Apple é um valentão implacável com seus competidores, diz executivo do Spotify

Apple é um valentão implacável com seus competidores, diz executivo do Spotify

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 19 de Maio de 2021 às 09h47
Imagem: Brett Jordan/Unsplash

Para o público geral, a Apple pode representar o papel de uma empresa visionária, definidora de tendências e quase impecável em nível de qualidade e design. Porém, aos olhos do Chefe de Assuntos Internacionais e Diretor Jurídico do Spotify, Horácio Gutierrez, o que as pessoas não notam é como a fabricante seria um “valentão implacável” que usa sua dominância no mercado para puxar o tapete de concorrentes.

Gutierrez não poupou a Apple de críticas em artigo publicado no Wall Street Journal (WSJ) na última terça-feira (17). Para ele, a gigante pode até passar essa imagem brilhante de uma líder de indústria à frente do seu tempo, encabeçada pela figura de Steve Jobs, o antigo CEO e cofundador da companhia; contudo, o que esse véu esconde seria uma péssima competidora, um verdadeiro "valentão" e que "por anos vem sendo enquadrada por autoridades reguladoras".

“Há muito o que admirar sobre a Apple, mas minha empresa, Spotify, viu seu outro lado, o brutal. [...] Minha companhia é uma das poucas que insistem que debaixo desse belo exterior está um valentão implacável que aproveita sua dominância para sabotar competidores”, pontuou Gutierrez.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Não é de hoje que o Spotify tem uma relação espinhosa com a Apple. Em outras ocasiões, como em 2019, a detentora da plataforma de streaming tentou jogar seu público contra a companhia com o vídeo “É hora de jogar limpo”. Na animação, a companhia sueca denunciava algumas das práticas da Maçã que considerava anticompetitivas. “Ela é o árbitro e o adversário simultaneamente”, disse o Spotify, em referência à App Store e ao Apple Music.

“A exorbitante taxa de 30% da Apple nos forçou a migrar para compras fora do aplicativo em 2016”, escreveu o diretor do Spotify. “Do ponto de vista corporativo, fez mais sentido restringir usuários de iPhone e iPad de um dos meios de assinatura do que absorver a comissão de 30% para novos assinantes”, completou o executivo.

Pedidos do Spotify foram atendidos

Segundo o executivo, “a boa notícia é que o Spotify não está mais sozinho” ao caracterizar a empresa de Cupertino como essa má competidora. Os processos internacionais representariam finalmente que “aqueles em posição de fazer algo viram algo além da fachada” da fabricante e se juntaram "aos interesses de inovadores e consumidores".

A Apple hoje enfrenta múltiplas acusações de atuar com práticas anticompetitivas, e o Spotify quer levantar um novo processo por monopólio contra a companhia. A decisão de não incluir carregadores em novos iPhones também não saiu barato em alguns locais do mundo, como no Brasil.

Devido a dimensão do problema, essas brigas podem gerar grandes mudanças no mercado, contudo, isso leva muito tempo. Processos judiciais por si só costumam demorar anos para chegarem a uma conclusão, portanto, agora resta observar como as companhias se digladiam nos tribunais.

Fonte: WSJ

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.