Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Crítica Batem à Porta | Suspense de Shyamalan é morno e não engrena

Por| Editado por Jones Oliveira | 07 de Fevereiro de 2023 às 19h30

Link copiado!

Reprodução/ Universal Pictures
Reprodução/ Universal Pictures

Uma das principais estreias nos cinemas em fevereiro de 2023, Batem à Porta é o novo suspense de M.Night Shyamalan, diretor famoso por dividir a opinião do público. Se por um lado seus longas Fragmentado e O Sexto Sentido são aclamados, por outro trabalhos como A Dama na Água deixam a desejar. E, nessa nova produção, ele derrapa mais uma vez ao entregar um filme morno e sem carisma, que pouco prende a atenção do espectador.

Não dá para negar que a história realmente tem uma premissa interessante. Ela se pauta em uma família composta por dois pais — Eric (Jonathan Groff) e Andrew (Ben Aldridge) — e uma filha que viaja até um chalé distante para espairecer. O objetivo é relaxar e esquecer um pouco do estresse da cidade, mas eles são surpreendidos por quatro estranhos armados que invadem o lugar, alegando ser um grupo cuja missão é evitar o apocalipse.

Atenção! Esta crítica pode conter spoilers do filme.

Continua após a publicidade

Não funcionou no cinema

Nervosos e agitados, os estranhos contam que a família precisará escolher um membro para ser morto em até 24 horas; caso não façam isso, o mundo será destruído. É claro que o casal não acredita e tenta, a todo custo, se livrar dessa situação e proteger a filha pequena, mas à medida que o tempo vai passando, situações bizarras vão acontecendo e eles percebem que o fim do mundo pode realmente estar próximo.

Baseado no livro O Chalé no Fim do Mundo, de Paul Tremblay, a história provavelmente funcionaria bem no formato original, pois daria ao leitor a chance de deixar a imaginação trabalhar; no cinema, a trama ficou chata, monótona e até um pouco boba.

São poucos os momentos de suspense e, além de tudo, eles são mal estruturados, de modo que após as primeiras mortes o espectador já sabe o que esperar do final, e resta apenas acompanhar o filme com uma cara blasé.

A sensação que fica é que o texto poderia ser mais bem trabalhado e ter gerado um suspense de roer as unhas, mas, infelizmente, ficou na promessa. Os momentos de flashback que contam um pouco da história de como Eric e Andrew se conheceram, e até como eles adotaram a filha, cumprem a função de situar o espectador na história, mas são tão rápidos que acabam ficando soltos.

Continua após a publicidade

E, por falar em ritmo, o fato de o filme ser rápido não é necessariamente um problema, mas, unindo um roteiro fraco a isso, é como se o longa rodasse e rodasse e não falasse nada.

Ok, sabemos que haverá desastres mundiais, sabemos que o grupo principal irá morrer — e já sabemos até como — e sabemos também que no final um dos dois do casal precisará fazer uma escolha: viver e tentar sobreviver a um apocalipse ou morrer e salvar a Terra. Mas tudo isso é mostrado de uma maneira tão previsível que quanto mais o tempo passa, mais entediante a história vai ficando.

Boas atuações não salvam a trama

Continua após a publicidade

Já que falamos dos personagens, não dá para negar que o filme traz boas atuações. Nikki Amuka-Bird (Persuasão) impressiona como a enfermeira Sabrina, e o casal principal vivido por Jonathan Groff (Mindhunter) e Ben Aldridge (Fleabag) também agrada. O destaque fica para a pequena Wen, vivida por Kristen Cui, que mostrou todo seu talento em cena.

Já o desempenho de Dave Bautista (Guardiões da Galáxia) também não deixa a desejar. O ex-lutador da WWE tem investido na carreira de ator e mostrado que tem talento frente às câmeras. Em Batem à Porta, ele dá vida a Leonard, um homem grandalhão que apesar da aparência bruta, consegue ser amoroso e tem momentos de carinho com Wen.

No entanto, aqueles que forem ao cinema querendo ver mais de Rupert Grint — o eterno Rony Weasley, de Harry Potter— irão se decepcionar. Isso porque o ruivo mal aparece na história, e embora entregue uma atuação consistente, não tem relevância.

Continua após a publicidade

Final previsível

Como já era de se esperar, o final de Batem à Porta é bastante previsível e não traz nenhuma novidade ou plot twist. Sendo assim, vale falar que o suspense de Shyamalan não é um filme de todo ruim, já quem tem uma boa ideia, mas com certeza não surpreende e não vale a entrada do cinema.

Ainda assim, se você ficou curioso e quer dar uma chance à Batem à Porta, pode garantir sua entrada pelo Ingresso.com