Review Tablet iPad Mini (2021) | Novamente, um grande acerto da Apple

Por Amanda Abreu | Editado por Léo Müller | 21 de Dezembro de 2021 às 14h24
Ivo Meneghel Jr/ Canaltech

O mais novo tablet lançado pela Apple, o iPad mini de 6ª geração, é construído com o chipset A15 Bionic, da própria fabricante. Considerada a plataforma móvel mais potente do mundo até o momento, esse aparelho faz parte dos dispositivos focados em oferecer desempenho e portabilidade juntos.

O suporte à Apple Pencil — caneta stylus comprada separadamente — entrega um produto completo, sem pontas soltas e que dificilmente decepcionará quem o adquirir. O sistema de som também é muito bom, já que possui quatro saídas distribuídas entre as laterais do aparelho.

Pude testar o iPad Mini de 6ª geração por três dias consecutivos e, após muitos apps, desenhos e jogos testados, venho trazer a minha opinião sincera de uso. Confira na nossa análise.

Apple iPad Mini (2021) (Imagem: Ivo/Canaltech)

Prós

  • Tela de boa qualidade
  • Som com graves e agudos imersivos
  • Bateria com autonomia para muitas horas de uso

Contras

  • Posição das lentes poderia ser melhor pensada

Design e Construção

O iPad Mini (2021) segue com design bem parecido em relação a um de seus irmãos, o iPad de 9ª geração. Seu corpo, composto por alumínio na traseira e nas bordas, entrega aspecto premium de excelente qualidade ao tablet.

A versão de testes que recebemos é na cor cinza-espacial, mas existem outras três tonalidades diferentes para o usuário escolher: rosa, roxo ou estelar. Seu preço gira em torno de R$ 4.500, aproximadamente.

Esse modelo, por possuir tela de menor tamanho, foi pensado para ser utilizado na mesma orientação que usamos os nossos celulares: verticalmente. Logo, é possível notar a câmera frontal centralizada ao meio, no topo do aparelho, além das saídas de áudio, botões e demais características terem suas posições pensadas para isso.

  • Dimensões: 19,5 x 13,4 x 6,3 cm;
  • Peso: 293 gramas (Wi-Fi); 297 gramas (Wi-Fi + Cellular);
  • Material: alumínio e vidro.
Traseira do iPad Mini (2021) é feita em alumínio e é bastante resistente (Imagem: Ivo/Canaltech)

Nas laterais, temos os seguintes botões: aumento/diminuição de volume e liga/desliga (com leitor de digital para desbloqueio). Existem também as saídas de áudio — quatro no total — divididas entre cada um dos lados do iPad Mini. Por fim, o cabo utilizado para o carregamento é do tipo USB-C, um excelente acerto da Apple, principalmente se pensarmos que boa parte dos dispositivos da atualidade utilizam esse padrão.

Algo interessante de saber é que esse modelo não oferece suporte para teclados no próprio aparelho. Logo, caso o usuário queira utilizar esse tipo de acessório é necessário que a conexão entre os dispositivos seja feita através do Bluetooth. Algumas opções como o G613, da Logitech, podem resolver esse “problema” facilmente. Temos o review completo dele aqui no nosso site.

Tela

A tela é uma das muitas excelentes características que encontraremos no iPad Mini (2021). Assim como o próprio nome já indica, estamos falando de um tablet com tamanho reduzido: 8,3 polegadas, especificamente.

O painel é do tipo IPS LCD (que a Apple chama de “Liquid Retina”) e seu aproveitamento total é de 77,4%, um ótimo percentual mesmo tendo seu corpo diminuído.

Os conteúdos visualizados através dele são bonitos, com cores bem fiéis e contraste na medida, não passando a impressão de imagens muito saturadas ou fora do tom correto.

O tablet também possui suporte a utilização da Apple Pencil, caneta stylus da fabricante feita para quem tem foco em produtividade ou trabalha com ilustrações no geral.

