Viral do YouTube "Charlie bit my finger" é vendido como NFT por R$ 4 milhões

Viral do YouTube "Charlie bit my finger" é vendido como NFT por R$ 4 milhões

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 28 de Maio de 2021 às 18h30
Reprodução/HDCYT

Uma das maiores lembranças da internet, o vídeo “Charlie bit my finger”, está prestes a sumir do YouTube. O vídeo viral publicado em 2007 que soma pouco mais de 885 milhões de visualizações foi leiloado como um token não fungível (NFT) pela quantia de US$ 760.999 (equivalente a R$ 4 milhões na cotação atual) e agora espera pela decisão do novo dono de manter ou retirar o vídeo do ar.

Os lances rolaram ao longo do último fim de semana, entretanto, nas últimas horas do domingo, o preço subiu absurdamente enquanto duas contas anônimas disputavam pelo vídeo. Ao final, o perfil da companhia “3FMusic” superou o “mememaster” no leilão e, logicamente, deteve os direitos sobre o vídeo — que é um verdadeiro fragmento da história da internet.

Trata-se de uma recordação da infância de dois irmãos enquanto brincavam. Uma das crianças coloca o dedo na boca do irmão, Charlie (ainda bebê), e tem o dedo mordido provavelmente com força considerável. A brincadeira faz o menino reclamar, esboçar um choro e falar repetidas vezes "Charlie mordeu meu dedo!" Enquanto o mais velho se incomoda com o acontecido, Charlie ri como se soubesse de tudo que aconteceu.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Por enquanto, o vídeo ainda está no ar no YouTube, mas isso pode mudar em breve. O novo dono do conteúdo poderá retirar o vídeo da plataforma se assim preferir. É possível que outras cópias permaneçam online, mas o destino do original está nas mãos do comprador.

Este é mais um exemplo de fragmento da história da “cultura da internet” vendido como um NFT (e por valores astronômicos). Outro exemplo interessante de se observar foi a venda como token não fungível da primeira publicação do Twitter, feita pelo próprio CEO Jack Dorsey, que alcançou quase os US$ 3 milhões.

Ademais, esta é a segunda vez que a 3FMusic adquire os direitos sobre um meme popular. A conhecida foto “Menina do Incêndio” também foi comprada pelo perfil da companhia após ser vendida como um token não fungível — neste caso, por quase US$ 500 mil. Felizmente, a figura continua circulando livremente pela internet mesmo após a venda.

Fonte: BBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.