Análise | Resident Evil Village acerta demais no clima, mas erra no exagero

Análise | Resident Evil Village acerta demais no clima, mas erra no exagero

Por Felipe Demartini | Editado por Jones Oliveira | 05 de Maio de 2021 às 12h00
Divulgação/Capcom

Quando Resident Evil 7 chegou às lojas em 2017, a série passava por uma crise de identidade, com a solução da Capcom sendo voltar às origens do primeiro game da série — também em preparação para o que estava por vir, com remakes dos clássicos já a caminho. Sendo o primeiro game com história efetivamente inédita desde então, é curioso notar que ele também realiza uma volta a um passado mais recente e ao segundo período de consagração absoluta da franquia.

Desde o título até seu ensejo, passando também pelas mecânicas de gameplay, tudo remete bastante ao game de 2005. Também pudera: Resident Evil 4 é um dos jogos mais importantes de todos os tempos e um clássico absoluto para a série da Capcom. Ao mesmo tempo, há neste novo lançamento a ambição de ir além, e aqui não estamos falando apenas de superar a referência direta — temos em mãos um dos games mais ambiciosos de toda a saga, evoluindo fórmulas e ampliando conceitos. Às vezes até demais.

Em uma rara sequência direta entre um título e outro, voltamos à pele de Ethan Winters, literalmente, com a visão em primeira pessoa de Resident Evil 7, em Village, servindo como um dos grandes pilares não só da trama e do foco na exploração, mas também do clima que é o grande trunfo do novo game. De estranho em busca de respostas, ele virou um homem de família com dificuldades para esquecer o passado, que estoura como uma bomba em seu peito e o coloca, de novo, em posição de batalhar pela própria sobrevivência e daqueles que representam o mundo para ele.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O protagonista está isolado e escondido, e parte para um local tão remoto quanto sua própria existência atual, para salvar sua filha das mãos de um grupo de cultistas. Como se isso não fosse o suficiente, o herói de sempre, Chris Redfield, parece estar envolvido diretamente no sequestro da pequena Rose, em uma trama de retalhos que vai se misturar com as histórias dessa vila e de seus habitantes, pegos no fogo cruzado de um objetivo bem maior do que todos os envolvidos.

Paramos por aqui na descrição da trama por um motivo claro: durante a divulgação, a Capcom divulgou pouco e isso se traduz no próprio ensejo de Resident Evil Village. Apesar de Ethan estar bem mais preparado para o combate do que quando o vimos pela última vez, há um toque aterrorizante no fato de não sabermos exatamente o que estamos enfrentando nem o que virá pela frente, assim como o nível das forças que se opõem à gente. A partir dessa tela de pintura em branco, a Capcom brinca com estilos e entrega diferentes abordagens com criatividade, apesar de a ambição ter ofuscado a linha que limita o envolvente do absurdo.

História altamente familiar dá o tom principal de Resident Evil Village, também servindo para construir a personalidade do protagonista, o nem sempre querido Ethan Winters (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

A jogabilidade é o ponto central de Resident Evil Village, que já começa quente. Os primeiros passos de Ethan na vila são desesperadores, enquanto ele é atacado por todos os lados por criaturas parecidas com lobisomens, os Licans, e até mesmo uma criatura gigante com uma marreta. Todos estão atrás dele, afinal de contas ele é o único vivo do local, e já de início a Capcom demonstra o caráter de exploração e amplitude do título, com diferentes casas para se esconder ou explorar em busca de suprimentos e variados elementos de cenário que podem ajudar na sobrevivência.

Essa, aliás, é a palavra na parte inicial, ainda que não necessariamente no restante do título. Mal-armado e com poucos itens, o jogador recebe uma lição clara do potencial aterrorizante destes novos inimigos antes de encarar, efetivamente, o segmento de exploração, com uma pegada mais lenta e momentos de confronto que se intercalam com enigmas ou a busca por itens, sejam eles vinculados ao caminho central da história ou aos segredos ocultos por toda a vila.

Resident Evil Village já firma seu tom ameaçador desde o início, e mesmo tendo mais opções de combate e cenários maiores, não deixa de manter o jogador tenso (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Os gráficos e o som transformam a experiência de Resident Evil Village em algo maior do que ela mesma. Mesmo nos consoles básicos da geração anterior, o título tem performance impressionante e, acima de tudo, um som que faz tudo se tornar ainda mais aterrador. Se possível, jogue com bons fones de ouvido para perceber como a Capcom passa a impressão de que estamos sempre sendo perseguidos, com estalos e movimentos nos flancos do protagonista. Mesmo armado e bem preparado, você sempre estará alerta, em uma sensação que permeia todo o game e é daquelas que nem sempre se encontra em games de terror modernos.

