NASA financia projeto para construir um telescópio no lado afastado da Lua

NASA financia projeto para construir um telescópio no lado afastado da Lua

Por Daniele Cavalcante | 15 de Abril de 2020 às 21h30
Saptarshi Bandyopadhyay

A NASA está financiando um projeto que pretende construir um telescópio dentro de uma cratera no lado afastado da Lua. De acordo com os planos, ele teria um quilômetro de diâmetro e permitiria uma observação do espaço sem a interferência de transmissões de rádio da Terra, que nunca alcançam essa região lunar.

Há décadas os cientistas imaginam a construção desse telescópio, e agora esse conceito pode se tornar real graças ao programa Innovative Advanced Concepts (NIAC), que a NASA usa para incentivar boas ideias de tecnologias avançadas. Na terça-feira (14), o projeto foi selecionado para o financiamento inicial da "Fase 1" e receberá US$ 125.000 para desenvolver a proposta.

Batizado de Lunar Crater Radio Telescope (LCRT), o projeto criado por Saptarshi Bandyopadhyay, tecnólogo em robótica do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, será composto por uma malha de arame. Essa malha seria colocada em uma cratera de 3 a 5 quilômetros de largura no lado oposto da Lua e esticada por robôs que escalam paredes, de acordo com o resumo da proposta.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Gráficos que ilustram o conceito de implantação do telescópio em uma cratera lunar (Imagem: Saptarshi Bandyopadhyay)

Se for de fato construído, ele será o maior radiotelescópio de abertura de um único prato em todo o Sistema Solar. Atualmente, o maior dessa categoria é o Five Hundred Meter Aperture Spherical Telescope (FAST), localizado na depressão Dawodang, na China.

Graças à localização no lado afastado da Lua, o LCRT poderia “permitir enormes descobertas científicas no campo da cosmologia, observando o universo primitivo na faixa de 10 a 50m (ou seja, de 6 a 30 MHz), que ainda não foi explorada pelos humanos até o momento”. Isso significa que poderemos visualizar eventos que ocorreram há mais de 13 bilhões de anos, de acordo com Bandyopadhyay. Também poderia ser possível examinar detalhes sobre exoplanetas que orbitam outras estrelas.

Além do LCRT, a NASA concedeu financiamento inicial a mais de uma dúzia de outras missões esta semana. Cada uma das equipes deverá refinar suas pesquisas para desenvolver os conceitos das missões antes de passar para a próxima etapa do programa.

Fonte: NASA, VICE

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.