Review Moto Tab G70 | A volta da Motorola ao mercado de tablets

Por Amanda Abreu | Editado por Léo Müller | 17 de Janeiro de 2022 às 17h20
Ivo Meneghel Jr/ Canaltech

Os tablets são aparelhos bem versáteis para uso cotidiano. Mesmo para quem estuda, trabalha ou prefere navegar na internet, esses dispositivos entregam portabilidade para o dia a dia. Dessa forma, apresentaremos hoje o mais novo lançamento da Motorola, o Motorola Moto Tab G70.

Atualmente, o mercado brasileiro conta com algumas fabricantes de tablet disponíveis, mas a maioria delas sofrem exatamente com o mesmo problema: desempenho. É comum encontrar chipsets defasados, pouca memória RAM e bateria, além de travamentos constantes.

Contudo, o Moto Tab G70 marca o retorno da fabricante ao Brasil com seu mais novo dispositivo. Com 64 GB de espaço de armazenamento, 4 GB de memória RAM e bateria de 7.700 mAh, ele pode ser uma boa opção intermediária entre as disponíveis no mercado.

Pude testá-lo por quase dois dias e venho trazer a minha opinião de uso. Confira na nossa análise.

Acesse o Canaltech Ofertas para conferir as promoções do Moto Tab G70

Motorola Moto Tab G70 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Prós

  • Ótimo desempenho
  • App Google Kids Space disponibilizado

Contras

  • Ausência do leitor de digitais
  • Pouco espaço de armazenamento

Design e Construção

O Moto Tab G70, da Motorola, possui design simples. Ele é leve e sua construção é feita em alumínio na parte traseira e nas bordas, trazendo aspecto de boa aparência e durabilidade.

A tela possui 11 polegadas e tem tamanho excelente para boa parte dos conteúdos, já que, na minha opinião, ela não é grande nem pequena demais, auxiliando na usabilidade e portabilidade.

  • Dimensões: 25,8 x 16,3 x 7,5 cm;
  • Peso: 490 gramas

A posição dos sensores frontal e lateral, bem como os botões, indica a atenção que a Motorola teve na construção desse dispositivo, já que foram pensados para serem utilizados na configuração horizontal.

Conector tipo POGO para teclado e touchpad no Moto Tab G70 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Sendo mais específica, na face frontal do Tab G70, temos a câmera de 8 MP posicionada no canto superior, ao centro. Nas laterais, observamos os seguintes conectores e botões:

  • Botão para aumento/diminuição de volume;
  • Botão de bloqueio/desbloqueio;
  • Quatro saídas de áudio Dolby Atmos;
  • Dois microfones;
  • Slot para a utilização de cartão de memória;
  • Encaixe para a capa de proteção com teclado;
  • Entrada USB-C para recarga e transferência de arquivos.

Na traseira temos um único sensor com foco automático de 13 MP, além do flash ao lado para garantir registros iluminados.

A única parte que senti falta na construção foi o leitor de digitais, presente em alguns outros modelos com configuração bastante semelhante ao G70.

Tela

A tela do Tab G70 tem ótima qualidade, já que as cores, brilhos e nitidez são suficientes para qualquer atividade. Jogar, editar fotos ou assistir a alguns vídeos no YouTube tornam-se tarefas bastante agradáveis através dele.

O painel é do tipo IPS LCD, tem 11 polegadas, 400 nits (brilho) e resolução 2K (2000 x 1200 pixels). As imagens reproduzidas são bonitas, sem perda de cores e bom contraste.

A utilização em ambientes externos também é excelente. Por possuir um bom nível de brilho, não tive quaisquer problemas com a luz do sol ou com luminosidade excessiva na tela, já que conseguia enxergar os textos e conteúdos sem grandes dificuldades.

As cores, contraste e reprodução das imagens através do Tab G70 são bonitas e fiéis aos olhos (Imagem: Ivo/Canaltech)

Configuração e Desempenho

A plataforma utilizada pelo Moto Tab G60 é o Helio G90T, de 12 nm. Apesar de a MediaTek ter tido alguns problemas referentes ao desempenho de seus chipsets mais antigos, a linha utilizada nesse tablet deixa para trás todas essas más impressões, oferecendo poder de fogo suficiente para grande parte das atividades e jogos no geral.

