Publicidade

5 motivos para não comprar a Ford Maverick Hybrid

Por| Editado por Jones Oliveira | 22 de Julho de 2023 às 09h30

Link copiado!

Felipe Ribeiro/ Canaltech
Felipe Ribeiro/ Canaltech
Tudo sobre Ford

A Ford Maverick Hybrid é a primeira picape híbrida à venda no Brasil e tem uma proposta bem diferente da que vimos no modelo FX4, equipado com o conhecido motor 2.0 turbo Ecoboost. Entretanto, apesar dessa diferença, os equipamentos das duas versões é o mesmo.

Nós destacamos algumas das qualidades da Ford Maverick Hybrid em outra lista e que são muito importantes na hora de decidir a compra. São eles:

  1. Design
  2. Desempenho
  3. Consumo
  4. Dirigibilidade
  5. Tamanho da caçamba
Continua após a publicidade

Qual é o público-alvo da Ford Maverick Hybrid?

A Ford Maverick Hybrid tem as mesmas medidas da sua irmã FX4, porém a troca de motorização e do tipo de tração muda um pouco o tipo de cliente que vai querer adquiri-la. Como é mais econômica e menos potente, seu uso na cidade é mais amigável, enquanto para longas viagens, o consumidor vai gastar menos dinheiro e terá um passeio bem tranquilo.

Sempre que vemos uma picape intermediária, temos que analisar bem as características de cada versão. No caso da Maverick Hybrid, que não tem o mesmo apelo off-road da FX4, o público que vai se interessar são jovens entusiastas de caminhonetes, ou pessoas que querem começar na eletrificação de uma maneira mais estilosa.

Continua após a publicidade

5 motivos para não comprar a Ford Maverick Hybrid

Mesmo com várias qualidades, listamos algumas coisas que nos incomodaram no convívio com a picape híbrida. Confira 5 motivos que podem fazer você não comprar a Ford Maverick Hybrid.

5. Capacidade de carga

Estamos falando de uma picape e, mesmo que a proposta da Ford Maverick Hybrid seja de trazer um aspecto mais urbano para a categoria, sua capacidade de carga decepciona. São apenas 659kg que podem ser levados no compartimento traseiro, número inferior, por exemplo, ao da Fiat Strada, que passa de 700kg.

Continua após a publicidade

4. Acabamento

A Ford Maverick é um carro "de entrada" nos Estados Unidos e segue a média de acabamento das picapes intermediárias/médias que já conhecemos. Mas, depois do lançamento da RAM Rampage, acabaram-se as desculpas para as montadoras não capricharem nos arremates internos das cabines. Isso também começa a valer para a Fiat Toro, Toyota Hilux e tantas outras caminhonetes no mercado.

Continua após a publicidade

3. Não tem tração integral

Um item que pode fazer falta e te fazer comprar a versão FX4 da Ford Maverick é a falta de tração integral da Maverick Hybrid. Sim, ela até consegue se dar bem em trechos fora de estrada, como pudemos ver em nossos testes, mas se tivesse a opção de tracionamento nas quatro rodas tudo seria ainda melhor, além de trazer um pouco mais de estabilidade na estrada. Fica a dica para uma próxima geração.

2. Retrovisor aproximado

Continua após a publicidade

Algo que incomoda na Ford Maverick e em alguns carros importados do México e dos EUA, como o Chevrolet Bolt, são os retrovisores aproximados. Além de tirar parte da visibilidade lateral e traseira, pode atrapalhar na hora da troca de faixa, porque nem mesmo o espelhinho que vem junto da peça ajuda a ampliar a visão. A sensação de dirigir com isso é horrível, mas você acaba se acostumando depois de um bom tempo.

Para lotes futuros, a Ford poderia oferecer a troca de retrovisores nem que seja como um pacote "opcional Brasil".

1. Falta absurda de equipamentos

Continua após a publicidade

A Ford Maverick Hybrid custa mais de R$ 240 mil e isso torna a ausência de alguns equipamentos inadmissível para a picape. Essa questão do retrovisor, por exemplo, poderia ser bem amenizada com um bom alerta de ponto cego. Para manobras, então, a solução estaria em sensores de estacionamento, que só podem ser colocados em um pacote à parte — de série, não há nem o traseiro.

Isso sem falar em outros itens que deveriam estar lá como itens, ao menos, em um pacote à parte, como o retrovisor interno eletrocrômico, piloto automático adaptativo e o alerta de saída de faixa com correção.