Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Como escolher um nobreak para os eletrônicos | 5 dicas

Por| Editado por Wallace Moté | 20 de Abril de 2024 às 13h00

Link copiado!

(Imagem: Clint Patterson/Unsplash)
(Imagem: Clint Patterson/Unsplash)

Investir em equipamentos que protejam seus eletrônicos em casos de queda ou variações bruscas de energia é essencial — gastar um pouco a mais em um deles fornece mais tranquilidade e evita dores de cabeça com tarefas perdidas ou, mais grave, eletrônicos queimadas.

Os nobreaks, ou UPS na sigla em inglês, figuram entre as opções mais atraentes, não apenas por oferecerem eletricidade estável por tempo suficiente para salvar trabalhos e desligar dispositivos sensíveis diante de quedas de energia, como ainda por geralmente trazerem uma série de outros mecanismos de proteção embutidos.

Com isso em mente, e a decisão de adquirir um nobreak definida, há diversos pontos importantes que precisam ser observados na hora da compra. Reunimos cinco dicas para te ajudar a selecionar o nobreak ideal para as suas necessidades.

Continua após a publicidade

Liste eletrônicos e os cuidados que exigem

Os primeiros pontos que devem ser considerados para escolher um UPS são os tipos de eletrônicos que serão conectados, a tensão de operação (em Volts) e a quantia de energia que esses aparelhos consomem. Um exemplo clássico é o de computadores gamer de alto desempenho, que utilizam fontes exigentes — modelos avançados, como as que possuem PFC ativo, só podem ser ligadas a tipos específicos de nobreaks. Já máquinas mais simples e eletrônicos de menor potência podem ser conectados sem grandes problemas.

Tendo observado isso, é preciso então definir quais dispositivos serão ligados ao nobreak e calcular a quantidade de energia necessária para alimentá-los. Comece identificando a potência de cada um, e então some-as. O resultado é a potência mínima que precisa ser fornecida pelo UPS, sendo ideal sempre buscar por um modelo com potência um pouco maior, para ter uma margem de segurança. A potência combinada é medida em Watts (W).

Feito isso, é hora de buscar por uma opção com capacidade suficiente. Há um porém: a potência dos nobreaks é medida em volt-ampère (VA), unidade similar ao Watt, mas que simboliza a potência aparente. Para obtermos a potência real, é preciso multiplicar os VA pelo Fator de Potência (FP), número que vai de 0 a 1 e representa a eficiência com que o nobreak fornece energia. No caso de um FP de 0,5, por exemplo, há 50% de eficiência, ou seja, 50% da potência é garantida.

Para entendermos melhor, vamos considerar um setup que inclua um PC gamer com fonte de 850 W, acompanhado de um monitor que tenha potência de 350 W. Juntos, os aparelhos consomem em média 1.200 W, o que significa que é preciso buscar um UPS que forneça pelo menos 1.200 W.

Se tomarmos como base o Fator de Potência de 0,5 citado anteriormente, seria necessário adquirir um nobreak de 2.400 VA, já que 2.400 VA x 0,5 = 1.200 W.

Continua após a publicidade

Sabendo das complicações dos cálculos, algumas fabricantes de nobreaks costumam anunciar a potência das suas soluções em Watts, ou ainda oferecer calculadoras em que você pode inserir suas necessidades para encontrar uma boa opção de compra.

Atenção para a autonomia de bateria

O grande diferencial de um nobreak é sua função de fornecer energia elétrica quando há uma queda no fornecimento. Assim sendo, a autonomia de bateria é um dos principais pontos de atenção na hora da compra.

No geral, os nobreaks vendidos para uso doméstico contam com baterias pequenas, mas é possível adquirir pacotes de expansão para obter uma carga extra, se necessário. O cálculo para estimar o tempo de uso de um nobreak é mais complexo que o de potência, mas felizmente as fabricantes também disponibilizam calculadoras e estimativas.

Continua após a publicidade

Ainda assim, lembre-se que a função do UPS (ao menos em uso domiciliar) é garantir tempo suficiente para que você salve trabalhos e desligue os eletrônicos com segurança, para evitar que danos severos sejam causados. Fora isso, como qualquer aparelho alimentado por bateria, é preciso ficar de olho na vida útil das células do nobreak.

Em média, a promessa de durabilidade vai de três a cinco anos, desde que cuidados como evitar o descarregamento completo sejam tomados.

Observe os recursos oferecidos

Continua após a publicidade

Há vários modelos de nobreak com configurações diferentes, começando pelo número de tomadas — lembre-se de conferir se o que você está buscando possui tomadas suficientes para atender ao seu setup. Também pode ser uma boa ideia escolher versões com mais tomadas, caso pretenda conectar dispositivos extras no futuro.

Indo para um lado mais técnico, há nobreaks avançados que contam com proteções adicionais, como filtros de linha e estabilizadores de tensão, telas com detalhes do funcionamento e até fusíveis rearmáveis que impedem que os eletrônicos queimem se houver picos de energia. Caso possa investir um pouco a mais nessas opções com segurança adicional, não deixe de buscá-las.

Nobreaks senoidais são melhor pedida

Continua após a publicidade

A energia elétrica que chega pela tomada possui variações naturais responsáveis por permitir que ela viaje por longas distâncias. Essas variações são medidas em ondas senoidais — o formato de onda bem definido e suave bastante conhecido.

Na prática, a energia representada por uma onda senoidal é “pura” e garante a maior eficiência, bem como o bom funcionamento dos eletrônicos. No entanto, nobreaks comuns costumam trabalhar com fornecimento quadrado (a onda literalmente lembra um quadrado) ou semisenoidal/senoidal modificada (que lembra degraus de uma escada).

Esses padrões de onda geram variações bruscas na energia que podem danificar equipamentos mais sensíveis, como os computadores de alto desempenho com função de PFC ativo — motivo pelo qual não se pode conectá-los a nobreaks básicos.

Continua após a publicidade

Os nobreaks senoidais existem para lidar com esse problema, ao garantir que a energia fornecida chegue no padrão senoidal, similar ao das tomadas. Esses modelos são mais caros por conta da tecnologia que possuem, mas podem evitar dores de cabeça maiores, especialmente quando dispositivos caros estão envolvidos.

Confira o suporte e a garantia

A última dica é observar a qualidade e quais os tipos de garantia e suporte oferecidos, para saber como lidar com o dispositivo em caso de falhas, ou quando for a hora de trocá-lo. Também pode ser interessante procurar por modelos com baterias removíveis, que permitam ao próprio usuário fazer a manutenção de forma mais rápida e barata.