A versão disponibilizada no Brasil possui 64 GB de espaço de armazenamento e 4 GB de memória RAM. Apesar de preferir que esses números sejam maiores, posso dizer que eles não me atrapalharam na experiência de uso.

Os 4 GB de RAM, na minha opinião, são o mínimo necessário para que o Android funcione adequadamente. Consegui utilizar o aparelho mesmo com alguns aplicativos abertos e jogos rodando de fundo, provando que há um espaço de trabalho ligeiramente confortável no Tab G70.

O G90T, chipset escolhido para o dispositivo, é um dos melhores intermediários dessa linha, entregando boa performance. Outro ponto positivo é a disponibilidade do app Google Kids Space, feito com conteúdos exclusivos para o público infantil conforme cada faixa etária.

Lembrando que, esse app é liberado somente para alguns poucos dispositivos do mercado. Logo, o Motorola se torna uma boa opção de tablet para crianças vendido no Brasil.

As saídas de áudio do Tab G70 trazem imersão de áudio através da tecnologia Dolby Atmos (Imagem: Ivo/Canaltech)

Apesar de não ser uma jogadora de games mobile, testei o dispositivo com alguns dos games mais conhecidos do momento: Brawl Stars, Call of Duty e Free Fire. Foi possível jogar os três títulos com gráficos no médio / alto, sem perder os FPS.

As quatro saídas de áudio — duas localizadas na esquerda, e as outras duas, na direita — proporcionam o efeito “surround” mesmo sem fones de ouvido através da tecnologia “Dolby Atmos”, possibilitando diferenciar entre a esquerda e a direita durante as partidas.

Também realizei dois testes de benchmark diferentes, ambos disponibilizados através do app 3D Mark. No primeiro teste, o Wild Life, foi alcançado um total de 1360 pontos.

Já no segundo teste, o Wil Life Extreme, 380 pontos. Vale lembrar que essa pontuação é excelente para um dispositivo como Tab G70, que possui um chipset intermediário em sua construção.

O Tab G70 tem preço de lançamento de R$ 2.400 e marca o retorno da fabricante ao mercado de tablets brasileiro.

A traseira em alumínio do Moto Tab G70 entrega aspecto de boa aparência e durabilidade (Imagem: Ivo/Canaltech)

"A configuração intermediária garante boa usabilidade durante o dia a dia."

— Amanda Abreu

Câmera Traseira

A lente traseira de 13 MP tem qualidade razoável. Normalmente, tablets não costumam entregar boa qualidade nas fotos, mas esse modelo que testamos mostrou ser razoável nesse quesito.

Nos registros, as cores e contraste são bons, mas, ainda assim, possuem algum ruído em uma foto ou outra.

Os vídeos são feitos em 1080p (full HD), e, em ambientes bem iluminados, conseguimos capturas coerentes.

Assim como o sensor frontal, a câmera traseira acaba sofrendo razoavelmente quando tentamos tirar as fotos em locais em que a luz natural não está favorável. Logo, é necessário prestar atenção a essa questão quando for realizar as capturas.

Câmera Frontal

A câmera frontal do G70 registra cliques honestos e com qualidade razoável no geral. Em ambientes com pouca luz, a foto costuma não ficar muito boa, mas não considero isso um ponto negativo do produto, já que boa parte dos dispositivos semelhantes sofrem exatamente o mesmo problema.

Ela também grava em 1080p com 30 FPS, garantindo que as videochamadas sejam realizadas sem grandes problemas. O modo retrato cumpre bem o seu papel, recortando e desfocando o fundo dos registros.

Mesmo com 8 MP, ela tira fotos triviais com certa qualidade e não passa vergonha para a sua proposta.

Sistema de Som

O sistema de som do Tab G70 é muito bom. Ao ouvir músicas com batidas graves e fortes, consegui notar ótima qualidade sonora. A música não perdia a “força”, mesmo quando essa característica era dominante.

Os sons agudos também não sofrem distorções ou perda de qualidade, ficando nítidos e cristalinos.

Sempre ouço uma seleção de músicas específicas para avaliar essas características, e assim identificar e perceber a qualidade entregue em cada um dos diferentes dispositivos que testo.

A tecnologia Dolby Atmos, presente na construção dos quatro alto-falantes do tablet, é responsável pelo efeito “surround” percebido durante a utilização.

