Tecnologia 5G não é o principal problema da Apple, aponta analista

Por Wagner Wakka | 23 de Novembro de 2018 às 09h57
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

A Apple, talvez, seja um dos principais assuntos recentes, não de forma positiva, mas por conta da queda de mais de 20% em suas ações recentemente. Um dos motivos pelos quais os analistas acreditam que o cenário pode ser ainda pior é que a empresa está atrás na corrida pelo 5G. Contudo, o jornalista e analista Robert Cringely acredita que ainda não é o momento para se preocupar com isso.

Atualmente, a Apple está mesmo atrás nessa corrida por conta da Intel. Neste ano, a Maçã terminou contratos com a Qualcomm, empresa mais avançada na produção de modems 5G. Com isso, a expectativa é de que ela só tenha a tecnologia do novo padrão de rede em seus smartphones em 2020, enquanto a Samsung já prepara um modelo com essa capacidade para 2019.

A defesa de Cringely, porém, é que o que vai definir o mercado com o 5G, na verdade, não é a oferta de smartphones, mas a infraestrutura para que usuários possam se conectar. Atualmente, a Verizon está buscando o desenvolvimento de rede para lançar o produto ainda este ano, mas Cringely acredita que a infraestrutura de rede só deve ganhar âmbito nacional, nos EUA, em 2020, justamente quando a Apple pretende lançar um iPhone com suporte à tecnologia.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Ele também defende que a tecnologia pode não ser o principal argumento de vendas para um aparelho, como não foi para a transição de aparelhos no passado. Isso em um cenário no qual as pessoas cada vez mais têm capacidades de conexão Wi-Fi em suas residências, trabalho e ambientes públicos. Em suma, ele aposta que o avanço será pouco sentido em relação a aparelhos móveis.

Aqui no Brasil, por exemplo, o novo padrão de rede só deve ganhar força também em 2019, justificando a compra de um aparelho com a tecnologia.

Por fim, o analista acredita que haverá uma série de apps que vão se aproveitar de alguma forma do 5G, mas que isso não será definitivo já no ano que vem, permitindo que empresas como a Maçã já estejam preparadas para o novo padrão quando ele "pegar" de verdade.

Aprovado em junho deste ano, o 5G comercial promete trazer velocidades de rede maiores, com testes de transferência de dados a 20 Gbps e taxa utilizável pelo usuários de 100 Mbps.

Além de smartphones, a nova rede deve permitir o avanço de carros autônomos, comunicação mais eficiente como HDTV por streaming em plataformas mobile e ampliação de serviços de nuvem.

Fonte: Beta News

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.