Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Nem Zack Snyder é capaz de defender Rebel Moon das críticas

Por| Editado por Durval Ramos | 13 de Março de 2024 às 15h27

Link copiado!

Reprodução/Netflix
Reprodução/Netflix
Zack Snyder

Rebel Moon - Parte 1: A Menina do Fogo estreou na Netflix em dezembro de 2023, com crítica e público descendo a lenha na nova empreitada de Zack Snyder. A ficção-científica, que terá a sua segunda parte estreando no streaming em abril, recebeu duras críticas referentes à sua história, ação e efeitos especiais, os quais nem mesmo o diretor parece saber como defender.

Em entrevista à revista Empire, Snyder, diretor de Rebel Moon e exímio churrasqueiro, disse que não tem qualquer tipo de defesa às críticas que o filme teve em sua estreia. Ele ainda levantou a bola para o público, afirmando não entender muito bem por que seus filmes dividem tanto a opinião de crítica e espectadores.

Continua após a publicidade

"Não tenho resposta às críticas. Por algum motivo, a reação aos meus filmes é sempre muito polarizada. Eu não acho que esse filme tem tanta coisa para receber respostas tão viscerais", comentou o diretor. 

Existe a teoria de que a base de fãs de Snyder, que se criou após o seu trabalho em adaptações da DC Comics, como Batman vs Superman e Liga da Justiça, esteja disposta a lutar com unhas e dentes qualquer coisa que o diretor faça, mesmo um filme considerado tão ruim quanto Rebel Moon: A Menina do Fogo. Isso poderia ser um motivo pelo qual Snyder vê reações tão distintas ao seu trabalho.

Essa divisão, inclusive, é algo que vem desde antes de ele se tornar a cabeça por trás do agora finado Universo Cinematográfico Estendido da DC (DCEU, na sigla em inglês). As opiniões já eram muito polarizadas já em meados de 2009, quando o cineasta trouxe sua versão do clássico quadrinho Watchmen, mas repleta de mudanças na essência da obra. Assim, enquanto parte do público destacava uma suposta genialidade no estilo do diretor, outra apontava que Snyder era incapaz de entender o conceito das histórias que adaptava. No caso, ele tornou uma trama que sempre foi uma clara crítica aos super-heróis em uma aventura extramente heróica — e, por isso mesmo, rejeitada por Alan Moore, o roteirista da HQ original.

No caso de Rebel Moon, a situação é até bastante parecida. Snyder disse várias vezes que o filme da Netflix nasceu como uma ideia de Star Wars que foi rejeitada pela Disney e, em entrevistas posteriores, ele chegou a falar que sua nova franquia sci-fi iria melhorar aquilo que Star Wars errou. Só que o que as críticas apontam é que A Menina do Fogo não chega nem perto disso, sendo apenas uma releitura da saga dos Skywalker com fortes influências de filmes como Os Sete Samurais ou outras tramas do gênero. E todo esse estilo falastrão do diretor parece acirrar as visões opostas que o público tem dele, seja por considerá-lo genial ou um cineasta medíocre.

A esperança na segunda parte da história

Porém, nem tudo está perdido, já que o projeto ainda pode sair com um saldo positivo se a continuação da história, Rebel Moon - Parte 2: A Marcadora de Cicatrizes for excepcional. A chance de isso acontecer é pequena, mas coisas mais bizarras já aconteceram.

Continua após a publicidade

Com estreia marcada para o dia 19 de abril, o filme mostrará o grupo de rebeldes que se juntou na primeira parte da história, lutando contra o avanço das forças do Mundo-Mãe. Porém, nem mesmo o diretor e roteirista Zack Snyder parece acreditar totalmente na história que chegará ao streaming em abril, já que ele promete "versões do diretor" das duas partes, com mais violência e cenas adicionais.

"São insanas! Vai ser interessante ver o que os críticos vão falar das versões do diretor. É um tipo diferente de filme", comentou Snyder à Empire. Isso apenas levanta uma questão muito importante: se essas versões estendidas são tão melhores, por que Snyder não lança elas de uma vez?

Acredita-se que no acordo entre a produtora The Stone Quarry, de Snyder, e a Netflix o diretor teria total liberdade para criar suas histórias no streaming, algo que ele reclamou bastante em sua passagem pelo finado DCEU. A criação de "edições do diretor" geralmente é atrelada à produções difíceis, em que apenas anos depois do seu lançamento, seus diretores têm a possibilidade de entregar a visão real de suas histórias, sem a influência de estúdios.

Continua após a publicidade

Se Rebel Moon é 100% Zack Snyder, por que ele está inventando moda com edições estendidas? A Netflix está metendo a mão na produção? Fica difícil tentar defender o visionário desse jeito. Ele está basicamente falando que a versão de Rebel Moon que saiu em dezembro, e sua conclusão de abril, serão meia boca, mas "esperem que depois vem a versão boa".