HMD terá aporte de Google e Qualcomm para desenvolver celulares 5G da Nokia

Por Rui Maciel | 11 de Agosto de 2020 às 12h40
Tudo sobre

Nokia

Saiba tudo sobre Nokia

Ver mais

A HMD Global, empresa que fabrica e comercializa smartphones da marca Nokia, anunciou nesta terça-feira (11) que arrecadou US$ 230 milhões em uma nova rodada de investimento de alguns de seus principais parceiros, entre eles o Google, Qualcomm e a própria Nokia. Entre os objetivos do aporte está o desenvolvimento de celulares 5G em diversas faixas de preço.

Em comunicado, a HMD informa que o investimento impulsiona a sua visão estratégica em quatro áreas principais:

Primeiro, expandir a presença nos principais mercados em crescimento - como as operações iniciadas recentemente no Brasil, bem como reforçar as operações no continente africano e na Índia; segundo, tornar o 5G acessível aos consumidores em todo o mundo, com ênfase em fortes parcerias com operadoras dos EUA.

A terceira área envolve realizar a transição para as ofertas digitais como parte da realidade pós-COVID. Por fim, o financiamento vai fortalecer ainda mais a posição da empresa - indo além do hardware, para se tornar um provedor completo de serviços móveis. Este ano, a companhia lançou seu serviço global de roaming de dados, o HMD Connect, aprimorou seus recursos de segurança cibernética móvel com a aquisição de ativos da Valona Labs e construiu áreas dedicadas em software, segurança e serviços com um novo Centro de Excelência em pesquisa e desenvolvimento em Tampere, na Finlândia.

Florian Seiche, presidente-executivo da HMD, afirmou que o sucesso da rodada de financiamento - a maior desde a fundação da empresa, com sede na Finlândia, no final de 2016 - validou sua estratégia de trabalhar em estreita colaboração com parceiros em software e hardware. "Desde o início, a HMD Global construiu um vínculo formidável com nossos parceiros estratégicos. Tendo já estabelecido sua confiança e respaldo, esse investimento adicional valida ainda mais nossa estratégia de negócios a longo prazo e é uma evidência de nossa missão coletiva de tornar a tecnologia móvel moderna acessível a todos", afirmou o executivo.

"Segurança e confiabilidade são os pilares da nossa oferta e garantimos que estamos usando esses fundos para proporcionar as melhores experiências que as pessoas esperam de um telefone Nokia", continuou ele. "Permanecemos fiéis às nossas raízes finlandesas e às características que fazem nossos clientes confiarem nos telefones Nokia. Com o apoio de nossos parceiros, estou realmente empolgado com o próximo capítulo dos nossos aparelhos”.

Nokia 8.3 5G: primeiro smartphone da HMD compatível com as redes móveis de quinta geração

Seiche não revelou quanto cada empresa investiu individualmente, mas afirmou que os aportes dos três foram “cada um, uma parte muito importante do total”. O primeiro aparelho 5G da HMD - o Nokia 8.3 5G - estará à venda no mês que vem. O CEO da HMD afirmou que investimento aceleraria o desenvolvimento de aparelhos 5G da HMD a preços mais baixos. “Acreditamos que o segundo semestre deste ano verá um conjunto mais amplo de telefones 5G no mercado e acreditamos que o boom de modelos [5G] na faixa intermediária acontecerá, provavelmente, no primeiro semestre do próximo ano”, disse ele.

A HMD também continuará a investir em celulares convencionais de baixo preço (os feature phones) e a aprofundar seus relacionamentos com operadoras nos mercados da África, Índia e Brasil. À agência de notícias Reuters, Seiche afirmou que a crise da COVID-19 impactou as vendas, mas a demanda "voltou com bastante força" em maio e junho, e a empresa voltou à lucratividade em junho.

Nokia 2.3: aposta em atualizações mais rápidas do Android para competir com Samsung, Motorola e outros

"Nosso modelo de negócio único, baseado em uma implantação global de ativos leves e fortes parcerias com os melhores do setor, está entrando em um novo nível de maturidade com o apoio formal e o voto de confiança dos alguns dos mais icônicos e influentes fabricantes de dispositivos móveis do mercado", disse Jean-Francois Baril, presidente executivo e cofundador da HMD Global. "Estou extremamente orgulhoso de nossas conquistas significativas até o momento e também emocionado com a imensa oportunidade que nos é dada para acelerar nossa jornada em direção à excelência”.

Os smartphones da HMD rodam o Android One do Google, uma versão "pura" do sistema operacional mobile do Google, que promete três anos de atualizações de segurança e dois anos de atualizações do SO. Segundo a empresa, em declarações anteriores, esse será um dos principais diferenciais para competir com marcas como Samsung, Motorola e Xiaomi, principalmente em mercados onde os modelos intermediários predominam, como é o caso do Brasil.

“O Google está oferecendo uma experiência semelhante em sua própria linha de Pixel e somos um complemento perfeito para suas próprias iniciativas”, disse Seiche. “Eles estão focados em menos regiões e canais selecionados; somos muito mais amplos e também estamos presentes em mercados emergentes ”.

Desde que a empresa iniciou suas operações em 2016, a HMD Global está presente em 91 mercados - divididos em oito regiões. Seus produtos estão disponíveis em 250 mil pontos de venda e a empresa atingiu o número de 240 milhões de telefones vendidos até o momento.

Com informações da Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.