Microsoft vai afrouxar os requisitos mínimos do Windows 11? Aparentemente, não

Microsoft vai afrouxar os requisitos mínimos do Windows 11? Aparentemente, não

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 30 de Julho de 2021 às 09h43
Divulgação/Microsoft

O Windows 11 carrega promessas grandiosas para a Microsoft. O CEO da companhia, Satya Nadella, diz que ele é “o início de uma revolução do Windows” e que, nele, a empresa pretende “reimaginar tudo”, com mudanças que vão do visual às estratégias que regem as plataformas. Tantas vantagens, porém, demandam requisitos mínimos mais robustos que, aparentemente, não devem ser flexibilizados no lançamento.

Durante uma sessão de perguntas e respostas, a gerente de programas da Microsoft, Aria Carley, comentou que essas exigências do Windows 11 são importantes para garantir uma experiência fluida, de alta produtividade e segurança — confira os requisitos mínimos para rodar o Win 11. Inclusive, se você tentar contornar as demandas e tentar instalar o sistema em um computador sem suporte, a Microsoft ainda conseguirá impedir que atualizações aconteçam.

Assim que foi apresentado para o público geral, a recepção do Windows chacoalhou: os requisitos mínimos para rodar o SO, além de mais altos do que os do Windows 10 (algo natural para uma evolução), exigem a ativação de componentes não tão comuns — e, às vezes, desabilitados por padrão — no computador, como o chip Trusted Platform Module (TPM) 2.0 e Secure Boot.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Para habilitar tais funções, o usuário precisa vasculhar nas configurações de BIOS (prática não recomendada para pessoas não familiarizadas com informática). O TPM é um componente que assegura informações de inicialização com criptografia, enquanto o Secure Boot garante o Windows (e apenas ele) é o sistema do computador — então, diga “adeus” ao Dual Boot.

Os problemas começaram no software da Microsoft "Verificação de Integridade do PC". O programa tinha a função de checar as características da máquina para assegurar a compatibilidade com o Win 11, mas não era capaz de descrever o motivo da falta de suporte quando ele era identificada. Falsos negativos também aconteciam, segundo a própria Microsoft. Não durou muito e logo ele foi retirado do ar para ser retrabalhado — e até agora não voltou.

A tela de incompatibilidade do Windows 11 foi uma aparição comum para milhares de usuários (Imagem: Igor Almenara/Canaltech)

Outra questão importante, mas que a Microsoft não divulgou de forma consistente, foi a lista de compatibilidade de processadores. Em sessão de uma página de suporte, a companhia revelou que somente processadores lançados a partir de 2017 teriam suporte ao Windows 11, apesar de haver relatos de CPUs mais antigas rodando a prévia do Windows 11 sem problemas.

E os PCs antigos?

Se as palavras da gerente realmente forem a posição da empresa, eles devem ficar para trás. Apesar de ter feito vista grossa para os componentes nas prévias distribuídas pelo Windows Insider, a Microsoft deixou claro que só seria nesta ocasião. A recepção negativa das exigências, porém, já fez a companhia se movimentar: em junho, ela reconheceu que a seleção de processadores era bem restritiva e considerou ampliar o suporte para mais uma geração de chips Intel e AMD.

Quanto a TPM 2.0 e Secure Boot, as coisas não devem mudar. Também em junho, a companhia se posicionou quanto às obrigatoriedades, caracterizando-as como uma forma de "elevar a base de proteção" de todos os usuários. Os mecanismos de segurança a nível de hardware atuam ativamente em recursos como o Windows Hello e BitLocker.

Se o seu computador não conta com nenhuma dessas ferramentas, então é bom pensar em alternativas. Para a Microsoft, a solução mais fácil para usuários que querem ingressar no Windows 11 é comprar um computador novo. Contudo, dependendo de qual for sua máquina atual, apenas um upgrade pode ser o suficiente para resolver o problema.

Contudo, deixar de migrar não significa que seu computador ficará sem suporte de imediato. A Microsoft garante que o Windows 10 receberá atualizações até 2025 — e para este ano ainda há uma grande atualização a caminho. O PC pode ficar sem os recursos mais refinados ou o visual retrabalhado, mas não será largado pela companhia.

Requisitos mínimos do Windows 11 serviriam para garantir uma experiência fluida e segura (Imagem: Igor Almenara/Canaltech)

O Windows 11 ainda não tem data para sair, mas a sua estreia em PCs novos é esperada para outubro. A atualização gratuita para usuários do Windows 10 deve ser encaminhada para todos em janeiro, então ainda há uns meses para torcer que algo mude na mentalidade da Microsoft.

Entretanto, se seu computador já estiver preparado para receber o Win 11, você pode experimentar uma de suas prévias. Ontem (30), a Microsoft liberou a primeira versão beta do sistema para membros do programa Windows Insider.

Fonte: Microsoft (YouTube)  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.