Microsoft recua e cogita ampliar suporte do Windows 11 para CPUs antigas

Microsoft recua e cogita ampliar suporte do Windows 11 para CPUs antigas

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 28 de Junho de 2021 às 18h45
Reprodução/Microsoft

Não demorou muito e a Microsoft recuou em parte das suas exigências em relação a hardware compatível com o Windows 11. Em uma publicação no seu blog oficial, a companhia esclareceu quais pontos considerou ao montar a lista de CPUs compatíveis e, para aliviar os consumidores, afirma que considera ampliar o suporte para modelos Intel de 7ª geração (Kaby Lake) e AMD Ryzen de 1ª e 2ª geração.

Segundo a Microsoft, é importante assegurar que a experiência com o Windows 11 “atenda às expectativas” dos usuários. O sistema é construído como uma série de experiências, incluindo segurança, confiabilidade, multitarefas e jogos, e para permitir que o software proporcione essas facilidades, a companhia precisou se apoiar em três princípios na escolha do hardware. São eles:

  • Segurança: o Windows 11 “elevou a barra de segurança” ao exigir a presença de hardware dedicado — o chip TPM (Trusted Process Module) — para mecanismos de autenticação, como o Windows Hello, Inicialização segura, encriptação de dispositivo, segurança baseada em virtualização (VBS) e integridade de código protegido por hipervisor (HVCI). A soma das ferramentas reduziu em 60% as ameaças por malwares.
  • Confiabilidade: computadores que vão para o Windows 11 receberão amplo suporte e estarão em um estado de estabilidade reforçado. Os CPUs suportados adotaram um novo modelo de driver da Microsoft. Além disso, ainda recebem atualizações de suas fabricantes e proporcionam “uma experiência 99,8% livre de falhas”.
  • Compatibilidade: o Windows 11 é pensado para ser compatível com os aplicativos que os usuários utilizam, por isso os requisitos mínimos são significativamente mais exigentes que o W10. Um processador dual-core de 1 GHz, 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento são suficientes para rodar o Office e o Microsoft Teams.

Contornando a recepção negativa dos requisitos mínimos, a Microsoft trabalhará ao lado das fabricantes para avaliar o desempenho do Windows 11 em processadores AMD de microarquitetura Zen 1 (linhas Ryzen 1000 e Ryzen 2000) e Intel, na família Kaby Lake. A companhia promete manter a comunidade ciente dos resultados positivos ou negativos em outras publicações de cunho técnico.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Widgets estão de volta no Windows 11 alimentados com inteligência artificial (Imagem: Reprodução/Microsoft)

Prévia do Windows 11 roda em máquinas sem suporte oficial

Nesta segunda-feira (28), a primeira prévia do W11 liberada para usuários inscritos no programa Windows Insider não respeita essas exigências e permite a instalação em computadores sem suporte oficial. Funcionários da companhia já mostraram, inclusive, o sistema rodando em computadores da Microsoft equipados com processadores não recomendados, como o Surface Studio 2.

Sendo assim, ainda há espaço para estender o suporte, resta saber se a Microsoft extenderá esses testes para gerações ainda mais antigas ou se manterá a régua onde está. Por agora, a compatibilidade oficial continua restrita aos componentes selecionados pela dona do SO e a ampliação é somente uma promessa.

O Windows 11 ainda não tem data para ser lançado e muita coisa pode mudar até que o dia chegue. A Gigante de Redmond anunciou que o lançamento do sistema operacional aconteceria em algum momento do início de 2022, mas alguns rumores indicam que a versão final deve aparecer em outubro deste ano.

Fonte: Microsoft

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.