SpaceX pode ter comprado plataformas de petróleo para lançamentos do Starship

Por Danielle Cassita | 19 de Janeiro de 2021 às 21h00
Reprodução/Johnkrausphotos/Twitter

Enquanto segue com os testes dos protótipos do veículo espacial Starship, que levará passageiros e cargas para destinos como a Lua e Marte, usuários do Twitter descobriram que a SpaceX pode ter adquirido duas plataformas de petróleo que seriam usadas para lançamentos e pousos do foguete em questão — com o detalhe curioso de tê-las chamado de Fobos e Deimos, nomes das luas que orbitam o Planeta Vermelho. A empresa não confirmou a compra.

Não é de hoje que a SpaceX tem planos para fazer lançamentos e pousos do Starship em plataformas no oceano, para que possa operar em diferentes localidades ao redor do mundo. Desta vez, os usuários das redes sociais descobriram algumas aquisições recentes da empresa, o que pode indicar que a SpaceX está, de fato, avançando na construção de espaçoportos para o foguete — algo indicado em um tuíte de Elon Musk, CEO da companhia, em junho. Na publicação, ele dizia que “a SpaceX está construindo espaçoportos flutuantes para Marte, Lua e viagens hipersônicas ao redor da Terra”.

Já nesta terça-feira (19), o fotógrafo Jack Beyer publicou em sua conta no Twitter que viu uma plataforma de petróleo no porto de Brownsville, próximo das instalações da SpaceX no Texas, com o nome “Deimos” enquanto esperava pela realização de testes de um protótipo Starship, e logo pensou que a SpaceX estaria envolvida. Ele ressaltou que as fotos apresentadas em sua publicação foram feitas com meses de diferença e, portanto, o letreiro com o nome era algo recente:

Em seguida, o desenvolvedor Michael Baylor, do portal NASASpaceflight, acompanhou a descoberta do fotógrafo e, depois de algumas pesquisas, confirmou que duas plataformas de petróleo foram compradas pela SpaceX pela soma de U$ 3,5 milhões cada uma — segundo os registros encontrados por ele, as plataformas se chamavam “ENSCO 8500” e “ENSCO 8501”, mas receberam os novos nomes de “Deimos” e “Fobos”, respectivamente. Os nomes são os das duas luas de Marte, que poderão ser investigadas por uma missão da agência espacial japonesa JAXA, por sinal.

Além disso, Baylor descobriu que as duas plataformas foram compradas pela Lone Star Mineral Development LLC no ano passado — a empresa foi incorporada pela de Musk em 2020, com registro feito no nome de Bret Johnsen, que também é presidente do grupo de aquisições estratégicas e diretor financeiro na SpaceX.

Até o momento, a SpaceX de Elon Musk não se manifestou publicamente sobre a compra das plataformas; contudo, é bastante possível que as plataformas tenham sido compradas e recebido estes novos nomes — basta lembrar do histórico dos nomes "engraçadinhos" dados às plataformas flutuantes de pouso dos foguetes Falcon 9, como “Just Read The Instructions” e “Of Course I Still Love You” ("apenas leia as instruções" e "é claro que eu ainda te amo", respectivamente, em tradução livre).

Então, se as plataformas realmente agora pertencem à SpaceX, pode ser que a empresa comece a reformá-las em breve visando o uso para lançamentos e pousos do veículo Starship. Ele será lançado com o poderoso booster Super Heavy, e a ideia é que faça viagens de ida e volta da órbita da Terra para Marte, transportando cargas e até 100 pessoas. A empresa segue testando protótipos do veículo e, com um planejamento bastante ambicioso, levanta a possibilidade de realizar a primeira missão tripulada com destino ao Planeta Vermelho em 2024.

Fonte: Forbes

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.