WandaVision | 10 fatos que pouca gente sabe sobre Monica Rambeau nas HQs

WandaVision | 10 fatos que pouca gente sabe sobre Monica Rambeau nas HQs

Por Claudio Yuge | 14 de Fevereiro de 2021 às 11h00
Marvel

Quem acompanha os quadrinhos da Marvel Comics de perto, sabe que Monica Rambeau é uma personagem muito poderosa e tem uma trajetória complexa, principalmente por conta das revisões que a editora fez para tentar encaixá-la em sua cronologia. A heroína teve uma grande passagem pelos Vingadores, em uma época em que a equipe sofria com a instabilidade de seus grandes líderes, e teve a importante função de comandar o grupo, tornando-se, na época, peça-chave para as vitórias contra os inimigos.

Monica Rambeau surgiu inicialmente em 1982, nas páginas de Amazing Spider-Man Annual #16, como tenente da patrulha portuária de Nova Orleans, sua cidade natal. Filha de Frank e Maria Rambeau, ela também foi capitã de navio e, após um ser bombardeada por energias extradimensionais emitidas por uma arma criada por um criminoso, passou a manipular essas estranhas cargas elétricas pelo seu corpo. Para ter uma ideia, ela pode voar, tem velocidade super-humana, consegue ficar intangível e invisível, emite rajadas e altera sua aparência, entre outras habilidades.

Imagem: Reprodução/Disney+

E, embora seja muito poderosa e tenha grande relevância na trajetória dos Vingadores, ela passou bastante tempo esquecida do grande público — até aparecer novamente no Universo Cinematográfico Marvel (MCU, em inglês), em especial no filme Capitão Marvel e na série WandaVision.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Abaixo, estão dez fatos que até mesmo os leitores veteranos podem não saber sobre Monica Rambeau. Confira:

1. Já foi a Capitã Marvel

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

O título de Capitã/Capitão Marvel é algo que confunde bastante gente, não somente porque ele mudou de dono (a) algumas vezes na Marvel Comics, mas porque também era o nome do famoso Shazam que há tempos faz parte do Universo DC — já falamos sobre isso em outra ocasião, basta acessar o link abaixo.

Pois então, quando ela surgiu no começo dos anos 1980, esse título estava “vago” na Marvel, pois Carol Danvers ainda não era mais conhecida como Ms. Marvel ou Binária; e o Capitão Marvel original, Mar-Vell, tinha acabado de morrer de câncer. Então, ao exibir os poderes pela primeira vez, Rambeau foi batizada pela mídia local nos quadrinhos como Capitã Marvel.

Alguns heróis inicialmente a criticaram pelo uso do nome, mas outros, como o Coisa do Quarteto Fantástico, aceitaram. “Provavelmente há muitos caras chamados de Coisa”, brincou Ben Grimm nas páginas das revistas da época.

2. Fez seu traje com roupas de Mardi Gras

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Nova Orleans, sua cidade natal, é muito importante para ela. E, como todo mundo sabe, é lá que acontece o “Carnaval” de origem francesa chamado de Mardi Gras. Quando ainda estava aprendendo a usar seus poderes, Rambeau se teleportou para um armazém cheio de fantasias, que foi de onde tirou uma delas para se cobrir.

A roupa serviu bem e ela adotou como uniforme para sua vida heróica, após alguns ajustes. Esse traje se tornou uma assinatura única e é, até hoje, considerado um dos mais icônicos do panteão da Marvel Comics.

3. Extremamente poderosa

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Quando Monica foi atingida por uma arma experimental com energias extradimensionais, ela se tornou um dos seres mais poderosos do Universo Marvel. Entre suas habilidades, está a capacidade de manipular ou se transformar em qualquer forma de raio dentro do espectro eletromagnético — e isso significa que ela pode se tornar e controlar raios cósmicos ou gama.

4. Inspirada em Pam Grier

Imagem: Reprodução/Criterion Forum

A atriz estadunidense Pamela Suzette Grier ficou famosa nos anos 1970 por protagonizar filmes de baixo orçamento do gênero blaxploitation, a exemplo de Foxy Brown. Os criadores da personagem, o roteirista Roger Stern e o artista John Romita Jr., tinham musa negra como inspiração para Rambeau.

Porém, os planos de Romita Jr. fracassaram, pois a chefia de sua linha editorial exigiu uma modelo diferente. Então, o artista acabou alterando o visual, e, embora Rambeau ainda lembre Grier, ao longo do tempo a personagem ganhou seu próprio perfil gráfico a partir da interpretação de vários desenhistas.

