Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Vape aumenta em 1,79 a probabilidade de infarto

Por| Editado por Luciana Zaramela | 08 de Fevereiro de 2024 às 14h59

Link copiado!

tommyandone/Envato
tommyandone/Envato

Um novo levantamento da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) aponta que o vape pode aumentar em 1,79 vez a probabilidade de infarto. O dispositivo também aumenta o material gorduroso nas paredes das artérias, levando a uma doença inflamatória chamada aterosclerose.

O levantamento também faz uma estimativa de que quase 3 milhões de brasileiros fazem uso regular desses dispositivos, e vai contra o senso comum, de que são uma alternativa de menor risco à saúde para substituir os cigarros convencionais.

"Não são comprovadas por evidências científicas. Pelo contrário, estudos indicaram que jovens que fazem uso de cigarros eletrônicos têm menor propensão a cessar o tabagismo", consta o relatório da SBC.

Continua após a publicidade

Outro alerta feito pelo levantamento é que os fumantes que recorrem aos vapes apresentam tendência para a dupla utilização, ou seja: fumam tanto o cigarro eletrônico quanto o comum, aumentando ainda mais os riscos à saúde.

Por que parar de usar vape

A SBC aproveitou o ocorrido para apontar algumas razões pelas quais as pessoas deveriam abandonar o uso de vape.

Não diminui riscos

A primeira delas é justamente a falta de evidências em relação à redução de danos entre fumantes. O Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas Não Transmissíveis em Tempos de Pandemia (Covitel) diz que o cigarro eletrônico é mais usado por curiosidade do que para deixar de fumar, inclusive.

"A ausência de estudos suficientes que sustentem a tese do menor risco à saúde é relevante e contraposta por estudos clínicos e observacionais que sugerem impactos significativos na saúde dos usuários", alega a SBC.

Produtos com efeitos desconhecidos

Continua após a publicidade

O relatório também acrescenta que a presença de solventes e aditivos pode levar a componentes tóxicos provenientes tanto dos próprios dispositivos quanto dos líquidos. "Além disso, o descarte desses elementos representa uma séria ameaça ambiental. Adicionalmente existem também incidentes relacionados a explosões dos dispositivos", ressalta o documento.

Riscos do vape para a saúde

A SBC também relembra que a nicotina existente nos dispositivos aumenta a frequência cardíaca, a pressão arterial e o estresse oxidativo. Um artigo da eLife mostra que o vape pode causar infecção no cérebro, pulmão, coração e cólon.

A fumaça produzida pelo uso de vape ainda paralisa parte dos glóbulos brancos, conforme artigo da Journal of Allergy and Clinical Immunology. 

Continua após a publicidade

O relatório da SBC sobre o vape aponta que os malefícios vão além do risco de infarto: a comercialização seria um a questão de saúde pública, devido ao impacto sobre fumantes quanto não fumantes.

Fonte: O Globo, OMS,  Journal of Allergy and Clinical Immunology