Por que ainda existem desktops se há smartphones e tablets tão poderosos?

Por Wagner Wakka | 11 de Novembro de 2019 às 12h28
Microsoft

A cada ano as fabricantes anunciam smartphones cada vez mais potentes e até tablets com configurações bem arrojadas. Alguns deles conseguem ser até parecidos com laptops e computadores menos potentes. Isso levanta a pergunta: porque, afinal, ainda temos desktops e notebooks se os dispositivos móveis estão tão potentes?

O segredo está nas minúcias. O primeiro ponto é que, mesmo que haja dispositivos móveis tão rápidos para navegação e até jogos, eles ainda não conseguem chegar nem perto da capacidade de um computador mais potente. Por exemplo: o Snapdragon 855 atual é um dos chips mais potentes para smartphone, mas ele é três vezes mais lento que um Intel Core i7-8700K.

Isso quer dizer que, ainda que pareça que nossos smartphones sejam pequenos computadores em nossos bolsos, ainda não conseguem realmente substituir nossos laptops e PCs em uma série de funcionalidades. Por conta disso, é preciso entender que cada aparelho tem a sua proposta.

Várias abas

Quando se trata de ter várias funções em um só dispositivo, o smartphone dá de 10 a zero em um laptop ou PC. Com o mobile, você tira foto, filma, grava áudio, acompanha e-mails, vê mapas, ouve seu podcast e até mais enquanto está na rua, certo?

Mesmo que um PC ou laptop possam fazer parte destas funções, será preciso uma câmera externa, um microfone legal e até um ponto de rede, já que eles não contam com antena 4G. Ou seja, você sempre precisará de pelo menos um periférico ou componente a mais.

Por outro lado, responder a um e-mail pelo smartphone, editar um vídeo naquela tela do seu Galaxy S10 ou até escrever um texto mais longo como este pode ser penoso no dispositivo móvel. Assim, os desktops e notebooks ainda funcionam quando o assunto é trabalho pesado. Para longos momentos de trabalho, é bem provável que uma pessoa prefira sentar com seu notebook do que ficar apanhando no dispositivo móvel.

Outra vantagem é o multitarefa. Por mais que alguns novos aparelhos, como os Galaxy Note 10, o Galaxy Fold e afins, ainda possam permitir dividir a tela, é só no computador que você consegue abrir aquelas várias abas no navegador, junto com o editor de texto e ainda ver um vídeo em uma segunda tela.

Galaxy Fold já permite várias abas na mesma tela (Foto: Divulgação/Samsung)

Agora, o leitor mais conhecido pode estar pensando: “e o DEX?”. Estamos falando do aparelho compatível com alguns modelos da Samsung que permite transformar seu smartphone em “desktop”, bastando ligar o aparelho a um mouse, teclado e monitor.

Dex transforma seu smartphone em um Pc (Foto: Divulgação/Samsung)

Pois bem, como se pode reparar ainda é preciso ter uma série de acessórios para ter a mesma experiência de trabalho que você teria com um desktop. Assim, o laptop, para este tipo de utilização, funciona de forma mais eficiente e com menor preço, sem exigir aparelhos extras para funcionar.

Potência

Como já citado aqui, a potência também é um dos motivos que leva PCs e laptops a ainda existirem. Alguns profissionais também trabalham com modelagem 3D e animação, e nesse caso não tem salvação: é preciso uma máquina muito mais potente do que qualquer smartphone pode ser na atualidade.

Ou seja, ainda existe uma demanda do mercado quando o assunto é alto desempenho. No setor de games, por exemplo, há quem queira jogos rodando em 4K e 60 FPS. Embora haja os chamados smartphones gamers, que prometem entregar algo bem próximo disso, a melhor experiência ainda fica a cargo dos PCs gamer.

Autonomia 

Em se tratando especificamente de laptops, outro ponto de destaque está no quanto tempo o aparelho dura fora da tomada. Há notebooks no mercado com capacidade de durar mais que uma bela jornada de trabalho com uma carga somente.

Tudo bem que hoje também há smartphones com boas baterias. Mas você já experimentou ficar o tempo todo com o seu aparelho mobile ligado executando tarefas?

Pois é. Um smartphone dá conta do recado porque, em grande parte do dia, ele está em repouso, com a tela desligada, esperando para ser usado. Um laptop, em média, aguenta uma demanda maior de trabalho pesado, isto é, com edição de texto, navegação e várias tarefas sendo executadas ao mesmo tempo.

Ou seja...

Por conta disso, ainda é possível que tenhamos ambos tipos de aparelhos por muito tempo. A tendência é de que os laptops ganhem mais mercado sobre os desktops, já que há uma economia em preços de teclado e tela que compensam no bolso. Ainda são a versão mobile do computador, um intermediário entre os desktops e smartphones.

Por isso, fica sempre a mesma dica para você que acompanha o Canaltech: nem sempre o produto mais caro pode ser o melhor para você. Vale sempre entender, antes de tudo, quais são os cenários de uso antes de escolher entre um notebook, laptop, tablet ou smartphone.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.