Intel faz alerta sobre quebra de patentes em chips ARM da Qualcomm e Microsoft

Por Redação | 09.06.2017 às 09:08 - atualizado em 09.06.2017 às 18:57

A notícia de que a Qualcomm estaria prestes a lançar uma versão do Snapdragon 835 capaz de rodar Windows 10 parece empolgante para todos os envolvidos, menos para a Intel. Em resposta ao anúncio da novidade, a fabricante emitiu um comunicado quase passivo-agressivo, afirmando publicamente que não é a favor da quebra ilegal de suas patentes e que espera ver suas tecnologias sendo respeitadas pelas companhias envolvidas no lançamento.

O centro da questão é a arquitetura x86, com a Qualcomm e a Microsoft anunciando o uso de emulação para garantir que até mesmo os apps de Windows 10 feitos de forma direcionada para os PCs funcionem nas máquinas com Snapdragon. O problema é que a tecnologia é registrada pela Intel, que a detém desde 1978 com nada menos do que 1.600 patentes para protegê-la.

O caso pode se tornar sério e isso já aconteceu antes. No comunicado, a Intel afirma que leva muito a sério a proteção da tecnologia que está por trás de alguns de seus principais produtos. Ela já entrou em batalhas judiciais contra a AMD e a Cyrix, por exemplo, por motivos semelhantes, além de ser terminantemente contra o licenciamento destas inovações até mesmo para parceiros de desenvolvimento.

Um caso semelhante aconteceu com a Transmeta, uma fabricante norte-americana de semicondutores que, no início de 2000, já havia apostado na ideia de processadores pequenos e com baixo consumo de energia capazes de rodar softwares x86 usando uma tecnologia chamada “code morphing”. A companhia saiu do mercado quando foi comprada pela Novafora, em 2009, mas, como resultado de uma disputa judicial, teve de dividir royalties e direitos sobre suas patentes com a Intel.

Com o texto, a fabricante dá a entender que pode fazer o mesmo com a Qualcomm e a Microsoft caso elas persigam a ideia de emulação em seus processadores ARM. O caso pode se tornar uma briga de cachorro grande bem rapidamente, pois todos os envolvidos possuem recursos para manterem uma longa disputa e também o interesse em fazer valer seus ideais relacionados aos produtos que entregam.

No anúncio feito no final de maio, a Qualcomm revelou uma versão do Snapdragon 835 voltado para uso em computadores de grande autonomia, com baixo gasto energético e sem perder em processamento. A tecnologia uniria os avanços feitos na indústria mobile com o Windows 10, da Microsoft, dando mais versatilidade e entregando uma solução completa para os clientes. A emulação x86 viria como forma de garantir compatibilidade integral com todos os softwares do sistema operacional.

Nenhuma das duas comentou as alegações da Intel, e vale a pena lembrar que a própria fabricante de processadores também é uma grande parceira da Microsoft, entregando componentes otimizados para o funcionamento do Windows. Isso pode significar um agravamento dos problemas, ou então a chegada mais rápida a uma solução.

ATUALIZAÇÃO [18h55]: por email, a Qualcomm informou o seguinte:

"Achamos a publicação no blog de um de nossos concorrentes após nosso recente anúncio com a ASUS, HP e Lenovo muito interessante. Estamos ansiosos para o lançamento do Windows 10 com o Qualcomm Snapdragon 835 Mobile PC Platform nesse ano. Como demonstramos com a Microsoft durante a Computex 2017, o Qualcomm Snapdragon 835 Mobile PC Platform traz uma experiência sempre conectada para PCs, com o suporte de conectividade LTE em gigabits e bateria capaz de durar o dia todo. A tecnologia tem o potencial para mudar o futuro da computação pessoal”.

Fontes: Intel, Qualcomm