Crítica | Distanciamento Social conta histórias baseadas na pandemia da COVID-19

Por Natalie Rosa | 20 de Outubro de 2020 às 22h00
Divulgação: Netflix
Tudo sobre

Netflix

Saiba tudo sobre Netflix

Ver mais

Todos os anos, as mesmas coisas acontecem. Desastres naturais, mortes de pessoas queridas, tragédias e massacres, escândalos políticos, entre várias outras coisas. Mas em 2020, a situação ficou bem diferente do que se esperava. O alarme apitou ainda no final de 2019, mas quem poderia imaginar que um vírus mortal iria tomar conta do mundo inteiro em poucos meses?

Diferente da ficção, o coronavírus não transforma as pessoas em zumbis, não mata em questão de poucos dias e não tem as mesmas consequências em todo mundo que é infectado. Porém, tudo o que se sabe desse novo vírus, até agora, foi o suficiente para transformar o mundo, criar novos hábitos e estilos de vida, em um cenário em que todos precisaram se adaptar não só para não ser contaminado, mas para conseguir manter a saúde mental estável, assim como a financeira.

Agora, sete meses depois da declaração de pandemia, o coronavírus começou a ganhar uma atenção diferente na mídia, deixando de ser apenas tema de noticiário como também de produções para a televisão. No Brasil, a doença vem sendo abordada na quarta temporada da série Sob Pressão, original do Globoplay, e nos Estados Unidos também será tema da clássica série médica Grey's Anatomy, que estreia uma nova temporada em novembro.

Mas a Netflix acabou de publicar um novo título também relacionado à pandemia da COVID-19. Batizada de Distanciamento Social, a série aborda todos as mudanças de rotinas que vieram com a pandemia, diferentes formas nas quais as pessoas vêm lidando com ela, além de debater questões sociais de convívio e entendimento sobre o que está acontecendo.

Imagem: Divulgação/Netflix

Atenção: esta crítica pode conter spoilers da série Distanciamento Social!

Sem uma produção extremamente elaborada, mas sim com cenários simples e caseiros, e personagens comuns, Distanciamento Social, que leva o nome de um termo que não saiu da boca de grande parte da população até agora, mirou na simplicidade para trazer uma aproximação com o público, garantindo uma identificação e empatia, contando uma história diferente a cada episódio, com foco no começo da pandemia, quando as pessoas ainda estavam se adaptando e mais assustadas do que nunca, enquanto aprendiam a usar o Zoom e outras ferramentas para manter o contato com as outras.

Logo no primeiro, um baque: o personagem tinha uma barbearia e, por não ser considerada uma função essencial, lá no começo da pandemia todos os locais parecidos precisaram ser fechados. Como ele mesmo fala, o que ele demorou anos construindo, foi fechado em questão de dias por motivos que fogem do seu controle. Essa, infelizmente, é uma realidade de muitas pessoas que tiveram seus comércios e empresas fechadas por não conseguirem se sustentar nesses tempos difíceis. No episódio, o problema também é abordado com a questão das consequências que isso traz para a saúde mental, se apegando no fato de o rapaz também ter perdido a namorada e estar morando sozinho.

Imagem: Divulgação/Netflix

Em seguida, acompanhamos histórias que abordam o tema com mais tranquilidade e com um toque de humor, como a de um casal que não está se suportando e recorre a um aplicativo de paqueras para encontrar um terceiro elemento para a diversão, ou a de outro casal, mas de idosos, que tem opiniões diferentes sobre atuar na linha de frente contra o vírus. Essas são intercaladas com histórias mais tristes e intensas, como a de uma família que está mantendo a matriarca isolada no quarto, com um caso grave de COVID-19 e correndo risco de morte, enquanto seu filho pequeno não consegue entender o motivo de ela estar isolada.

O episódio final traz ainda outro elemento para a trama, que aconteceu em paralelo ao auge da pandemia: os protestos do Black Lives Matter, ou Vidas Negras Importam, quando o mundo foi às ruas, em junho, protestar contra o assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, que foi estrangulado por um policial. Em 18 minutos, um homem de meia idade e um jovem, ambos negros, debatem sobre como lutar contra o racismo em diferentes gerações. O racismo e a xenofobia também são citados no episódio anterior, quando um adolescente chinesa descobre que o garoto de quem gosta vem publicando ofensas contra o seu país, devido ao coronavírus ter se originado por lá.

Imagem: Divulgação/Netflix

O mais interessante da série é o fechamento de cada episódio com incertezas, assim como vem sendo a realidade. Não sabemos como vai ser daqui a um ou dois meses, muito menos daqui a um ano. Se estaremos vacinados, se seremos contaminados ou se sobreviveremos para contar essa história. Em Distanciamento Social, não vemos o que acontece com os personagens, se as coisas melhoraram ou não, nada tem um fechamento, a situação é apenas apresentada.

E isso tudo, que parece ser tão mórbido e triste, não nos abala da forma que abalaria se o coronavírus não existisse e estivéssemos assistindo a uma ficção nada baseada na realidade. Sabemos o que está acontecendo, mas não sabemos do futuro, e por mais que seja tocante ver as histórias contadas ao longo dos episódios, conseguimos nos conformar com a falta de respostas, assim como já nos acostumamos com o novo mundo real em sete meses de pandemia.

Distanciamento Social está disponível em oito episódios na Netflix.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.