É possível, sim, perceber algumas texturas que carregam à vista do jogador, serrilhados principalmente à distância e quedas na taxa de quadros por segundo, principalmente durante os loadings no PlayStation 4 e Xbox One. Há, ainda, uma perceptível redução de qualidade no Xbox One S, mas em todos os aparelhos, e principalmente no PS5 e Xbox Series X|S, os visuais são um dos pontos fortes de Resident Evil Village, como já era de se esperar do motor gráfico RE Engine, que esteve por trás de todas as propostas da franquia ao longo dos últimos anos. Você vai querer usar um bocado o Modo Foto, já que, aqui, não se trata apenas de fidelidade visual, mas também de uma direção de arte bastante certeira, com cenários memoráveis e áreas cheias de personalidade.

Exploração sobre trilhos

O caminho central do título nos leva aos espaços dominados pelos quatro lordes da família de Mãe Miranda, a peça central do quebra-cabeças e motivadora de tudo o que está acontecendo. Mas, novamente, o foco está na jogabilidade, com cada uma destas “casas”, se é que podemos chamá-las assim, trazendo um tipo diferente de abordagem, ameaça e, principalmente, estilo, passando uma sensação de progressão ainda que estejamos sempre na mesma vizinhança do início ao fim do jogo.

A vila é o ambiente que conecta as diferentes etapas de Resident Evil Village e um espaço aberto para ser explorado, além das amarras lineares dos segmentos ligados à história (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

A vila, em si, é um mundo semiaberto que conecta os diferentes universos controlados pelos quatro lordes e que vai ganhando mudanças, novidades e opções na medida em que o jogador avança — se você jogou The Evil Within 2, pense nos trechos da cidade, que interliga diferentes áreas de história, que você entenderá. Ainda que a exploração seja livre, há uma linearidade na ordem em que os cenários de cada oponente são encarados.

Da mesma forma, essa é uma característica que permeia toda a experiência com Resident Evil Village e que pode soar frustrante em alguns momentos. Chega a ser triste ver um segmento tão rico e bonito como o do castelo onde a querida de todos Lady Dimitrescu reside, mas passar por ele sempre indo do ponto A ao ponto B, ainda que puzzles inventivos sejam encontrados pelo caminho.

A sensação é de estar jogando em linha reta, com todas as portas trancadas até que o jogador encontra a chave para uma delas, que, por sua vez, vai abrir uma sala com o item específico para solucionar um enigma que o game já mostrou antes, e ele te dará uma outra chave para outra sala. Você sempre vai encontrar a munição suficiente para enfrentar um grande inimigo nos cenários que o antecedem, enquanto a presença do Duque, o mercador de armas, itens e melhorias, também serve como um sinal de que algo grande está por vir, transformando um pouco da tensão em previsibilidade.

Ainda que inimigos e alguns poucos elementos tentem desviar o jogador do caminho, os belos cenários acabam sendo explorados de forma linear, sempre com o jogador indo do ponto A ao ponto B e resolvendo puzzles criativos, outros nem tanto, pelo caminho (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

A jogabilidade, como dito, é o motor que leva Resident Evil Village adiante e instiga a querer ver mais e mais. Entretanto, em tais elementos, grita bastante o pouco aproveitamento de algumas ideias realmente incríveis e até certa subestimação do jogador, reduzindo a tensão inerente ao gerenciamento de munição e a noção de que estamos sempre despreparados, uma das bases clássicas do Survival Horror.

Esse aspecto aparece, inclusive, nos personagens e na própria ambientação da história, que também deve deixar frustrados aqueles que procuram um roteiro incrivelmente elaborado para combinar com as características tão peculiares dos habitantes desse universo. Com poucas exceções, a vontade é sempre de querer ver mais os personagens presentes neste local. O game, em si, não deixa as coisas mal explicadas (apesar de algumas das razões serem questionáveis e pouco embasadas), mas faz pouco diante de elementos que poderiam ser muito mais profundos.

Não é como se a série Resident Evil — e aqui entramos no ensejo dos fãs hardcore — fosse realista ou explicasse tudo nos mínimos detalhes. Um jogo de cintura para entender e preencher lacunas, assim como fazer sentido de tantos vírus, parasitas, anomalias e interesses diferentes; Village, sendo o mais ambicioso da série, também é o que mais exige isso do jogador e não faria mal a ninguém ver um pouco mais de cuidado nesse aspecto para tornar um ambiente claramente rico ainda mais memorável.

