru e em sua mais pura essência. Ao mesmo tempo, esse filme é um amplo olhar à cultura estadunidense e aos acontecimentos que a varreram — e em como os artistas tiveram de se virar para se adaptar às bruscas mudanças do período.

3. Miss Americana

Não é equivocado dizer que se tem um nome que move a indústria musical atualmente é o de Taylor Swift. A cantora e compositora faz sucesso sem precisar de muito esforço, mas é justamente por conta desse pensamento que filmes como Miss Americana são importantes: se reinventar é um papel quase que obrigatório quando se é uma artista mulher, e Taylor mostra isso frequentemente em seu filme.

Além disso, o longa também traz um olhar íntimo ao “hiato” da cantora antes do lançamento de seu ousado álbum Reputation, a frustração ao não ser indicada ao Grammy, a decisão de se posicionar politicamente para a legião de fãs que a acompanha, a rotina e saúde mental para lidar com haters diariamente e os bastidores de produção de seu primeiro (dessa vez 100% tratando-se de direitos autorais) álbum, Lover.

2. What Happened, Miss Simone?

Apesar de não ser um nome tão conhecido no mainstream brasileiro, Nina Simone foi não somente uma artista completa e um talento nato no piano, como também um nome importantíssimo para o ativismo negro. A cantora de jazz tinha um relacionamento um tanto complicado com a imprensa e a indústria musical como um todo, seja por questões de saúde mental ou sua postura mais franca diante de assuntos de grande importância social.

Em What Happened, Miss Simone?, a cineasta Liz Garbus traz sem cerimônias os períodos mais complicados da vida da artista, mesclando com extensas e fascinantes performances, entrevistas e depoimentos de amigos e familiares e olhares poderosos trocados entre a cantora e seu público.

1. Flip a Coin

Para finalizar a lista de melhores documentar´sio sorbe música para assistir na Netflix e celebrar o lançamento de Flip a Coin no catálogo da plataforma de streaming, o filme acompanha a banda japonesa ONE OK ROCK, muito popular no país, mas que também ganhou o mundo por flertar diretamente com o pop punk e até mesmo o movimento emo.

O filme segue o grupo logo após o início da pandemia, mostrando como Taka, Toru, Ryota e Tomoya devem lidar com o cancelamento de uma turnê inteira, a “nova realidade” 100% digital para a indústria e, ao mesmo tempo, mesclando com imagens de performances icônicas de seus shows quando essas apresentações ao vivo ainda faziam parte do cotidiano.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.