Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Guaíba é classificado como lago ou rio no RS?

Por| Editado por Luciana Zaramela | 08 de Maio de 2024 às 19h06

Link copiado!

Thomas Schmidt/Wiki Commons/CC BY-SA 3.0
Thomas Schmidt/Wiki Commons/CC BY-SA 3.0

No centro das inundações e alagamentos históricos que atingem a região metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, está o Guaíba. Este é um corpo hídrico oficialmente classificado como lago — o lago Guaíba — pelas autoridades locais. No entanto, há quem o chame de rio ou mesmo estuário.

Com as tempestades registradas nos últimos dias no Sul do Brasil, o lago Guaíba inundou. No domingo (5), o nível da água chegou a 5,3 m e, até o momento, não há previsão de quando voltará aos parâmetros normais. Todo o processo de drenagem das águas deve levar pelo menos 10 dias, já que a previsão ainda é de chuva na região. 

Vale destacar que, na história do Rio Grande do Sul, este não é o primeiro registro de uma cheia duradoura envolvendo o lago Guaíba. Em 1941, uma inundação deixou regiões de Porto Alegre debaixo d’água por mais de 30 dias. 

Continua após a publicidade

A seguir, veja onde está localizado o lago Guaíba e o impacto da sua inundação em Porto Alegre: 

O que é Guaíba?

Para entender melhor: o lago Guaíba está localizado entre o Delta do Jacuí — o local de deságue dos rios Jacuí, Sinos, Caí e Gravataí — e a Lagoa dos Patos. Por isso, é um corpo hídrico bastante importante na região do Rio Grande do Sul.

Para a região metropolitana de Porto Alegre, esse corpo hídrico categorizado como lago tem diferentes funções, como: 

  • Abastecimento hídrico;
  • Diluição de águas residuais (esgotos);
  • Pesca;
  • Navegação.

Tudo isso é possível por causa de suas dimensões. Na margem esquerda, a extensão do lago chega a 85 km, sendo que 70 km margeiam diretamente Porto Alegre. Enquanto isso, na margem direita, a extensão chega a 100 km. A largura máxima é de 20 km e o comprimento é de 50 km.

Outro ponto que merece destaque é sua profundidade, o que provoca parte dos questionamentos se é lago ou rio. Isso porque, nas beiradas, é de 2 m, mas, no meio, pode chegar a 12 m. 

Continua após a publicidade

Por que lago e não rio?

Já adiantamos que, oficialmente, não se fala rio Guaíba, mas, sim, lago Guaíba. Afinal, este é o entendimento do estado do Rio Grande do Sul e de cientistas especializados em geomorfologia. 

"No momento presente, encaixa-se na categoria de lago, desde que consideremos lagos não apenas as porções de água cercadas de terra por todos os lados, sem emissários, mas 'depressões continentais ocupadas pelas águas de forma permanente. Muitas vezes são simples episódios no leito de um rio cujas águas ficam retidas por um acidente geológico que forma uma barreira'”, afirma Carlos Oliveira, do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em artigo para a revista Pesquisas em Geociências.

Continua após a publicidade

"Lagos são, em muitos casos, apenas 'partes dos sistemas fluviais onde a circulação é menos rápida'', acrescenta Oliveira sobre os detalhes que levam ao entendimento dessa classificação.

No entanto, a questão está longe do consenso, já que, mesmo com essas definições, há o entendimento que o Guaíba pode ser visto como um híbrido entre lago e rio por causa de seu comportamento dual. As características de lago prevalecem nas suas margens, com o fluxo de água bidimensional (sem direção fixa), mas, no meio, é como se fosse um rio, já que há fluxo contínuo (unilateral). De outra forma, pode ser encarado como um lago, cortado por um rio — no caso, o rio Jacuí. 

Não é rio e nem estuário

Nessa discussão sobre o que é o Guaíba, há ainda quem o chame erroneamente de estuário. Entretanto, esta definição é equivocada, sem margem para discussões, já que estuários remetem a uma zona de transição entre rio (água doce) e mar (água salgada). Este não é o caso do corpo hídrico do Rio Grande do Sul.

Continua após a publicidade

Por outro lado, é curioso notar que, um dia, o lago Guíaba já foi um estuário. "Foi estuário no passado, em época geologicamente recente, anterior à formação da planície costeira e da Laguna dos Patos”, completa Oliveira.

Fonte: Prefeitura de Porto Alegre e Pesquisas em Geociências