B2B or not 2B | Resumo semanal corporativo

Por Stephanie Kohn | 03 de Maio de 2019 às 17h49
Microsoft

Bem-vindo ao nosso resumo semanal do mundo corporativo. Toda sexta-feira selecionamos as principais notícias que rolaram nos últimos dias para você ficar por dentro dos assuntos mais relevantes do momento. De estratégias de negócios até problemas judiciais, aqui você se atualiza em poucos minutos. Confira!

Bad news

As vendas globais de iPhones caíram 30,2% no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Em 2019, as remessas da Apple foram de "apenas" 36,4 milhões de iPhones ante 52,2 milhões do trimestre de 2018.

Com o declínio, a Apple perde o segundo lugar em vendas de smartphones para a chinesa Huawei, que somou remessas de 59,1 milhões. As estimativas foram divulgadas nesta quarta-feira (1) pela consultoria IDC.

Outra notícia desanimadora em relação à maçã diz respeito ao 5G. Segundo a Lynx Equity Strategies, empresa de pesquisa que vende os seus serviços para nomes de peso do ramo da tecnologia, o desfecho judicial entre a Apple e a Qualcomm pode não ser muito bom.

Isso porque a empresa de pesquisas diz que, apesar de boa parte da indústria estar esperando que a companhia de Tim Cook venha a revelar um smartphone 5G até o ano que vem, ela não acha que um produto do tipo seja lançado até 2021. Ademais, Lynx acredita que caso ele venha a ser apresentado ao mercado, tal dispositivo será oferecido apenas na China na ocasião de seu lançamento.

Acordo bilionário

A Qualcomm apresentou seu relatório financeiro do último trimestre e uma informação chamou mais atenção que a receita total da companhia. A fabricante de chips anunciou um ganho de US$ 4,5 bilhões e US$ 4,7 bilhões proveniente do acordo com a Apple realizado no último dia 18 de abril. O pagamento, contudo, deve acontecer somente em junho deste ano, gerando o impacto apresentado no relatório do terceiro trimestre da empresa.

Brasil em alta

O Mercado Livre divulgou seus resultados financeiros relacionados ao primeiro trimestre de 2019, finalizado em 31 de março. A gigante da e-commerce continua em alta, alcançando no período um faturamento líquido de US$ 473,8 milhões, US$ 3,1 bilhões em volume de vendas, e ainda registrou um grande crescimento do Mercado Pago, chegando a US$ 5,6 bilhões em volume de transação através da plataforma.

A receita líquida cresceu para US$ 473,8 milhões, um aumento ano a ano de 47,6% em dólar e 92,9% em moeda constante; e o Brasil alcançou US$ 302,3 milhões, o que representa 60% da receita líquida total da companhia.

Superação

A AMD divulgou o relatório fiscal relativo às vendas do primeiro trimestre da empresa (período entre janeiro e março), com números que superaram levemente a expectativa de seus acionistas. A companhia finalizou o período com uma receita total de US$1,27 bilhões e um aumento de US$ 0,06 no valor de suas ações — a expectativa para o período era de uma receita de US$ 1,26 bilhões e um ganho de US$ 0,05 por cada ação. Esses resultados ligeiramente acima das expectativas fizeram com que as ações da empresa fechassem essa terça-feira (30) com alta de 4%.

Recorde

A Microsoft fechou esta terça-feira (30) avaliada em mais de US$ 1 trilhão (R$ 3,9 trilhões em conversão direta). A empresa já havia atingido essa marca em algumas oportunidades, mas foi a primeira vez em que ela chegou a esse valor de maneira oficial, após o fechamento da NASDAQ. Assim, a companhia entra nesse grupo seleto como a segunda empresa no mundo a alcançar esse patamar.

Mesmo tendo atingido um valor tão expressivo, a companhia de Bill Gates, afirma que não se importa muito com o seu valor de mercado, dizendo que não foca as suas atenções para esse tipo de avaliação.

Tempos difíceis

Diante dos números negativos no envio de smartphones ao mercado e a pior performance de sua história nesse segmento, obtida no primeiro trimestre deste ano, a Sony estaria estudando medidas drásticas. De acordo com relatos ainda não confirmados, dois mil pessoas podem ser dispensadas do setor de celulares da companhia até 2020, representando metade da força de trabalho da divisão.

Os planos foram antecipados pela imprensa asiática e ainda não confirmados pela fabricante, mas são indicativos de novos esforços para conter a sangria. De acordo com as informações, enquanto a maioria dos funcionários efetivamente será demitido, outros podem ser realocados em outras divisões da Sony, com o segmento de smartphones sendo ainda mais reduzido em prol de um corte nos custos e um alinhamento de objetivos em busca de maior lucratividade.

Acordo fechado

O Magazine Luiza anunciou esta semana que completou a compra da Netshoes por US$ 62 milhões — aproximadamente R$ 245 milhões em conversão direta. A varejista também informou que os acionistas da Netshoes receberão o valor da transação em dinheiro.

O valor acordado acima foi estabelecido considerando US$ 2 por ação da Netshoes, que encerrou a segunda-feira cotada a US$ 2,65 na Bolsa de Nova York, apresentando uma alta de 3,9%.

Vale notar que, no ano passado, a gigante do comércio eletrônico havia entrado em contato com o banco Goldman Sachs em busca de um sócio que pudesse adicionar mais capital à companhia. Pelo visto, tudo ocorreu conforme o Magazine Luiza planejava e agora ela concretizou o que rumores vinham apontando há semanas.

Fraco desempenho

A LG apresentou esta semana uma baixa de 20,8% em seus lucros no primeiro trimestre de 2019, resultado direto de um desempenho fraco no setor mobile. O faturamento total da empresa foi de US$ 13,27 bilhões, também um resultado 1,3% abaixo do resultado no mesmo período do ano passado, mas dentro do esperado pelos analistas e pelo mercado, com o mesmo também valendo para a divisão de celulares em si.

Mais uma vez, as vendas fracas de modelos da marca acabaram soando como a pedra no sapato dos resultados financeiros da LG, mesmo com o bom desempenho de outros segmentos. O destaque da vez foi para a divisão de eletrodomésticos, que teve o maior faturamento em um primeiro trimestre na história da companhia, com US$ 4,86 bilhões e lucros de US$ 647,3 milhões.

Tumblr pornô

De acordo com uma reportagem do The Wall Street Journal, a Verizon está procurando um novo comprador para o Tumblr, a plataforma de microblogs que adquiriu em 2017 quando comprou a Yahoo. A empresa estaria oferecendo a rede social para potenciais compradores, afirmando que ela atualmente hospeda 465,4 milhões de blogs com 172 bilhões de postagens.

Uma das interessadas em comprar a plataforma é o PornHub, o maior site de pornografia do mundo. A informação foi dada pelo vice-presidente da empresa, Corey Price, ao Buzzfeed News, afirmando ainda querer restaurar o Tumblr para seus tempos de “glória”, e voltar a permitir o compartilhamento de nudez na plataforma seria a primeira decisão da PornHub caso a venda se concretize.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.