A única exceção a esse elemento é, justamente, o próprio protagonista. Mostrando que ouviu o feedback dos fãs em relação ao game anterior, a Capcom trabalha Ethan Winters de forma profunda, mostrando não somente seus traumas em relação aos eventos da casa da família Baker como também sua evolução diante dos próprios acontecimentos que estão se desenrolando, por meio de suas falas, reações aos eventos e até mesmo piadinhas fora de lugar, já que quando falamos de Resident Evil, há sempre espaço para isso. Se a jogabilidade é o motor deste novo jogo, seu protagonista, com certeza, é o combustível, capaz de ganhar até mesmo aqueles que o detestaram em sua estreia.

Limite traçado na neve

Resident Evil Village tem personagens um bocado peculiares que são subaproveitados e não ganham o espaço e o estofo que os jogadores tanto gostariam que tivessem (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Na medida em que o jogador segue pelas cerca de 10 horas de Resident Evil Village, a sensação é de observar um game que cresce em escala e conceitos, muitas vezes até demais. Enquanto fica claro desde o início que a Capcom acertou o tom do horror em sua mistura com a ação, deixando até mesmo o usuário mais habilidoso temendo, a necessidade de aumentar as apostas mais e mais levam a uma série de exageros que podem acabar colocando tudo a perder.

A exceção é o segmento protagonizado pela misteriosa Donna Beneviento e sua boneca Angie, ainda que os acontecimentos, aqui, soem bizarros por si só. Nos outros, a boa exploração de corredores apertados e o bom uso de iluminação sempre culmina em uma grande e apoteótica batalha contra um chefe de fase. Para a Capcom, deveria ser a coroação de cada área e uma medida desesperada dos lordes para interromper o avanço de Ethan — na prática, é uma quebra no clima do jogo e um erro que a empresa já cometeu múltiplas vezes nos games recentes, mas insiste em repetir.

É quase como se os desenvolvedores estivessem tão desesperados quanto os próprios oponentes, jogando cada vez mais elementos em cima de Ethan até não saberem mais o que fazer nem como ampliar a ameaça. O exagero resultante chega ao campo da galhofa, junto com pequenas piadas internas que são colocas no meio do jogo e as já citadas explicações que devem ser aceitas por si, sem questionamentos, elaborações ou, principalmente, profundidade.

Ainda que a resolução seja mais baixo, a diferença entre a nova e a antiga geração em Resident Evil Village está mais nos detalhes. As imagens desta análise foram capturadas em um PS4 Fat, o que evidencia a qualidade visual do game nos velhos consoles (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Parece que quanto mais avançamos no título, mais estranho e exagerado ele se torna, a ponto de o próprio final acompanhar todas as revelações sobre a história quase que de uma só vez, tornando até difícil acompanhar. Há, sim, um começo e um meio para a história deste game, mas principalmente um fim, apesar da sensação de que a jornada até lá foi bem mais memorável que o seu desfecho, que exige uma boa dose de suspensão de descrença.

Resident Evil Village cumpre o prometido, levando adiante a franquia e concluindo um dos episódios mais interessantes dos últimos anos de forma semelhante, ainda que as engrenagens em que isso tudo é baseado nem sempre funcione de maneira perfeita ou com o nível de qualidade esperado pelos fãs. Ainda assim, serve como um grande e provável adeus da série na antiga geração de consoles e lança algumas cartas para os próximos episódios, assim como um eventual remake do título que, aqui, serve como grande inspiração.

O maior acerto de Resident Evil Village está nos pequenos combates e nos momentos de exploração, enquanto a falta de sutileza quebra completamente esse clima nos momentos mais definidores para a história (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Permanece, por outro lado, um certo destacamento entre aquilo que é unanimamente elogiado nos capítulos da saga nos últimos anos, e talvez em toda sua história, e elementos também geralmente criticados ao longo de todo esse tempo. Aqui, estamos longe dos tempos sombrios que pareciam estar diante de nós após o recente remake de Resident Evil 3 e o foco em opções preguiçosas voltadas para o multiplayer, mas como o castelo de Dimitrescu serve como uma sombra ameaçadora sobre a vila, não dá para ignorar que alguns fantasmas de um passado não tão glorioso continuam presentes.

Resident Evil Village chega em 7 de maio para PC, PlayStation 4 e Xbox One, com versões otimizadas gratuitas para PlayStation 5 e Xbox Series X|S. No Canaltech, o título foi testado no PS4, em cópia digital gentilmente cedida pela Capcom.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.