Uma caraterística bem interessante desse acessório, inclusive, é a disponibilidade do carregamento por indução magnética na lateral do aparelho, dispensando o uso de fios e trazendo praticidade para o dia a dia.

A tela do iPad Mini (2021) tem tratamento oleofóbico e evita que as manchas atrapalhem o uso (Imagem: Ivo/Canaltech)

O brilho é outro fator muito importante quando lidamos com esse tipo de dispositivo, principalmente porque é comum o utilizarmos em ambientes externos, em que a luz natural se faz presente em boa parte do tempo.

Posso afirmar que não tive quaisquer problemas em relação a isso, mesmo quando usei o iPad Mini (2021) com a luz do sol diretamente na minha tela.

Obviamente foi necessário aumentar a luminosidade para 100%, mas as imagens e textos eram exibidos com êxito.

Há também o tratamento oleofóbico — muito útil em situações em que não utilizamos nenhum tipo de capa de proteção — e vidro resistente a riscos, trazendo maior durabilidade e qualidade ao tablet.

Configuração e Desempenho

A gigante de Cupertino é notoriamente conhecida no mundo inteiro devido a excelente performance que seus dispositivos costumam entregar. E é claro que com o iPad Mini (2021) isso não poderia ser diferente.

A plataforma utilizada no tablet é a mesma de todos os novos iPhone 13: o A15 Bionic. Estamos falando do chipset com o melhor desempenho entre todos os lançados ainda em 2021.

Para se ter uma noção, o teste de benchmark realizado — com o app 3D Mark — registrou 2608 pontos e 13,7 FPS através do “Wild Life Extreme – Unlimited”.

Esse número demonstra a capacidade de processamento das informações recebidas, bem como o número de quadros por segundo que o dispositivo alcançou enquanto os gráficos eram renderizados.

Atualmente, não existe nenhum outro tablet que seja capaz de superar esses números, mostrando a superioridade que a gigante de Cupertino faz questão de manter em cada um de seus lançamentos.

Pude usá-lo para diversas atividades diferentes. Desde produtividade e trabalho, ao bom e velho lazer com os jogos e desenhos despretensiosos.

O carregamento da bateria do iPad Mini (2021) é tipo USB-C, padrão já comumente utilizado por dispositivos similares (Imagem: Ivo/Canaltech)

Infelizmente, devo confessar que meu talento para desenhar não é dos melhores, mas ao menos pude testar um dos acessórios mais queridos entre os tablets da fabricante: a Apple Pencil.

Ela é responsiva, precisa e muito confortável para ser usada durante o dia, além de oferecer inúmeras possibilidades de uso.

Desde assinar documentos, fazer ilustrações e auxiliar na produtividade a ser útil em jogos de estratégia ou outras atividades em que a agilidade de um lápis resolve melhor a situação. E aproveitando que falamos de games, o desempenho entregue pelo iPad Mini é realmente excelente.

Mesmo rodando o Call of Duty: Mobile no gráfico mais alto, consegui que as partidas rodassem sem nenhum problema, priorizando a taxa de quadros, importantíssima para os FPS em geral. Ele também não esquenta de maneira exagerada, mesmo após muitas horas de uso ininterruptas.

O iPad Mini (2021) é um excelente tablet, com construção e funções pensadas para o público que prioriza portabilidade, desempenho e praticidade em um único produto.

Botão de bloqueio/desbloqueio do iPad Mini (2021) também é um leitor de digitais (Imagem: Ivo/Canaltech\)

Câmera Traseira

O sensor traseiro do iPad Mini (2021) tem 12 MP e é boa, mas devo confessar que não impressiona.

Por ser uma lente mais simples, os registros acabam saindo com alguns ruídos tanto em fotos diurnas quanto fotos noturnas. Algumas cores ficam mais “estouradas” que as outras (principalmente as claras), destoando do restante da imagem.

Registros feitos em meia-luz também sofrem para compensar a falta de luminosidade. Os retratos acabam ficando borrados e “pixelados” em algumas partes, confirmando o que eu disse anteriormente.

