Conheça os 10 smartphones mais interessantes de 2015

Por Pedro Cipoli | 04 de Dezembro de 2015 às 11h31

Estamos quase no final de 2015, e tivemos uma boa quantidade de smartphones interessantes anunciados este ano. Separamos os 10 que nos chamaram mais a atenção, os que trouxeram um “algo a mais”, independentemente do preço cobrado pelos fabricantes. Vale dizer que nos restringimos aos modelos anunciados no Brasil, já que seria uma lista bem diferente se incluíssemos os modelos internacionais. OnePlus 2, Lumia 950, Nexus 5X e Nexus 6P são exemplos de modelos que entrariam nessa competição, mas, infelizmente, eles não deram as caras por aqui (não oficialmente, pelo menos). Então, sem mais delongas, vamos à lista!

ASUS Zenfone 2

  • Sistema: Android 5.0 (com ZenUI)
  • Chip: Intel Atom Z3580
  • Armazenamento: 16/32 GB (+ suporte para cartão micro SD)
  • Preço: R$ 1.499
AZUS ZENFONE 2

O Zenfone 2 é para 2015 o que o Moto Maxx da Motorola foi para 2014, trazendo um conjunto de especificações excelente não somente considerando a sua faixa de preços, mas de uma forma geral. Além de ser um dos primeiros aparelhos do mundo a trazer 4 GB de memória RAM, veio com um poderosíssimo processador Intel Atom Z3580 capaz de agradar qualquer heavy user, 32 GB de memória interna e um preço bastante competitivo de R$ 1.499.

É realmente difícil encontrar um defeito nele que justifique um investimento (muito) maior em um smartphone (muito) mais caro, se tornando o último modelo que ainda foca em uma relação custo-benefício favorável ao usuário. Para nós, o único “problema” do Zenfone 2 é que ele demorou muito tempo para chegar ao Brasil, já que ele seria um sucesso de vendas ainda maior se chegasse no primeiro semestre do ano.

Motorola Moto X Force

  • Sistema: Android 5.1
  • Chip: Qualcomm Snapdragon 810
  • Armazenamento: 64 GB (+ suporte para cartão micro SD)
  • Preço: R$ 3.499
MOTOROLA MOTO X FORCE

Com um reposicionamento de família de smartphones, o Moto X Force é a segunda geração do Moto Maxx anunciado em 2014. Tanto que, internacionalmente, seu nome é conhecido como Droid Turbo 2, com o Droid Turbo original sendo o nosso velho conhecido Moto Maxx. O que ele tem de especial? Primeiramente, uma tela indestrutível (extremamente resistente seria uma expressão mais precisa), algo que poucos fabricantes ofereceram até o momento.

Assim como o Moto Maxx, ele vem com uma bateria massiva de 3750 mAh, isso em tempos onde os principais fabricantes usam baterias cada vez menores, além de 64 GB de memória interna com suporte para mais 200 GB via cartão microSD. Infelizmente, a autonomia prometida pela Motorola não se comprova na realidade, em especial pelo alto consumo de energia do Snapdragon 810, mas, ainda assim, consegue ficar fora da tomada por um tempo bem maior do que a maioria dos concorrentes.

O Moto X Force pode ser visto como o melhor que a Motorola tem a oferecer, competindo diretamente com os os principais tops de linha Android do mercado. E, assim como acontece com os seus concorrentes, seu preço não é dos mais competitivos — bem maior do que o Moto Maxx quando chegou ao mercado (R$ 2.199). Mas, quem se interessar por ele dificilmente vai se arrepender, já que é um smartphone e tanto.

iPhone 6s e 6s Plus

  • Sistema: iOS 9
  • Chip: Apple A9
  • Armazenamento: 16/64/128 GB
  • Preço: a partir de R$ 3.999
iPhone 6S

“Um novo ano, dois novos iPhones”, estratégia utilizada pela Apple desde o iPhone 5s. Como todos estavam esperando, essa geração é o “Tac”, quando a Apple melhora o que já existe aproveitando o mesmo design, mas introduzindo uma nova tecnologia. No caso, a bola da vez é o 3D Touch, que muda a forma que o usuário interage com o iPhone e que está sendo rapidamente implementado pelos desenvolvedores, sendo motivo o suficiente para coçar o bolso para comprá-lo (e coçar MUITO).

Mais do que isso, os novos iPhones finalmente gravam em 4K, resultado de um aumento no tamanho e qualidade do sensor de câmera, agora com 12 megapixels, além de trazer o Apple A9, que tem causado críticas por ser um processador “rápido demais” mesmo sendo dual-core. Para variar, seus preços aumentaram bastante no Brasil, mas, como costuma acontecer, isso dificilmente diminui consideravelmente a demanda dos usuários, que fazem questão de usar o iOS 9 (e ter a maçazinha na traseira, é claro).

