Facebook realiza 1º teste de salas de áudio ao vivo com Mark Zuckerberg

Facebook realiza 1º teste de salas de áudio ao vivo com Mark Zuckerberg

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 16 de Junho de 2021 às 10h30
LightFieldStudios/envato

Em abril, o Facebook anunciou uma série de recursos voltados para as conversas de áudio com o objetivo de rivalizar com o Clubhouse. Uma das principais novidades certamente foi o Live Audio Rooms, que permitiria o bate-papo por áudio entre convidados com interação do público via chat, como ocorre com as lives de vídeo tradicionais.

Nesta semana, a empresa realizou seu primeiro teste público para usuários dos Estados Unidos. O evento foi apresentado pelo CEO Mark Zuckerberg, e contou com a participação de executivos e criadores de games para a plataforma: o vice-presidente e chefe do Facebook Reality Labs, Andrew “Boz” Bosworth; o chefe do aplicativo da rede social, Fidji Simo; e os desenvolvedores StoneMountain64, QueenEliminator e TheFierceDivaQueen.

A conversa de testes envolveu o CEO do Facebook e convidados (Imagem: Reprodução/TechCrunch)

Segundo o site TechCruch, os criadores usaram seu tempo para falar mais sobre o processo de produção de games para o Facebook. Zuckerberg aproveitou para mencionar brevemente os novos recursos de jogos, incluindo um novo tipo de postagem lançada em breve e chamada “Looking for Players”. A ideia é ajudar as pessoas a encontrar outros jogadores enquanto estão fazendo suas transmissões.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Além disso, os emblemas obtidos durante as transmissões ao vivo agora serão transferidos para grupos de fãs,o que deve permitir identificar aqueles que se destacam por acompanhar a produção de conteúdo de terminado streamer. Essa novidade deve começar a chegar a todos a partir de agora.

Experiência sem grandes inovações

As salas de áudio ao vivo no Facebook não parecem ter nada de especial ou inédito em comparação com Clubhouse ou Twitter Spaces. Os anfitriões aparecem em ícones arredondados e com mais destaque na parte superior da tela, enquanto os ouvintes aparecem na metade inferior da tela, como ícones menores. No meio, está uma seção que inclui pessoas seguidas pelos palestrantes.

Essa é a tela principal da sala de áudio do Facebook (Imagem: Reprodução/TechCrunch)

Para mostrar quem está falando, um anel brilhante aparece em torno da foto do perfil. Se o perfil for verificado, o selinho azul aparece ao lado dos nomes. Os ouvintes podem "Curtir" ou reagir de outras formas ao conteúdo durante a transmissão e escolher compartilhar a Sala de Áudio em uma postagem no Facebook, em um Grupo, com um amigo diretamente ou por meio de outros aplicativos.

Um botão de alternância sob o menu de três pontinhos da sala permite que você ligue ou desligue as legendas geradas automaticamente, para fins de acessibilidade. A partir dali é possível também denunciar usuários ou relatar problemas e bugs encontrados na transmissão.

A Live Audio Room não oferece nenhuma opção para levantar a mão ou de juntar-se aos falantes no “palco”, mas esta pode ter sido uma configuração proposital apenas por se tratar de um teste. Outros aplicativos, como o Spaces, tem esse recurso quando o organizador permite, o que ajuda a enriquecer os debates com a participação de terceiros.

Essas são as opções de compartilhamento das conversas até o momento (Imagem: Reprodução/TechCrunch)

Monetização para conteúdo

Questão sempre levantada por Zuckerberg, a chamada economia criativa estava presente nas conversas. Ele ressaltou a importância de permitir que as pessoas façam trabalhos com os quais tenham afinidade e não somente para receber o pagamento no fim do mês. É por isso que o CEO acredita na monetização de conteúdos variados, que vá além dos games, streaming, jornalismo e escritores, como já foi anunciado recentemente. A ideia é criar formas de remunerar pessoas por outros tipos de serviço, para que elas se sintam realizadas com o que fazem e o façam por prazer.

Zuckerberg também falou sobre como a empresa não terá, de imediato, uma parte da receita gerada pelo conteúdo dos criadores. “Em razão deste período em que não estamos tendo uma redução, e que mais pessoas podem assumir esses tipos de funções, acho que será uma boa coisa a fazer — especialmente considerando o quão duramente atingida foi a economia em razão da pandemia da COVID”, disse ele.

O Facebook tem pensado em novas formas de monetizar conteúdo nas suas plataformas sociais (Imagem: Divulgação/Facebook)

O Clubhouse lançou uma ferramenta de remuneração para criadores que deixam a receita 100% para eles, sem qualquer tipo de desconto, além de financiar alguns programas deles. Enquanto isso, o Twitter está vinculando seu produto de áudio, o Spaces, a um conjunto mais amplo de ferramentas de criação, que agora incluem newsletters, previsão do tempo, opções e recursos exclusivos: uma plataforma de assinatura batizada de Super Follow.

Zuckerberg não disse quando Live Audio Rooms estariam disponíveis ao público, mas revelou que a expectativa é estender os testes para mais pessoas em breve. O recurso estará disponível inicialmente apenas para iOS e Android, sem suporte para a versão web ou outros sistemas.

Como está a sua expectativa para as salas de áudio do Facebook? Acha que serão um sucesso ou não será páreo

Fonte: TechCrunch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.