Publicidade

Falhas mostram que placa tectônica do Pacífico está rachando

Por| Editado por Luciana Zaramela | 12 de Fevereiro de 2024 às 13h12

Link copiado!

NASA/Domínio Público
NASA/Domínio Público

Em uma nova descoberta revolucionária para a geologia, pesquisadores encontraram diversas falhas na Placa Oceânica do Pacífico, causadas pela deriva ao oeste e mergulho da placa em direção ao manto da Terra. Caso o achado e suas causas sejam confirmados por outras pesquisas, isso poderá remodelar o entendimento científico sobre o funcionamento das placas tectônicas.

Do ponto de vista humano, o planeta parece uma peça sólida e imutável já que, apesar de estar em constante mudança, este processo é extremamente lento perante nossa percepção de tempo. A crosta, como a conhecemos, seria melhor imaginada como um enorme quebra-cabeças flutuando sobre líquido escaldante, com cada “peça” representando uma placa tectônica.

Continua após a publicidade

Tais peças estão à deriva, deslizando lentamente sobre o manto derretido — há placas oceânicas, que estão afundadas sob as águas, e placas continentais, onde ficam as massas de terra que habitamos. Atualmente, se acredita que as placas oceânicas são, em geral, rígidas, só mudando de formato em zonas de subducção (onde afundam sob outras placas), nas fronteiras tectônicas. O presente estudo, no entanto, discute esse fato.

Dinâmicas e falhas tectônicas

Os geólogos do novo estudo, cujo autor principal é Erkan Gün, da Universidade de Toronto, notaram danos na placa do Pacífico indicativos de uma falha geológica, incluindo rachaduras de milhares de metros de profundidade e centenas de quilômetros de comprimento. Esse tipo de dano era visto no interior de placas continentais, longe das fronteiras tectônicas, e não eram conhecidas falhas do tipo em placas oceânicas.

Ao mostrar que as placas submersas não são tão sólidas do que se pensava, estamos refinando o conhecimento sobre as dinâmicas tectônicas do planeta, segundo os cientistas. Os resultados foram obtidos através de modelos computacionais complexos e dados coletados anteriormente, estudando quatro platôs no oeste do oceano Pacífico. As áreas envolvidas vão do Japão ao Havaí e da Nova Zelândia à Austrália.

Continua após a publicidade

Em um comunicado à imprensa, os pesquisadores compararam a placa do Pacífico a uma toalha de mesa sendo puxada de uma mesa — à medida que ela estica, algumas seções mais frágeis do tecido ficam suscetíveis a rasgos, e, na analogia geológica, esses seriam os platôs onde as falhas foram detectadas. Tais falhas podem, inclusive, estar ligadas à atividade sísmica e ao vulcanismo na região. A Terra ainda está cheia de mistérios, e, um a um, vamos descobrindo-os.

Fonte: University of Toronto, Geophysical Research Letters