GTA 5 |12 curiosidades sobre a criação do jogo

GTA 5 |12 curiosidades sobre a criação do jogo

Por Guilherme Sommadossi | Editado por Bruna Penilhas | 29 de Setembro de 2021 às 22h10
Rockstar Games

Grand Theft Auto V é, sem dúvidas, um dos jogos mais populares já criados. Lançado pela primeira vez em 2013 para PlayStation 3 e Xbox 360, o sucesso do game rendeu um relançamento no PlayStation 4 e Xbox One (em 2014), outro no PC (em 2015), e em breve no PlayStation 5, Xbox Series X e Series S, em 2022.

Por ser um jogo tão ambicioso e de um franquia tão amada, claro que a equipe de desenvolvimento teve que passar por muitas etapas, o que gerou fatos bem curiosos e interessantes. Para contar tudo que envolveu a criação do game, o Canaltech separou 12 curiosidades sobre o desenvolvimento de GTA 5.

12. Foram três anos de produção

Pouco tempo depois de lançar GTA IV, em 2008, a equipe da Rockstar North já começou os preparativos para a nova aventura. Em 2010, a sequência saiu da fase de pré-produção, com a equipe já adaptada com o hardware do PS3 e do X360 e prontos para criar um novo game bem mais detalhado e aprofundado. Em agosto de 2013, o projeto foi finalizado.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

11. Mais de mil funcionários

No começo, 360 funcionários da Rockstar North se dedicaram ao projeto. Depois, os estúdios da Rockstar Leeds, Lincoln, London, New England, San Diego e Toronto também entraram na produção. Contando todos os estúdios, foram mais de 1.000 pessoas envolvidas no desenvolvimento de GTA 5.

Prédio da Rockstar North, na Escócia (Imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

10. Motor gráfico próprio

Nada de Unreal ou Unity para criação, a desenvolvedora teve sua própria ferramenta para criar todas as mecânicas do quinto Grand Theft Auto. O Rockstar Advanced Game Engine foi criado pela Rockstar San Diego e usado pela primeira vez em Table Tenis, lançado em 2006 para Xbox 360 e Nintendo Wii, e mais tarde em outros grandes sucessos como GTA 4, Midnight Club Los Angeles, Red Dead Redemption, Max Payne 3 e Red Dead Redemption 2.

9. Preparação financeira

Todo grande projeto envolve também grandes cifras para começar a rodar. A produtora nunca disse oficialmente quanto desembolsou em GTA 5, mas o analista Arvind Bhatia estima que o orçamento passou de US$ 137,5 milhões, enquanto o jornal The Scotsman apurou que, somando também investimento em marketing, foram US$ 265 milhões. Em ambas as previsões, o game se consagrou na época como o mais caro já feito.

8. Viagens e Google Maps para criar os cenários

Los Santos e Sandy Shores são inspiradas em Los Angeles e outros lugares do sul da Califórnia. O local, como o jogo demonstra bem, é um polo do entretenimento, indo de desenvolvedoras de games, terra natal de grandes bandas até a poderosa Hollywood.

Para replicar um lugar tão vasto e recheado de vida, a equipe de criação viajou para a região para entender cada aspecto da cidade dos anjos. Eles tiraram mais de 250 mil fotos e gravaram horas de conteúdos de lugares icônicos para entender a arquitetura de cada prédio e ir além do que San Andreas foi capaz de representar. Fora isso, eles também usam muito o serviço do Google para entender como funcionam as largas avenidas e como a cidade toda se conecta.

Dessa forma, a equipe praticamente criou uma versão 3D de Los Angeles, reproduzindo lugares marcantes como a praia de Santa Monica, o letreiro de Hollywood, o Observatório Griffith, o Aeroporto Internacional de Los Angeles, o Teatro Chinês e tantos outros pontos turísticos locais.

7. Primeiro da série com músicas originais

Como já dito, o local que inspirou o jogo é conhecido por uma cena musical diversa. Artistas de eletrônica, funk, punk, rap, rock e muitos outros estilos vieram de Los Angeles. Logo, a trilha sonora principal não poderia ser diferente e tinha que ter um pouco de tudo isso.

O responsável pelo projeto foi Ivan Pavlovich, que entrou na Rockstar em 2004 para GTA San Andreas e trabalhou também em Bully, outros GTA e nos dois Red Dead Redemption. Junto com mais quatro produtores, eles criaram mais de 20 horas de músicas, trilhas para missões e outros sons do jogo (incluindo o GTA Online). E claro, tudo isso junto com as músicas licenciadas das rádios.

6. Ter três protagonistas era uma ideia antiga

Os irmãos Dan e Sam Houser queriam mais de um protagonista desde GTA San Andreas, mas por limitações técnicas da época, CJ se consagrou sozinho na história. Depois, no quarto jogo eles criaram os DLCs The Lost and Damned e The Ballad of Gay Tony, cada um protagonizado por outro personagem que não fosse Nico Bellic.

