Publicidade

Moderna: vacina de mRNA contra câncer vai entrar na úlitma fase de testes

Por| Editado por Luciana Zaramela | 14 de Dezembro de 2022 às 18h34

Link copiado!

Spectral/Envato
Spectral/Envato

A potencial vacina de mRNA (RNA mensageiro) contra o câncer completa a segunda fase dos testes clínicos e, em 2023, deve iniciar a terceira e última fase antes da aprovação, segundo as farmacêuticas Moderna e MSD. Oficialmente, o imunizante oncológico recebe o nome de mRNA-4157/V940, e compartilha a mesma tecnologia que as fórmulas contra a covid-19 usaram.

Na fase do estudo clínico recém-concluída, os pesquisadores testaram o uso da vacina de mRNA com o anticorpo monoclonal Keytruda em pacientes com câncer de pele (melanoma). Parte dos voluntários (grupo controle), recebeu apenas os anticorpos. No total, 157 pessoas foram recrutadas.

Segundo as farmacêuticas, a vacina e o anticorpo reduziram, de forma significativa, o risco de reaparecimento da doença. Em breve, os dados do estudo de fase 2b não foram publicados em uma revista científica.

Continua após a publicidade

Quando começa a última fase da vacina contra o câncer?

Até o momento, os resultados da vacina de mRNA contra o câncer são bastante positivos e a expectativa é que os testes da fase 3 sejam iniciados já em 2023. Antes disso, será preciso receber o aval de uma agência reguladora, como a Food and Drug Administration (FDA) nos Estados Unidos ou da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil.

Afinal, como funciona a vacina oncológica?

Continua após a publicidade

Para preparar o sistema imunológico, as vacinas de mRNA carregam uma molécula de mRNA sintético (material genético), que ensina as células do organismo a produzirem determinadas proteínas (neoantígenos). Estas proteínas são produzidas e serão identificadas pelo sistema imunológico. Através delas, o corpo aprende a reconhecer partes de possíveis inimigos e, com isso, impede a evolução de uma doença.

No caso da vacina mRNA-4157/V940, ela foi projetada para estimular uma resposta imune específica para o câncer que o paciente está tratando, através da geração de células T personalizadas. Cada fórmula pode conter até 34 neoantígenos, desenhados e produzidos com base nas mutações das sequências de DNA do tumor do paciente. É uma tecnologia altamente especializada.

Vacina do câncer usa a mesa tecnologia do imunizante contra a covid-19

"O uso do mRNA foi transformador para [a imunização contra] a covid-19, e agora, pela primeira vez, demonstramos o potencial para o mRNA ter um impacto nos resultados de um ensaio clínico em melanoma", afirma Stéphane Bancel, diretor-geral da Moderna, em comunicado.

Continua após a publicidade

Além do melanoma, estão previstos estudos adicionais contra outras formas de câncer. Caso sejam bem-sucedidos, o uso da vacina de mRNA e do anticorpo monoclonal poderá aumentar e muito o leque de tratamentos oncológicos disponíveis para os pacientes.

"O Brasil é o segundo país no mundo com o maior índice de câncer de pele, e a combinação de conhecimento entre as duas empresas combinando a vacina mRNA com imunoterapia é uma inovação que pode ajudar a trazer grandes benefícios aos pacientes brasileiros”, completa Marcia Abadi, diretora médica da MSD Brasil.

Fonte: Moderna