5. Líder dos Vingadores

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Uma das grandes diferenças entre os Vingadores e a Liga da Justiça é que o grupo da Marvel sempre teve mais formações com integrantes e lideranças distintas — somente nas duas últimas décadas é que Thor, Homem de Ferro e Capitão América se tornaram uma tríade quase obrigatória, a exemplo do que acontece com Batman, Superman e Mulher-Maravilha na DC.

E, nos anos 1980, Rambeau se tornou instantaneamente popular. Seu cocriador, Roger Stern, promoveu-a rapidamente a uma importante peça dos Vingadores e, rapidamente, ela se tornou a líder do grupo, em substituição à Vespa Janet Van Dyne. Rambeu teve um ótimo comando contra ameaças alienígenas e isso com certeza deve servir como inspiração para sua ascensão no MCU.

6. Foi a primeira afroamericana nos Vingadores e lutou contra vilões casca-grossa

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Rambeau foi a primeira mulher preta a ser um membro dos Vingadores e, ainda que ela tenha em currículo de início de carreira alguns vilões mequetrefes, enfrentou várias ameaças cósmicas. E, em suas participações mais recentes, esteve envolvida na saga Infinito.

Para ter uma ideia, nesse evento Thanos era coadjuvante e os Construtores tinham praticamente dominado os principais sistemas estelares de todo o Universo Marvel.

7. Teve muitos codinomes

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Embora tenha sido inicialmente chamada de Capitã Marvel, isso não durou muito tempo. Em um combate com uma criatura marítima, ela acabou dispersando seus próprios poderes, o que a levou a ficar inativa por algum tempo.

Ao retornar e adquirir novos poderes, ela aceitou em mudar seu nome para Fóton. Mas não parou por aí. Como os roteiristas — e nem a Marvel — sabem como encaixá-la nas histórias até hoje, dos anos 1980 para cá ele também se chamou Pulsar, Estrela do Dia, Cetro, Dama da Luz, Monica Marvel, Deusa do Sol, Raio Azul e Espectro. Aliás, este último é sua designação atual, desde 2013.

8. Lutou pelo nome de Capitã Marvel

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

O título de Capitão/Capitã Marvel foi reivindicado por várias personagens no Universo Marvel ao longo das décadas. Genis-Vell, um clone do original, Mar-Vell; e Carol Danvers, por exemplo são dois que passaram a usar essa alcunha.

E a própria Rambeau lutou contra Genis-Vell pelo nome e só desistiu de manter essa posição porque, ao deixar o oponente paralisado, ela deu um voto de confiança para que ele continuasse o legado o “pai” — embora o rapaz não tenha feito assim jus ao título, diga-se de passagem.

9. Quase destruiu a Terra Ultimate

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

A partir dos anos 2000, a Marvel criou uma Terra paralela chamada de Ultimate, que trazia personagens populares em abordagens mais extremas e bem diferentes da Terra-616, considerada a “Terrra principal”. Era uma forma de trazer novos leitores e promover mais diversidade nos títulos. O Homem-Aranha Miles Morales e os Supremos, por exemplo, são versões que vingaram e, ou foram incorporados na cronologia, ou inspiraram novas fases — os Vingadores do MCU, por exemplo, vão mais na linha dos Supremos do que da equipe tradicional.

Nas Guerras Secretas de 2015, a Terra Ultimate (conhecida também como Terra-1610) fatalmente colidiria com a Terra-616, em uma trama que serviu de “soft reboot” para unir criações que deram certo no mundo paralelo, a exemplo de Morales ou do Criador, versão maligna de Reed Richards. Durante o evento, Rambeau, ao tentar impedir o choque, canalizou todo seu poder para destruir a Terra-1610. Ela só não fez isso porque viu as crianças do planeta que pretendia aniquilar.

10. The Ultimates

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Embora o grupo mais famoso com esse nome, os Supremos, tenha sido uma versão mais realista dos Vingadores, sua segunda versão, no Universo Marvel pós-Guerras Secretas de 2015, trouxe arcos muito interessantes. A equipe formada por Pantera Negra, Ms. América, Espectro, Blue Marvel e Capitã Marvel promoveu um time com maior número de mulheres e afrodescendentes e suas aventuras ajudaram a reescrever os cantinhos cósmicos e dimensões paralelas da editora.

As tramas e consequências — como o fato de Galactus ter se tornado por um tempo o Criador de Mundos, e não o Devorador de Mundos — foram tão importantes e bem recebidas pelos fãs que é bem possível que o MCU use muitos elementos dessas histórias em suas próximas fases. Prova disso é que America Chavez, a Ms. América, e a própria Rambeau já têm participações garantidas nos próximos anos da Marvel Studios.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.