Novamente: ela não é ruim, mas também não tem muito o que oferecer quando comparada ao desempenho das câmeras presentes nos iPhones 11, 12 ou 13.

Câmera Frontal

Já o sensor frontal continua com 12 MP e segue exatamente a mesma proposta que a traseira, porém, com maior abertura de lente — f/1,8 (traseira) contra f/2,4 (frontal).

Essa diferença, apesar de parecer pouca, impacta bastante em situações nas quais videochamadas são feitas com frequência, principalmente pela luz adentrar mais facilmente no módulo.

Inclusive, como disse mais acima, o iPad Mini (2021) foi pensado justamente para ser utilizado na posição vertical. Logo, utilizar as funções da lente frontal faz mais sentido que o contrário.

Todavia, a gigante de Cupertino lançou uma novidade excelente nessa versão chamada de “palco central”. Ela basicamente faz com que o sensor ultra-grande-angular “siga” o usuário mesmo enquanto ele estiver se movimentando durante a chamada de vídeo.

Mesmo que a pessoa se levante e ande pelo cômodo, o módulo ainda será capaz de manter o foco no usuário durante todo o tempo, mas é necessário que ele se mantenha de frente para que a função funcione corretamente. Alguns exemplos de apps compatíveis com esse modo são o FaceTime, Skype, Zoom e Microsoft Teams.

"As câmeras do iPad Mini (2021) são simples e voltadas para registros triviais e videochamadas no geral, mas o modo “palco central” é uma das grandes novidades do aparelho."

— Amanda Abreu

Sistema de Som

Realmente, não podemos negar que a Apple acertou no iPad Mini (2021), incluindo a atenção que deram para o sistema de som do aparelho.

Com quatro saídas — duas localizadas na esquerda, e as outras duas, na direita — a qualidade de áudio é bem superior à da grande maioria dos dispositivos que encontramos à venda no Brasil.

Conforme eu já disse em outras análises, infelizmente o mercado brasileiro de tablets carece de boas opções no geral, deixando a gigante de Cupertino com uma excelente vantagem sobre as outras marcas disponibilizadas aqui. Logo, é possível perceber a atenção que foi dada a esse recurso.

Os graves são bastante encorpados e não perdem “força” mesmo no volume máximo. Eu sempre utilizo uma mesma seleção de músicas para os meus testes, assim consigo um parâmetro de comparação mais justo e padronizado enquanto faço a análise desses produtos.

As quatro saídas de áudio do iPad Mini (2021) entregam um som imersivo e de excelente qualidade (Imagem: Ivo/Canaltech)

Vozes e sons de alta frequência também são cristalinos e não soam distorcidos mesmo quando há vários elementos sendo reproduzidos ao mesmo tempo.

O efeito surround é presente nesse modelo, sendo possível distinguir entre a esquerda e a direita quando o conteúdo reproduzido utiliza dessa característica. Em games, por exemplo, essa função se torna bastante útil.

Fica claro que houve preocupação da fabricante com essa parte, sendo iPad Mini (2021) um tablet que se sobressai aos demais em diferentes quesitos.

"O sistema de som do iPad Mini (2021) conta com quatro saídas e tem qualidade de áudio excelente. Mesmo em ouvidos exigentes, ele, com certeza, vai agradar."

— Amanda Abreu

Bateria e Carregamento

Um dos principais diferenciais dos tablets da Apple em relação a seus outros produtos portáteis é o conector para carregamento.

Enquanto os iPhones são notoriamente conhecidos pelo padrão “Lightning” — criticado por muitas pessoas —, o iPad Mini utiliza o USB-C para essa função.

Além de mais durável, ele também é o mais utilizado entre os dispositivos no mundo inteiro, facilitando a vida dos usuários que precisam emprestar um carregador aqui e ali.

Conector para carregamento do iPad Mini (2021) é do tipo USB-C (Imagem: Ivo/Canaltech)

A autonomia da bateria do dispositivo é excelente e garante muitas horas de uso sem nenhum tipo de preocupação. Nos testes realizados por mim, deixei o Netflix rodando três horas seguidas.

