Facebook visa o lucro acima de tudo, acusa ex-funcionária; Zuckerberg se defende

Facebook visa o lucro acima de tudo, acusa ex-funcionária; Zuckerberg se defende

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 06 de Outubro de 2021 às 10h20
Pexels/Luca Sammarco

Na véspera do apagão que tomou o Facebook, o Instagram e o WhatsApp na segunda-feira (4), a empresa de Mark Zuckerberg foi acusada de colocar lucros em primeiro lugar, mesmo que isso custe o bem-estar dos usuários. Uma ex-funcionária da empresa, Frances Haugen, apresentou documentos internos e relatos sobre como a rede social priorizou o algoritmo para gerar engajamento, enquanto sabia que isso geraria grande volume de discurso de ódio e violência.

Haugen revela que apesar de o Facebook de fato apresentar medidas contrárias à proliferação de discurso de ódio, elas seriam como “enxugar gelo”. Em um documento interno, a companhia revela que suas ações mitigam apenas de 3 a 5% das publicações odiosas e aproximadamente 0,6% da violência presentes na rede social, “apesar de ser a melhor do mundo nisso”.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Isso acontece porque os algoritmos do Facebook, especialmente aquele implementado em 2018, geram maior engajamento para publicações com teor negativo — que geram medo, desgosto, desconforto ou raiva. “É mais fácil deixar as pessoas com raiva do que com outras emoções”, comenta Haugen.

Na época, a ideia era dar mais importância para “publicações revelantes” para o usuário, mas o algoritmo não levava em conta a mensagem da publicação. Segundo a reportagem do Wall Street Journal, a mudança resultou em uma guinada na proliferação de posts com fake news, toxicidade ou conteúdo violento.

Após a aparição pública, Haugen depôs no Senado dos EUA na última terça (5). “Eu acredito que os produtos do Facebook prejudicam crianças, acentuam a polarização e enfraquecem a nossa democracia. A liderança da empresa sabe como deixar o Facebook e o Instagram mais seguros, mas ela não fará as mudanças necessárias porque o lucro foi colocado acima das pessoas”, disse na ocasião.

Resposta do Facebook

A reação da empresa, após a segunda-feira conturbada, foi de desqualificar Haugen e o depoimento da ex-funcionária. “Hoje, um comitê de comércio do Senado realizou uma audiência com uma ex-gerente de produto do Facebook que trabalhou para a empresa por menos de dois anos, não tinha subordinados diretos, nunca compareceu a uma reunião de ponto de decisão com o alto escalão executivo e disse mais de seis vezes para não trabalhar no assunto em questão”, disse um porta-voz da empresa ao The Verge.

O Facebook tentou descredibilizar as alegações de Haugen (Imagem: Reprodução/Pexels)

Sem mencionar exatamente o que Haugen disse que não seria verídico, a empresa disse discordar do seu relato. Ainda assim, o Facebook alegou que concorda com a criação de regulamentos para a internet. “É o momento para a ação do congresso”, pontuou.

O que disse Mark Zuckerberg

Quebrando o silêncio nesta terça-feira (5), o CEO do Facebook Mark Zuckerberg também contornou as acusações da ex-funcionária. “O argumento de que promovemos deliberadamente conteúdo que deixa as pessoas com raiva em nome do lucro é profundamente ilógico”, pontuou em post no Facebook.

“Ganhamos dinheiro com anúncios, e os anunciantes nos dizem que não querem que seus anúncios estejam próximos a conteúdo prejudicial ou agressivo — e eu não conheço nenhuma empresa de tecnologia que se proponha a construir produtos que deixem pessoas com raiva ou deprimidas. Os incentivos morais, de negócios e de produto apontam todos na direção oposta”, continuou o CEO.

O CEO pontuou os esforços da companhia que desmentem as alegações da ex-funcionária (Imagem: Reprodução/Facebook)

Ao falar sobre a segurança do ambiente digital do Facebook para crianças, Zuckerberg afirma que a empresa está focada em levantar questões de como aprimorar a segurança das plataformas e que já “gastaram muito tempo” projetando experiências destinadas aos menores.

Um exemplo desse esforço, segundo o criador da rede social, estaria na criação do Messenger Kids, plataforma de comunicação especial para crianças. O mensageiro é bem parecido com o chat tradicional, mas é recheado de recursos e mecanismos de segurança para controle parental e proteção de identidade — os pais podem ficar de olho em praticamente tudo que acontece no app através do “Painel para pais”.

O caso de Haugen deve se prolongar por mais algum tempo, à medida que novas acusações possivelmente serão feitas a partir de documentos ou declarações da ex-funcionária. Por agora, resta ficar de olho no que essa disputa judicial pode gerar para a rede social.

Fonte: The Verge (1, 2, 3), WSJ

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.