CEO da Nvidia acredita que escassez de placas RTX 3000 deve se estender por 2022

CEO da Nvidia acredita que escassez de placas RTX 3000 deve se estender por 2022

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 19 de Agosto de 2021 às 19h50
Divulgação/NVIDIA

Inúmeros fatores, incluindo a pandemia e uma explosão de demanda e da criptomineração, levaram todo o mercado de semicondutores a uma enorme crise, com escassez de componentes e aumentos significativos de preços de produtos que contem com chips em sua construção.

O cenário forçou empresas de determinados setores a pararem a produção, inclusive no Brasil, e gerou consequências como a criação de placas de vídeo dedicadas para criptomineração. As medidas começaram a ter um impacto positivo, ao menos em alguns setores, mas infelizmente não devem ser suficientes para solucionar o problema.

Pelo menos é o que acredita o co-fundador e CEO da Nvidia, Jensen Huang, que compartilhou previsões nada animadoras durante conferência para investidores realizada nesta quarta-feira (18).

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

GPUs RTX 3000 devem se manter escassas em 2022

O evento teve o intuito de mostrar os resultados alcançados pela empresa até o momento, bem como definir algumas projeções para os próximos trimestres. Segundo o executivo, a expectativa é que todos os segmentos da Nvidia tenham crescimento durante 2022, especialmente a divisão de games, que segue com alta demanda e ainda deve ver o inventário de revendedores se manter baixo no terceiro trimestre de 2021.

Segundo Jensen Huang, a demanda pela linha RTX 3000 segue muito alta, e a situação de estoques limitados deve persistir em 2022 (Imagem: Divulgação/Nvidia)

Huang revelou ainda que a demanda por GPUs RTX "é incrível", e que as placas baseadas na microarquitetura Ampere, como a linha RTX 3000, estão no caminho para fazer da arquitetura a mais vendida da história da empresa. Curiosamente, apesar das expectativas positivas, apenas 20% dos usuários de GPUs Nvidia até o momento estão na nova geração.

No entanto, o CEO disse que os novos projetos de expansão levaram a companhia a se comprometer com suprimento de longo termo, e que assim sendo, espera que os estoques devam se manter limitados pela maior parte do ano que vem. O cenário atual se mostra melhor do que o visto no início da crise, com uma queda gradual e singela dos preços, mas infelizmente há mudanças no mercado que podem se tornar uma ameaça para a estabilidade.

Criptomineração pode voltar a ser uma ameaça

Ainda que não haja garantias, a criptomineração pode voltar a assombrar as GPUs para games agora que um dos programas mais comuns de mineração, o NBMiner, conseguiu contornar os bloqueios impostos pela dona da linha GeForce em alguns dos modelos da família RTX 3000. Mesmo que o método não habilite o potencial de mineração dos chips por completo, é possível que mineradores enxerguem uma oportunidade.

Pensadas especificamente para criptomineração, as placas Nvidia CMP não venderam como o esperado (Imagem: Reprodução/MSI)

Isso se soma com o resultado abaixo do esperado das placas Nvidia CMP, desenvolvidas com a criptomineração em mente — a receita da linha atingiu apenas US$ 266 milhões (cerca de R$ 1,4 bilhão, em conversão direta), em vez dos US$ 400 milhões (algo em torno de R$ 2,2 bilhões) projetados pela empresa. Resta aguardar para saber se há de fato riscos de vermos uma nova onda de escassez intensa acometer o mercado.

Fonte: WCCFTech, VideoCardz, The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.