Como citei no exemplo mais acima, pude perceber a diferença entre a esquerda e a direita de forma clara, principalmente em jogos de FPS.

Uma das quatro saídas de áudio do Moto Tab G70 fica localizada logo abaixo da lente traseira (Imagem: Ivo/Canaltech)

"As quatro saídas de áudio do Moto Tab G70 entregam boa qualidade sonora mesmo em ouvidos exigentes"

— Amanda Abreu

Bateria e Carregamento

A bateria do G70 impressiona, principalmente por aguentar longas horas de uso sem precisar carregar o tablet com muita frequência. São 7.700 mAh no total, entregando autonomia mais que suficiente para um dia inteiro de uso moderado.

Aqui no Canaltech, realizamos um teste de autonomia de bateria através do app de streaming de vídeo Netflix. Após deixar o tablet funcionando ininterruptamente por três horas, percebi consumo de somente 28% do total. Ao todo, são quase 11 horas de uso contínuo para que ela se esgote por completo. Um excelente número.

O padrão de carregamento é padrão USB-C, com carregador tipo “Quick Charge” de 20 W. Ambos, disponibilizados na caixa.

Padrão USB-C é utilizado para carregamento da bateria do Moto Tab G70 (Imagem: Ivo/Canaltech)

"As quase 11 horas de autonomia da bateria são excelentes, mesmo para usuários intermediários ou avançados"

— Amanda Abreu

Concorrentes Diretos

Considerando as características do Moto Tab G70, podemos considerar como seus principais concorrentes o Samsung S6 Lite e o Apple iPad de 8ª geração.

Começando pela gigante sul-coreana, o S6 Lite é um dos modelos intermediários da fabricante que, além da boa performance, também tem suporte à S Pen, caneta stylus da marca.

A plataforma utilizada nesse modelo é o Exynos 9611, de 10 nm. Apesar de desempenho bem semelhante ao G90T, presente no Tab G70, o chipset Exynos costuma não ser a principal escolha entre os usuários, que preferem utilizar versões com a linha da Qualcomm na construção.

Todavia, o S6 Lite ainda é um excelente modelo 128 GB de espaço de armazenamento e 4 GB de memória RAM. Considero 6 GB de memória RAM mais adequado para uma experiência Android equilibrada, mas os 4 GB disponibilizados dão conta das atividades no geral.

Não menos importante, a bateria de 7.040 mAh entrega muitas horas de uso, sem a necessidade de recarga constante.

Indo para o iPad 8ª geração, seu poder de fogo é superior aos outros modelos. Construído com a plataforma proprietária da Apple, o A12 Bionic, sensores com qualidade razoável para os registros e bateria de 8.887 mAh, ele, com toda a certeza, é a melhor opção entre os concorrentes citados.

Apesar de todas as versões contarem com 3 GB de memória RAM, o SO da gigante de Cupertino (ipadOS) é extremamente otimizado e feito para que o dispositivo aproveite o máximo do potencial que ele oferece. Logo, os 3 GB de RAM são suficientes para praticamente qualquer tarefa.

Ressaltando que, apesar de ser o melhor aparelho entre os três, ele também é o mais caro de todos. Então, caso queira adquirir esse modelo, vale dar uma boa pesquisada antes da compra.

O S6 Lite e o iPad de 8ª geração tem preços aproximados entre R$ 2.050 a R$ 2.600.

Conclusão

O Moto Tab G70 é um bom tablet no geral. Com bom acabamento em alumínio, junto a uma configuração compatível para rodar boa parte dos apps e jogos disponibilizados na loja oficial, ele, com certeza, é uma excelente opção entre os tablets Android disponibilizados para venda.

O aplicativo Google Kids Space, voltado diretamente para as crianças, está integrado ao G70 e pode ser uma boa alternativa para quem procura modelos de tablets feitos para o público infantil.

Motorola Moto Tab G70 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Com uma série de jogos, histórias e diversos conteúdos apropriados para diferentes faixas etárias. Além de entreter, esse app garante que os pequenos tenham acesso somente aos conteúdos considerados seguros.

Logo, o Moto Tab G70 marca a volta da Motorola ao mercado de tablets brasileiro com uma boa opção entre os modelos intermediários.