Vale lembrar que, nessas ocasiões, eu sempre utilizo o brilho e o volume em 50% para que a experiência seja adequada e tenha sempre o mesmo padrão.

Ao final das horas, verifiquei que somente 20% do total da bateria haviam sido consumidos, comprovando autonomia de mais de 15 horas de uso no total. Para quem prefere portabilidade aliada à duração, o iPad Mini (2021) é uma excelente opção no mercado nacional.

"A bateria do iPad Mini (2021) é perfeita para quem precisa usar o tablet por longas horas e não tem acesso a uma tomada facilmente."

— Amanda Abreu

Concorrentes Diretos

Antes de considerarmos algum modelo como concorrente para o iPad Mini (2021), é interessante saber que, infelizmente, não existem outras marcas no Brasil que disponibilizam tablets compactos com o mesmo poder de fogo que o modelo feito pela gigante de Cupertino entrega.

Logo, o aparelho que utilizarei como referência, apesar de diferente, é o mais próximo que temos se considerarmos qualidade e desempenho gerais.

Com todas as considerações, o modelo escolhido foi o Galaxy Tab S6. Ele tem tela de 10,5’’, pouco maior que a disponibilizada no iPad.

O painel é do tipo “Super AMOLED” com resolução 1600 x 2560 pixels, garantindo excelente qualidade de imagem nos conteúdos visualizados.

O chipset utilizado na construção é o Snapdragon 855, de 7 nm, um dos topos de linha da Qualcomm. Suficiente para praticamente qualquer atividade, aplicativo ou utilidade, essa versão tem poder de fogo de sobra para usuários intermediários e avançados, sem nenhum problema.

As versões do Galaxy Tab S6 vão de 64 GB a 256 GB de espaço de armazenamento com 4 GB a 8 GB de memória RAM, atendendo aos mais variados públicos e perfis.

Já o conjunto de lentes disponibilizado no S6 é melhor, principalmente por contar com com dois módulos na traseira, entregando maior qualidade para as fotos. São dois sensores de 13 e 5 MP na parte de trás, e de 8 MP na face frontal.

A duração da bateria também é ponto alto no Galaxy Tab S6, já que sua autonomia é bem aproximada ao do iPad Mini (2021). São, aproximadamente, 14 horas de uso ininterrupto até que ela se esgote por completo. Posso afirmar que ambas as opções são excelentes em construção, qualidade e usabilidade.

É possível encontrar o modelo da Samsung por R$ 4.000, aproximadamente.

Conclusão

O iPad Mini (2021) é um ótimo tablet, voltado para usuários que procuram um aparelho menor, mas, ainda assim, com boa performance e desempenho para as mais diversas atividades.

Equipado com o chipset móvel mais poderoso do momento — A15 Bionic —, ele é uma excelente opção entre os tablets compactos disponíveis no mercado brasileiro.

Por mais que ele tenha somente 4 GB de memória RAM, é sempre válido lembrar que o sistema operacional dos iPads (iPadOS) é muito bem otimizado e aperfeiçoado para rodar praticamente qualquer app ou tarefa sem engasgar, travar ou congelar. As versões com 64 ou 256 GB de espaço de armazenamento também atendem a variados perfis de usuários.

Câmera do iPad Mini (2021) tira fotos boas, mas sem grandes destaques (Imagem: Ivo/Canaltech)

Apesar de ter preço elevado (R$ 4.500, aproximadamente), esse modelo traz a certeza de ser um aparelho que durará por muito mais tempo que boa parte dos tablets Android disponibilizados para compra no Brasil.

A Apple também garante atualizações por um longo período, algo que considero um ponto muito positivo da fabricante.

Logo, se você está à procura de um tablet que seja compacto, potente e com excelente durabilidade, o iPad Mini (2021) com certeza é uma excelente opção.

Confira ofertas para o iPad Mini (2021)