Ingenuity auxilia rover Perseverance e detecta possíveis perigos no caminho

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 13 de Julho de 2021 às 14h50
NASA, JPL-Caltech, MSSS

No dia 5 de julho deste ano, o helicóptero Ingenuity realizou seu nono voo em Marte. Após concluir sua missão inicial de cinco voos de demonstração de tecnologia, agora a pequena nave auxilia o avanço do rover Perseverance na cratera Jazero, enquanto este busca por sinais de vida no passado distante do planeta. As imagens obtidas durante a última decolagem antecipam algumas formações na superfície que podem ser perigosas para o deslocamento do rover — como dunas que poderiam atolar o robô, por exemplo.

O Ingenuity chegou ao Planeta Vermelho em fevereiro deste ano, a bordo do Perseverance, com o objetivo de avaliar a performance de um helicóptero voando acima da superfície de outro planeta e, assim, preparar o terreno de futuras missões de exploração. Afinal, é um equipamento capaz de voar consegue alcançar lugares que um rover não conseguiria. No início de maio, o helicóptero realizou seu quinto voo, concluindo sua missão. No entanto, seu trabalho não parou por aí.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Dunas de areia registradas pelo Inenguity em seu nono voo (Imagem: Reprodução/NASA, JPL-Caltech/MSSS)

Em seu mais novo voo, o Ingenuity atingiu uma altura de dez metros acima da superfície, o suficiente para observar o caminho à frente do Perseverance, como um campo de dunas, conhecida como Séitah (em navajo, significa “em meio às areias“), com ondulações de até um metro de altura. Embora o rover esteja preparado para lidar com terrenos assim, ele poderia atolar na areia em uma tentativa de descida. Por isso, o auxílio do helicóptero é fundamental.

Além disso, o Ingenuity capturou uma região em que as dunas encontram uma formação rochosa, a qual os cientistas acreditam ser o fundo do lago que existiu na cratera no passado distante de Marte. Se Marte alguma vez abrigou vida, provavelmente foram seres microscópicos que encontraram nesse lago as condições ideais para se alimentarem, especialmente na formação de delta a noroeste da cratera, onde um rio despeja suas águas e sedimentos — e é para lá que o Perseverance, junto ao Ingenuity, está se dirigindo.

Sistema de rochas que teriam sido quebradas pela água no passado de Marte (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

O Perseverance também busca por estromatólitos, pedaços de rocha formada por resíduos de atividades microbianas fossilizados. Por esta razão, outro registro do Ingenuity chama atenção da equipe responsável pela missão. Nele, é possível ver um sistema de fraturas onde as rochas presentes no fundo do lago teriam sido quebradas, ao logo do tempo, pela água que fluía ali. Ao coletar amostras de vários locais da cratera, o rover poderá analisar a composição química delas e procurar por vestígios de vida.

A expectativa é que as missões seguintes da NASA em parceria com a Agência Espacial Europeia (ESA) enviem sondas a Marte para coletar as amostras capturadas pelo Perseverance, trazendo-as para a Terra, onde será realizada uma análise mais aprofundada. 

Fonte: Bad Astronomy

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.