Tesla faz recall de quase 12 mil carros por falha no piloto automático

Tesla faz recall de quase 12 mil carros por falha no piloto automático

Por Paulo Amaral | Editado por Jones Oliveira | 02 de Novembro de 2021 às 17h30
Divulgação/Tesla

A atualização da versão Beta do pacote Full Self-Driving (FSD) nos carros da Tesla equipados com AutoPilot começou em setembro e já está dando dores de cabeça para a empresa do bilionário Elon Musk. De acordo com a Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário (NHTSA) dos Estados Unidos, cerca de 12 mil carros da marca, fabricados a partir de 2017, precisarão passar por recall obrigatório.

Ao todo, serão 11.704 carros de modelos diferentes - S, 3, X e Y -, que tiveram acesso antecipado à atualização para o software 10.3 do Full Self-Driving. Segundo a NHTSA, o recall será necessário como medida preventiva a possíveis acidentes. O órgão revelou que identificou um erro de software no piloto automático da Tesla que poderia causar um falso aviso de colisão frontal ou ativação inesperada do sistema de freio de emergência automático.

“Essa desconexão de comunicação pode fazer com que as redes neurais de vídeo que operam naquele chip funcionem de forma menos consistente do que o esperado. A inconsistência pode produzir detecções de velocidade negativa do objeto quando outros veículos estão presentes, o que por sua vez pode levar a falsos [avisos de colisão frontal] e [frenagem automática de emergência]”, diz parte do documento.

Tesla diz ter solucionado bug

Imagem: David von Diemar/Unsplash

A Tesla admitiu o problema e disse que, em questão de horas, identificou os bugs citados nos relatórios e já iniciou as medidas para mitigar os riscos. Segundo a Reuters, a montadora revelou que “desinstalou o FSD 10.3 após receber relatórios de ativação inadvertida do sistema automático de frenagem de emergência" e, então, "atualizou o software e lançou o FSD versão 10.3.1 para os veículos afetados”.

Ainda de acordo com a agência de notícias, a alegação da Tesla para a falha é que ela foi causada por uma desconexão de comunicação de software entre dois chips integrados, gerando um problema que poderia produzir "detecções de velocidade negativa do objeto quando outros veículos estão presentes".

A NHTSA avisou que continuará monitorando de perto o desenrolar dos fatos. A Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário dos Estados Unidos vem uma investigação formal para acompanhar o piloto automático em 765 mil carros da Tesla no país já no mês de agosto. A preocupação surgiu após vários relatos de incidentes envolvendo carros da marca, principalmente por falhas no sistema AutoPilot.

Fonte: TechCrunch, Reuters, NHTSA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.