Qual é o melhor gerenciador de senhas para usar no celular e PC?

Qual é o melhor gerenciador de senhas para usar no celular e PC?

Por Ramon de Souza | 23 de Novembro de 2020 às 19h10
Montagem/Canaltech (Pixabay)

Todo mundo deveria usar um gerenciador de senhas nos tempos atuais. Com o crescimento no número de ameaças digitais e crimes cibernéticos, garantir que suas contas estejam protegidas com credenciais fortes virou algo crucial — e, como todo mundo sabe, a melhor senha é aquela que você não se lembra. De nada adianta usar o nome do seu animal de estimação ou a data de aniversário do(a) companheiro(a) como password.

O motivo para tal recomendação é simples: para invadir contas online, os criminosos cibernéticos costumam usar uma técnica chamada brute force, que nada mais é do que o uso de um código automatizado que tenta diversas combinações de dígitos, letras e palavras até conseguir “adivinhar” a sua senha. Combinações como “123456789” e “qwerty” são quebradas por tais códigos em poucos segundos.

Especialistas da área concordam que, para ser considerada segura, uma senha precisa ter pelo menos 11 caracteres e misturar letras, números e caracteres especiais. Obviamente, você não vai conseguir se lembrar de credenciais tão complexas assim, e é daí que surge a utilidade dos gerenciadores de senhas. Trata-se de um “cofre” virtual que guarda todas as suas passwords, exigindo que você se lembre apenas da senha-mestra para abri-lo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Existem diversos gerenciadores disponíveis no mercado, e, infelizmente, é difícil apontar qual seria a melhor opção para cada perfil de usuário. Por isso, selecionamos as soluções mais populares e listamos algumas de suas características, de forma que você mesmo poderá encontrar aquele que atende às suas necessidades.

1Password

Possivelmente o gerenciador de senhas mais antigo e popular da internet, o 1Password é a escolha de milhões de internautas ao redor do mundo, se consagrando como uma solução robusta, confiável e com uma interface bastante amigável. Contudo, de uns tempos para cá, a ferramenta decidiu se focar no mercado corporativo, dando menos atenção para os planos dedicados a uso pessoal e/ou familiar.

Imagem: Captura de Tela/Canaltech

Uma licença do 1Password para um único usuário custa US$ 2,99 por mês (não há opção de cobrança em reais, mas sairia por R$ 16,27 na conversão direta), sendo possível testá-lo durante 30 dias gratuitamente. A assinatura inclui o direito de usá-lo em quantos dispositivos você quiser (há apps para macOS, iOS, Windows, Android e web app), 1 GB para guardar documentos sensíveis e a Torre de Vigia, que alerta caso algum de seus serviços tenha sofrido um vazamento de dados.

A criptografia usada pelo 1Password é a AES de 256 bit e chama atenção o Modo Viagem — com ele, você consegue “esconder” informações sigilosas do seu dispositivo ao cruzar a fronteira de algum país e restaurá-las quando retornar para casa.

LastPass

Junto com o 1Password, o LastPass é um gerenciador um tanto tradicional — tanto que, para alguns, sua interface é considerada um pouco desatualizada, sendo menos intuitiva do que a da solução anterior. Contudo, basta entrar em seu site oficial para descobrir uma vantagem matadora: diferente do 1Password, o LastPass possui um plano totalmente gratuito, sendo perfeito para quem não quer pagar nada para proteger suas senhas!

Imagem: Captura de Tela/Canaltech

Claro, a versão gratuita possui algumas limitações e é bem básica. Ao fazer upgrade para o plano Premium a US$ 3 (R$ 16,32) por mês, você ganha a habilidade de criar pastas de senhas compartilhadas, monitoramento da dark web (monitora vazamentos de dados), suporte técnico via email e 1 GB para armazenar arquivos sigilosos. O LastPass está disponível para Windows, macOS, Linux, Android, iOS e navegadores (via plugin gratuito).

Outro diferencial do LastPass é sua ferramenta LastPass Authenticator, que pode ser usada como gerador de tokens para autenticação de duplo fator (2FA) em outros serviços terceirizados.

Dashlane

É o “novato” que está dando o que falar. O Dashlane tem apenas oito anos de existência, mas, ao longo de 2019 e 2020, se consagrou como um dos principais players no mercado por ser ridiculamente simples de usar — se você testou o 1Password e o LastPass e achou ambos complicados demais para você, vale a pena testar esta opção aqui. Sua interface é mais direta ao ponto e não tem tantos recursos que possam confundir o usuário iniciante.

