Coisas do cotidiano da Terra que astronautas não podem fazer no espaço

Por Patrícia Gnipper | 26 de Abril de 2020 às 17h00

Não costumamos dar tanto valor a algumas coisas comuns do dia a dia aqui na Terra, como, por exemplo, saborear uma fatia de pão com manteiga ou tomar um banho quente de chuveiro. Já os astronautas que vivem na Estação Espacial Internacional (ISS) acabam sentindo na pele o quanto essas coisas são menosprezadas por nós, que no máximo já viajamos de avião dentro da atmosfera do planeta e nunca tivemos a oportunidade de experimentar como é a vida em um ambiente com sensação de ausência de peso.

Esses astronautas enfrentam, além dos perigos das viagens espaciais, a microgravidade como um empecilho para a realização de tarefas da vida cotidiana. Hábitos básicos e essenciais, como comer e dormir, também precisam de ajustes e sacrifícios por lá. E, abaixo, você confere algumas coisas do nosso cotidiano que os astronautas simplesmente não podem fazer da mesma maneira quando estão no espaço.

Chorar

O astronauta Clayton Anderson se divertindo com uma bola de água flutuando. Agora imagine essa bola saindo de seus olhos? (Foto: NASA)

No espaço, as lágrimas não caem pelo rosto das pessoas. Afinal, é preciso de gravidade para isso. Então, se um astronauta começar a chorar de saudade de casa, forma-se uma "bola" líquida de lágrimas em seus olhos, o que incomoda os olhos da pessoa até que essa bola fique grande o suficiente para se desprender. Essa bola de lágrimas, quando é liberada, acaba flutuando dentro da ISS.

Tomar um banho quente

Todo e qualquer recurso no espaço deve ser usado da maneira mais eficiente possível. Por isso, não se pode desperdiçar água de nenhuma maneira. No lugar de chuveiros (que seriam inúteis de qualquer forma, já que é preciso que a gravidade puxe a água para baixo), os astronautas tomam banhos de esponja usando água destilada da umidade do ar, da urina, da higiene bucal e da lavagem das mãos.

Isso mesmo: a água do banho é reaproveitada de outras atividades. Na ISS, a água é coletada da umidade do ar e do lixo humano para ser transformada em água potável purificada. E, como não há uma maneira eficaz de lavar roupas, os astronautas acabam usando as mesmas roupas no dia a dia, sem lavar nada mesmo.

Saborear alimentos

Alimentos enviados à ISS (Foto: NASA)

No espaço, o paladar é afetado após um certo período de estadia. É que os fluidos do corpo se movem de maneira diferente por conta da microgravidade, então fluidos acabam indo para a cabeça, podendo preencher as passagens nasais. Ao menos essa é uma possibilidade, enquanto outra é que os odores fortes na cabine da ISS fazem com que o sentido do olfato seja afetado, o que, por sua vez, impacta o paladar.

Nada de pão, refrigerante e sal

Os astronautas da ISS não podem comer aquele clássico pão com manteiga no café da manhã. O pão pode soltar migalhas que, flutuando pela estação, podem danificar equipamentos ou acidentalmente serem inaladas pelos astronautas. Desde os anos 1980, a NASA substitui os pães por tortilhas.

Quanto a refrigerantes, Vickie Kloeris, da NASA, explica que "as bebidas carbonatadas não são enviadas [à ISS] porque a carbonatação e o refrigerante não se separam na microgravidade", com a bebida não sendo, portanto, flutuante em um ambiente sem peso.

Já condimentos em pó, como sal e pimenta, são banidos pelos mesmos motivos das migalhas de pão, que podem danificar equipamentos ou entrarem pela boca, orelhas e nariz dos astronautas. Versões líquidas desses temperos são fornecidas pela NASA — afinal, "comida de astronauta" também tem que ser gostosa.

Escrever com canetas comuns

A caneta espacial da Fisher Pen Company

A tinta das canetas precisa da ação da gravidade para descer até a ponta (e se você já tentou escrever com uma caneta comum de cabeça para baixo, sabe disso). Então, para escrever com uma caneta no espaço, os astronautas precisam de uma caneta especial, cujo cartucho é pressurizado com nitrogênio. Essa pressão empurra a tinta em direção à ponta, e essa caneta pode ser usada de cabeça pra baixo, no espaço, em temperaturas extremas e até debaixo d'água. Outra opção para os astronautas, muito mais simples, é dispensar a caneta e adotar a boa e velha lapiseira, mesmo.

Dormir direito

Aqui na Terra, podemos (se quisermos ou precisarmos) coordenar os horários do sono com o nascer e o pôr do Sol. No espaço, isso não é possível. Como a ISS está orbitando a Terra a uma velocidade média de 27.700 km/h, completando 15,77 órbitas por dia, os astronautas podem experimentar cerca de 15 pores-do-sol em apenas 24 horas.

Assim, seus horários de sono simplesmente não podem depender dos padrões de luz. Então, parte do treinamento dos astronautas, antes de irem à ISS, inclui justamente a capacidade de adormecer e acordar independentemente de ser dia ou noite.

Beber álcool

Se pudessem, os astronautas beberiam uma cervejinha em recipientes como esses (Foto: NASA)

Hoje, bebidas alcoólicas são proibidas na ISS. Em 1972, propô-se levar xerez para os astronautas, mas a indignação pública falou mais alto, e os astronautas perderam a chance de saber como é enfrentar uma ressaca no espaço. Anos antes, em 1969, dizem que Buzz Aldrin (da Apollo 11, o segundo homem a pisar na Lua) chegou a comemorar o pouso lunar com uma dose de vinho — mas isso não fez parte da transmissão e, portanto, há quem acredite se tratar apenas de uma lenda.

Contudo, de acordo com a BBC, cosmonautas russos podem consumir conhaque de maneira moderada para melhorar sua saúde imunológica enquanto estão na ISS.

Fazer sexo

Cena de sexo em ausência de gravidade na série The Expanse

Se você ficou impactado com uma das primeiras cenas da série The Expanse, que mostra um casal fazendo sexo em microgravidade, pode tirar o cavalinho da chuva, pois atos sexuais são proibidos na ISS. E, mesmo se uma dupla de astronautas se arriscasse a fazer sexo por lá, quebrando todas as regras, seria bastante difícil passarem despercebidos, já que momentos de privacidade são raros no laboratório orbital, e os astronautas lidam com intensas cargas de trabalho diariamente — o que significa pouco tempo para diversão.

Fazer o "número 2"

Defecar no espaço pode ser um momento peculiar e desastroso, além de constrangedor. Não há vasos sanitários na ISS, obviamente, e a cabine destinada a essa finalidade não tem portas (apenas uma cortina). Então, sim, é possível ouvir seu colega fazendo o "número 2". E, para não flutuarem enquanto estão ali naquele momento de concentração, os astronautas ainda precisam se amarrar à estrutura.

Além de não ser lá muito fácil acertar o "alvo", que é pequeno e menor do que um assento sanitário comum, a microgravidade pode causar complicações um tanto quanto desagradáveis, já que eventuais escapes do recipiente de coleta podem acontecer, com as fezes flutuando pela ISS. Eca!

*Esta matéria foi originalmente publicada em 05/02/2019, sendo atualizada e republicada em 26/04/2020

Fonte: Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.