Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

José Santa Cruz | 10 personagens eternizados pelo dublador

Por| 26 de Abril de 2024 às 22h21

Link copiado!

Disney, Fox, Warner Bros, Sony Pictures
Disney, Fox, Warner Bros, Sony Pictures

Mais uma voz lendária da dublagem nos deixa. O ator e dublador José Santa Cruz nos deixou no dia 26 de abril aos 95 anos de idade. Veterano da TV e do rádio, passou por emissoras como as extintas TV Tupi e Manchete, além de Globo e SBT, participando de programas como Zorra Total e A Praça é Nossa. Contudo, foi na dublagem que ele realmente se tornou eterno.

Dono de uma voz bastante versátil, interpretou personagens bem variados. De uma lista de centenas de produções em que participou, dublou figuras que nem sempre eram heróicas, mas tinham ora uma sabedoria peculiar, ora uma simplicidade mais do que cotidiana. Foi nesse equilíbrio, por exemplo, que deu uma personalidade toda brasileira para seu Dino da Silva Sauro em Família Dinossauro, cunhando o eterno “Querida, cheguei!” que é lembrado até hoje.

Continua após a publicidade

Também foi a voz oficial de atores como Ian McKellen e J.K Simon, o que fez com que ele fosse a voz nacional de personagens muito amados pelo público. Seu Magneto é impecável na mesma medida que criou um J.J. Jameson tão perfeito quanto o original. 

Por isso mesmo, a notícia de seu falecimento soou tão chocante para pessoas que nem mesmo sabiam que eram seus fãs. José Santa Cruz fazia parte de uma geração lendária de dubladores que era muito mais discreta com seu trabalho. Assim como Orlando Drummond e Isaac Bardavid, ele é muito mais lembrado pela excelência de suas atuações do que pela divulgação e exposição disso tudo.

Assim, para homenagear esse gigante que marcou tantas gerações com suas diferentes vozes, selecionamos seus trabalhos mais icônicos ao longo dos anos.

10. Hagrid (Harry Potter)

Quando o ator Robbie Coltrane, o Hagrid de Harry Potter faleceu, em 2023, toda uma geração que cresceu com os filmes do bruxinho se sentiu órfã daquele meio-gigante que era quase uma figura paterna para o herói. E, para os brasileiros, parte dessa relação com o personagem estava na dublagem de José Santa Cruz.

O ator conseguiu imprimir muito bem esse jeito simplório de Hagrid, mas sem deixar de lado esse tom acolhedor que ele tinha em suas palavras. Do seu cuidado com Harry à paixão pelos animais do mundo bruxo, tudo isso está mais do que presente na dublagem perfeita feita por aqui.

Continua após a publicidade

9. Jar Jar Binks (Star Wars: Episódio 1 – A Ameaça Fantasma)

O ódio a Jar Jar Binks foi quase um consenso entre os fãs de Star Wars por longos anos. Só que, enquanto o dublador original Ahmed Best sofreu muito com os ataques do público, o Jar Jar brasileiro passou ileso — muito por causa da ótima atuação de Santa Cruz, que conseguiu salvar o infame personagem.

O ator viveu o gungan na primeira dublagem do longa, feita ainda em 1999. Para isso, ele usou toda sua experiência como humorista para dar um pouco mais de personalidade para a criatura, retirando o estranho sotaque jamaicano que ele tinha no original para ganhar algo um pouco menos caricato.

Continua após a publicidade

8. Auguste Gusteau (Ratatouille)

Gusteau pode não ser o personagem mais lembrado de Ratatouille, que tem uma lista bem vasta de figuras marcantes e muito queridas do público. Contudo, o trabalho de José Santa Cruz à frente do falecido chef francês é vital para que a gente se apegue à animação da Pixar. Isso porque é a sua voz de Santa Cruz que cria essa conexão tão importante entre o público e o personagem.

No filme, Gusteau aparece como uma projeção feita pelo protagonista Remy de seu maior ídolo. Por isso mesmo, esse tom mais paternal apresentado pelo dublador faz com que ele se torne tão lembrado e querido, mesmo sendo um coadjuvante bem secundário.

Continua após a publicidade

7. Dr. Julius (Os Simpsons)

Na verdade, José Santa Cruz dublou diversos personagens em Os Simpsons. Ao longo dos mais de 30 anos em que a animação esteve no ar, ele já foi o mafioso Tony Gordo, o maníaco Sideshow Bob e o superintendente Chalmers. Contudo, sua participação mais recorrente foi como o doutor Julius.