Samsung Galaxy S6 Edge (e Galaxy S6 Edge+)

  • Sistema: Android 5.1 (com TouchWiz)
  • Chip: Samsung Exynos 7420
  • Armazenamento: 32 GB
  • Preço: R$ 2.500 (em média)
SAMSUNG GALAXY S6 EDGE

A família Edge de smartphones da Samsung é resultado de uma geração de testes pouco famosa aqui no Brasil, representado pelo Galaxy Note Edge. Mais do que ser bonitinho, já que traz as bordas curvas que dão um toque todo especial ao top de linha da Samsung, o Galaxy S6 Edge oferece recursos exclusivos em ambas as bordas. É um recurso que ainda está em seus primeiros meses de vida, mas tem potencial para mudar a forma como o usuário interage com o smartphone a ponto de fazer com que ele gaste um pouco mais para comprá-lo.

Essencialmente, essa é a única diferença entre o Galaxy S6 Edge e o Galaxy S6 original, já que ambos são idênticos em todos os outros quesitos. Aliás, ambos trazem o poderosíssimo chip Exynos 7420, um dos processadores para Android mais poderosos do ano, o que torna os dois (junto com o Galaxy S6 Edge+ e Note 5, que trazem 4 GB de memória RAM) opções ideais para quem busca o máximo de desempenho para rodar o robozinho.

Outro ponto interessante é a câmera, eleita uma das melhores de 2015, que realmente tem qualidade suficiente para aposentar muitas point-and-shoot por ai. Infelizmente a Samsung cortou o suporte a cartões microSD nessa geração (uma decisão para lá de infeliz, diga-se de passagem), de forma que o usuário terá que se contentar com a memória interna, assim como a bateria, que é menor e não removível. De qualquer forma, a Samsung ainda permanece como uma das melhores opções com Android até o momento.

LG G4

  • Sistema: Android 5.0 (com LG UX)
  • Chip: Qualcomm Snapdragon 808
  • Armazenamento: 32 GB (+ suporte para cartão micro SD)
  • Preço: R$ 2.200 (em média)
LG G4

Mesmo ficando longe de fazer o sucesso que a LG esperava, o G4 é uma das melhores opções para quem não quer lidar com as limitações do Galaxy S6 (e derivados). Além de trazer uma bateria maior, ela é removível, e não força a barra cortando o suporte a cartões microSD, principais problemas do Galaxy S6. Como dissemos em nossa análise, se o G4 tivesse chegado antes do Galaxy S6, sua penetração de mercado poderia ter sido diferente, mas a fabricante decidiu esperar da mesma forma que fez com o LG G3.

Isso fez com que seu preço caísse bastante, o que tornou seus recursos ainda mais interessantes. Entre eles temos a tela Quantum IPS, o “estado de arte” atual dos displays IPS que chama a atenção de qualquer pessoa que pegue um G4 na mão, assim como a câmera traseira que tem qualidade semelhante, senão melhor, do que as que equipam os Galaxy S6, e olha que a concorrência é altíssima.

A principal crítica do G4 é que ele veio com o Snapdragon 808, que é sim um chip capaz de agradar os usuários avançados, mas está longe de concorrer com o poderosíssimo Exynos 7420. Infelizmente a Qualcomm não teve um 2015 muito bom, de forma que a LG foi forçada a escolher esse chip para evitar os problemas de superaquecimento do Snapdragon 810, mas isso não significa nem de longe que se trata de um smartphone lento.

Quantum GO

  • Sistema: Android 5.0
  • Chip: Mediatek MT6753
  • Armazenamento: 16/32 GB (+ suporte para cartão micro SD)
  • Preço: a partir de R$ 699
Positivo Quantum Go

Esse ilustre desconhecido chegou em um momento crítico no mercado brasileiro, oferecendo um custo-benefício que está se tornando cada vez mais raro. Foi difícil encontrar um defeito no GO, que se mostrou uma opção interessante mesmo contra concorrentes bem estabelecidos, como a ASUS e a Motorola, comprovando um reposicionamento de marca por parte da Positivo, empresa-mãe por trás da Quantum.

O conjunto já é interessante por si só: tela AMOLED HD, processador octa-core de 64 bits, 2 GB de memória RAM, 32 GB de memória interna e um par de câmeras de 13 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal), o que faz com que ele se apresente com alternativa ainda melhor quando o seu preço entra na equação. Sua autonomia de bateria bem que poderia ser melhor, mas não é algo que faz dele menos interessante para quem quer maximizar a quantidade de recursos para quem não quer gastar muito.