Imagem: Captura de Tela/Canaltech

O melhor de tudo é que o Dashlane também tem um plano gratuito, mas ele é bem limitado: você só pode guardar até 50 senhas e usá-lo em um único dispositivo sem pagar nada. Ao desembolsar US$ 3,33 (R$ 18,12) por mês ou US$ 39,99 (R$ 217,58) por ano, essas limitações desaparecem e o utilizador ainda ganha monitoramento de vazamentos na dark web e uma VPN integrada para criptografar sua conexão.

Em relação a compatibilidade de plataformas, é importante ressaltar também que, além de apps para Android e iOS, o Dashlane pode ser usado em qualquer desktop, mas exclusivamente através de um plugin disponível para Google Chrome. Sendo assim, caso você use o Edge, o Mozilla Firefox, o Safari ou o Opera, é melhor pular para a próxima opção.

Keeper

O Keeper costuma ser esquecido nos bate-papos sobre gerenciadores de senhas, mas não é por motivos negativos. Acontece que ele usa uma arquitetura de conhecimento zero proprietária — ou seja, diferente dos outros produtos, ele adota uma tecnologia de criptografia própria, que já foi auditada diversas vezes e provou ser altamente confiável. Infelizmente, trata-se de outra solução que foca mais no público corporativo.

Imagem: Captura de Tela/Canaltech

Mas isso não significa que ela deixe de ser uma boa opção para uso pessoal: você só precisa lidar com seu confuso esquema de assinaturas. Existem três planos disponíveis, sendo que o mais barato é o Keeper Unlimited a US$ 2,91 (R$ 15,83) por mês ou US$ 34,99 por ano, que oferece armazenamento ilimitado de senhas e uso da plataforma em quantos dispositivos você quiser (há apps para macOS, Windows, Android, iOS e navegadores).

A partir daí, há o Plus Bundle US$ 4,87 (R$ 26,50) por mês ou US$ 58,47 (R$ 318) por ano; e o Max Bundle US$ 6,01 (R$ 32,70) por mês ou US$ 72,22 (R$ 392,94) por ano, que adicionam recursos adicionais como o BreachWatch (monitoramento de credenciais vazadas na dark web), o KeeperChat (mensageiro seguro para conversas sigilosas) e o Keeper Cloud Security Vault (espaço na nuvem para armazenamento criptografado de arquivos).

Bitwarden

Que tal apostar em uma solução open source? O Bitwarden possui código aberto, o que significa que qualquer pessoa pode “xeretar” suas entranhas para estudar sua arquitetura e detectar eventuais brechas de segurança antes que um criminoso o faça. Essa característica lhe torna bastante confiável. Seu lançamento inicial — como Beta — foi em 2016, sendo que as versões estáveis dos apps foram disponibilizadas há poucos meses.

Imagem: Captura de Tela/Canaltech

Há um plano gratuito com armazenamento ilimitado de credenciais e sincronização entre múltiplos dispositivos, mas vale a pena pagar US$ 10 (R$ 54,41) por ano para ter acesso a recursos Premium: o autenticador de dois fatores, o cofre de 1 GB para guardar arquivos sigilosos e relatórios automáticos de “saúde” de suas credenciais. Além de clientes para Windows, macOS e Linux, há plugins para qualquer navegador que você prefira utilizar.

Contudo, a característica mais legal do Bitwarden é a possibilidade de hospedá-lo em um host próprio, caso você seja um usuário com conhecimentos avançados. Dessa forma, você fica tranquilo sabendo que suas senhas estão sendo armazenadas de forma criptografada em um servidor que você mesmo está controlando, não existindo nenhum intermediário que possa vazar ou ceder as passwords.

KeePass

Quer algo gratuito e open source, e não liga para questões visuais? Então o KeePass foi feito para você. É um projeto bem “idoso” (sua primeira compilação foi lançada em 2003) e sua interface não recebeu alterações até hoje, continuando com uma identidade que lembra muito o Windows XP. Aliás, estamos falando de uma ferramenta exclusiva para Windows — até há clientes para iOS, Android, macOS, Linux e até BlackBerry 10, mas se tratam de softwares não-oficiais.

Imagem: Divulgação/KeePass

Enfim, trata-se de uma alternativa totalmente gratuita, mas que também é um tanto limitada e pouco intuitiva. Como se trata de um software de código aberto, ele também recebe colaborações da comunidade para aprimorar sua arquitetura, que usa o algoritmo AES de 256 bit.

Qual é o melhor gerenciador de senhas?

Como dissemos anteriormente, é difícil especificar qual é o melhor gerenciador de senhas — cada alternativa citada neste artigo é apropriada para determinado perfil e cabe a você decidir qual delas combina com suas necessidades. O 1Password e o LastPass são as plataformas que mais oferecem recursos; o Keeper é a solução mais “séria” e tecnicamente segura; o Dashlane é o mais simples; o Bitwarden e o KeePass são os mais acessíveis. Vale a pena experimentar todos e conferir qual se dá melhor com seu cotidiano.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.