Ele atuou como médico de Springfield entre as temporadas 14 e 31 — ou seja, mais de 15 anos no papel — e, por mais que o doutor não seja uma figura tão recorrente assim na série, ele sempre aparece para acalmar a família Simpson e mostrar que, apesar de tudo, todos eles seguem bem. E, é claro, a voz acolhedora de seu dublador ajuda muito nessa tarefa.

Continua após a publicidade

6. Pete Fedido (Toy Story 2)

Só que a voz de José Santa Cruz não funcionava apenas para essas figuras paternais e o dublador volta e meia dava vida a alguns vilões bem asquerosos. Um deles é Pete Fedido, o boneco vilão de Toy Story 2.

Além de trazer um tom de voz completamente diferente, o ator conseguiu localizar muito bem o personagem e fugir de estereótipos e dos maneirismos de atuação, conseguindo imprimir esse tom interiorano do boneco, mas sem virar uma caricatura de nenhuma região.

Continua após a publicidade

5. Megatron (Transformers)

Outro vilão vivido por Santa Cruz é Megatron, o líder dos Decepticons na franquia Transformers. Ele participou dos três primeiros filmes da saga, quando o robô gigante era dublado por Hugo Weaving no original. 

E, mais do que qualquer outro papel dessa lista, dar vida a Megatron é realmente um desafio absurdo, pois é necessário entregar toda a emoção (no caso, a raiva e o desprezo pelos Autobots) em meio à carenagem que é o chassi do boneco — e o dublador fez isso muito bem.

Continua após a publicidade

4. Sr. Omar (Todo Mundo Odeia o Chris)

O sucesso de Todo Mundo Odeia o Chris no Brasil já é um fato mais do que conhecido por todos, principalmente após a recente adoção do ator que fez Greg, Vincent Martella, pelo público brasileiro. E muito desse carinho vem da excelente localização da série.

E é claro que há um dedo de José Santa Cruz nisso. O lendário dublador interpretou o Sr. Omar, o agente funerário que é vizinho do protagonista. Com um jeito meio malandro de ser, ele se tornou muito lembrado graças ao bordão “Trágico! Trágico!”.

Continua após a publicidade

3. J. J. Jameson (Homem-Aranha)

De todas as diferentes versões que o Homem-Aranha teve ao longo dos anos, apenas uma única coisa permaneceu imutável: seu nêmesis J. J. Jameson. Mais do que a pobreza e as dores de cabeça de ser um herói que divide a vida de pejotinha em um jornal, a figura do editor-chefe mal-humorado é o que une todas as versões do Aranha. E, na grande maioria delas, Santa Cruz estava lá.

O dublador foi o responsável por dar voz à versão nacional do Jameson dos cinemas tanto no Homem-Aranha de Tobey Maguire quanto na versão recente do MCU. Só que, antes disso, ele já foi o jornalista ranzinza na animação da década de 1960 e na de 1980, além do Aranhaverso. Isso significa que, em nenhum lugar do mundo, ninguém pediu mais imagens do Homem-Aranha do que José Santa Cruz.

Continua após a publicidade

2. Magneto (X-Men)

Ainda na Marvel, Santa Cruz foi o responsável por dar vida ao vilão Magneto, um dos personagens mais amados de toda a franquia X-Men. Ele viveu o mutante durante toda a era Fox em que Sir Ian McKellen viveu o Mestre do Magnetismo.

Só que, antes mesmo do primeiro longa chegar aos cinemas em 1999, o dublador fazia parte do elenco nacional do desenho clássico dos X-Men — aquele icônico da década de 1990 e que ganhou nova vida com X-Men ‘97. E, para provar que ele sempre foi e sempre será a voz definitiva do Magneto, ainda participou de todas as temporadas de X-Men: Evolution, outro desenho que marcou gerações.

Continua após a publicidade

1. Dino da Silva Sauro (Família Dinossauro)

Só que, de todos os trabalhos de José Santa Cruz, nenhum é mais icônico e tão marcante quanto o que ele apresentou em Família Dinossauro. Assim como em vários de seus outros trabalhos, ele criou uma voz tão marcante para o personagem que a versão nacional do protagonista é única e muito superior à original. Sem o dublador, o personagem e a própria série se transformam em outra coisa muito mais sem graça.

O maior exemplo disso é que o bordão usado na versão tupiniquim — “Querida, cheguei!” — é tão mais cheio de personalidade do que a original. A entonação, o carisma e a vida que ele dá a esse boneco de borracha fez com que a frase se tornasse popular e lembrada anos depois do fim da série e usada até por quem nunca assistiu ao programa.