ASUS Zenfone Selfie

  • Sistema: Android 5.0 (com ZenUI)
  • Chip: Qualcomm Snapdragon 615
  • Armazenamento: 32 GB (+ suporte para cartão micro SD)
  • Preço: R$ 1.299
ASUS ZENFONE SELFIE

Fabricantes, de uma forma geral, foram aumentando progressivamente a qualidade de suas câmeras frontais em pequenos passos, uma tendência iniciada em 2014. A ASUS chutou o balde de uma vez só, usando um sensor geralmente típico de câmera traseira que faz do Selfie uma das melhores opções do mercado para quem, bom... gosta de tirar selfies, ainda mais por trazer um flash em dois tons.

Esse é o ponto que mais chama a atenção, mas o aparelho é interessante por si só, já que traz o chip Snapdragon 615 com 3 GB de memória RAM, tela Full HD IPS (a mesma do Zenfone 2) e 32 GB de memória interna por padrão, além de ter suporte para mais 128 GB via cartão microSD. Isso fez com que ele integrasse essa lista, substituindo o Moto X Play, já que traz características superiores com um preço mais acessível.

Zenfone 2 Deluxe

  • Sistema: Android 5.0 (com ZenUI)
  • Chip: Intel Atom Z3580
  • Armazenamento: 128 GB (+ suporte para cartão micro SD))
  • Preço: R$ 1999
Zenfone 2 Deluxe

Com exceção das versões mais caras dos iPhones 6S e 6S Plus, não há smartphones com 128 GB de memória interna no mercado brasileiro. Exceto o Zenfone 2 Deluxe, que é basicamente o Zenfone 2 com mais memória interna sem cortar o suporte para cartões micro SD, o que significa um máximo de 256 GB espaço no smartphone. Além disso, ele vem com uma traseira customizada que emula cristais, mostrando, mesmo de longe, que é diferente do Zenfone 2.

Vale um desabafo aqui. Estávamos bastante ansiosos pela chegada do Zenfone 2 Deluxe – Special Edition, que prometia 256 GB de memória interna. Ele de fato chegou, mas vem com 128 GB de memória interna (como a versão Deluxe “normal) mais 128 GB de um cartão microSD já instalado. Ou seja, os R$ 800 a mais oferece apenas um cartão microSD de 128 GB (cartãozinho caro esse, hein?) e construção em fibra de carbono. Quem estava aguardando essa versão certamente ficou bastante decepcionado.

Motorola Moto G 2015

  • Sistema: Android 5.1
  • Chip: Qualcomm Snapdragon 410 1,4 GHz
  • Armazenamento: 8/16 GB (+ suporte para cartão micro SD)
  • Preço: a partir de R$ 999
Novo Moto G (2015)

Longe de ser o sucesso que foi o primeiro Moto G (ainda em 2013), e não levando em consideração a versão com 8 GB de memória interna (que não recomendamos para ninguém), o Moto G 2015 é uma opção interessante por 3 motivos. O primeiro deles é que é possível customizá-lo através do Moto Maker, sendo um diferencial que só a Motorola oferece até o momento. O segundo é que ele é à prova d'água em todas as versões, um diferencial bacana para os mais desastrados.

O terceiro deles é que a Motorola finalmente equipou o Moto G com câmeras de qualidade, usando o mesmo sensor do Nexus 6 na câmera traseira e um excelente sensor de 5 megapixels na câmera frontal. Tudo bem que a Motorola aumentou os preços 2 vezes (até a data de publicação desse artigo), mas isso não faz do Moto G 2015 uma opção menos interessante, em especial pelo fato que ele aparece um diversas promoções por valores mais acessíveis (ou justos, dependendo do diferencial).

Xiaomi Redmi 2

  • Sistema: Android 4.4 (com MIUI)
  • Chip: Qualcomm Snapdragon 410
  • Armazenamento: 8 GB
  • Preço: R$ 549
Redmi 2

Por último, o basicão do mercado brasileiro. O Redmi 2 é mais importante do que parece, já que revoluciona o que é um smartphone básico. Basicamente, aparelhos não podem ser inferiores ao Redmi 2 daqui para frente se quiserem contar com alguma competitividade por aqui, já que ele uma linha divisória: acima dele, se aproxima do segmento intermediário. Abaixo dele é baixo-custo, uma receita para dor de cabeça.

E quais são essas características? Tela HD IPS (nada de TFTs vagabundos), processador quad-core de qualidade (Snapdragon 410), câmeras aceitáveis, pelo menos 1 GB de memória RAM e pelo menos 8 GB de memória interna. Além disso, ele é dual-chip com suporte ao nosso 4G, extras bem interessantes por se tratar de um modelo básico, sendo características o suficiente para fazer com que o usuário não passe nervoso logo nos primeiros meses de uso.

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.