Johnny Klebitz, Nico Bellic e Luis Fernando Lopez, protagonistas The Lost and Damned, GTA IV e The Ballad of Gay Tony (Imagem: Divulgação/Rockstar Games)

Com o sucesso das expansões, que tinham algumas conexões na trama, nada impediu a Rockstar de colocar simultaneamente os holofotes em Franklin, Michael e Trevor. Vale dizer que a "personalidade de combate" dos protagonistas também foi pensada para funcionar em trio, de modo que um fica responsável por ataques surpresas, o outro centralizado e o terceiro partindo para cima.

5. A preparação de cada ator para o papel

Com personalidades tão diferentes e caricatas, dar vida a cada personagem foi um trabalho particular para cada um. As atuações começaram em 2010, e foi a primeira experiência do trio de atores em um videogame; ainda por cima sendo recriados em 3D e tendo seus movimentos e corpos escaneados com precisão (por isso eles são tão parecidos).

Começando por Ned Luke, que viveu Michael de Santa, o ator primeiro engordou 11 kg para chegar no físico digno de um milionário aposentado em um programa de proteção à testemunha. Depois, ele estudou os jogos anteriores da franquia, em especial o GTA 4, e se inspirou nos personagens Ward Cleaver (Hugh Beaumont) da sitcom norte-americana Leave it to Beaver e em Tony Montana (Al Pacino) de Scarface (1983).

Ned Luk (centro) e suas inspirações para Michael (Imagem: Montagem/Reprodução)

Vale contar também que Luke quase recusou o papel por ser uma atuação em um videogame. Depois de ler o roteiro, o ator gostou da ideia e, felizmente, combinou perfeitamente com de Santa.

Steven Ogg, que deu vida a Trevor Phillips, se inspirou no filme Bronson (2008), uma biografia do prisioneiro britânico mais violento dos anos 1970, Michael Peterson (Tom Hardy) e seu alter ego psicopata Charles Bronson. A ideia era trazer as nuances de um anti-herói bem insano, mas ainda trazer emoções e profundidade ao personagem do game.

Steven Ogg (esq.) e Tom Hardy (dir.) como Bronson (Imagem: Montagem/Reprodução)

Por fim, Shaw "Solo" Fonteno encontrou em Franklin Clinton alguém que poderia ser ele mesmo. Com uma história parecida, em uma infância no sul de Los Angeles em que via de perto o tráfico, a criminalidade e a guerra de gangues, ele sabia como era a cabeça do protagonista.

Outro detalhe é que o ator cresceu com a avó, algo parecido com seu personagem que viva com a tia. De forma geral, ele pediu ajuda dos veteranos Luke e Ogg para atuar da melhor forma possível.

Outra curiosidade é que Solo conseguiu o papel por indicação do amigo do DJ Pooh, que é o locutor da rádio do game West Coast Classics e também compôs para o San Andreas. E ele também é primo de Young Maylay, o dublador do CJ. Ou seja, não tinha ninguém melhor para viver Franklin.

4. Roteiro extenso

Com um jogo tão grandioso e com um enredo clássico de um filme de ação, claramente o roteiro seria algo proporcional. Em um painel na San Diego Comic Con, em 2014, Ned Luke comentou que todo o roteiro do jogo tinha mais de 3.500 páginas e 160 mil linhas de diálogo, compostas por falas de missões, interações com pedestres e mais. Para efeitos de comparação, os scripts de filmes não passam nem de 200 folhas e The Witcher 3: Wild Hunt, por exemplo, teve 950 páginas.

3. Programa Epsilon da vida real

Também próxima a estreia, outra ação da desenvolvedora foi abrir inscrições para o "culto" do jogo. Através do site do game, os interessados podiam entrar na Epsilon, mas ao invés de perder muito dinheiro, elas ganharam a chance de serem personagens dentro do jogo, interpretando membros da organização religiosa e fictícia que existe no mundo de GTA.

2. Divulgação em larga escala

Com tanta expectativa, a Rockstar claramente ia aproveitar o hype. Dessa forma, até algo simples como a capa do jogo foi muito explorada. Para revelar a arte da caixinha, o estúdio pintou a lateral de um prédio em Manhattan, Nova York, nos Estados Unidos. O trabalho levou cerca de uma semana para ser finalizado.

Mural pintado com a arte do jogo (Reprodução/GTA Forums/trevor685)

1. O produto de entretenimento mais lucrativo da história

Essa muita gente já sabe, mas é sempre bom reforçar o sucesso financeiro de GTA 5. Em apenas três dias, o game faturou US$ 1 bilhão, um recorde que até hoje não foi superado por nenhum jogo ou filme. O número continua crescendo até hoje, fruto das 150 milhões de unidades vendidas até agosto de 2021 e os diversos eventos de GTA Online.

(Imagem: Reprodução/GTA Series Videos)

Com informações de Develop, Games Industry, Buzzfeed, USA Today, VG247, Games Reviews, Game Rant

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.