China revela parte de seu programa de exploração lunar tripulada

China revela parte de seu programa de exploração lunar tripulada

Por Wyllian Torres | Editado por Rafael Rigues | 18 de Maio de 2022 às 18h10
Reprodução/CAST

Nos últimos anos, a China avançou bastante no que diz respeito à pesquisa e exploração espaciais, e continua a ampliar suas ambições. A Administração Espacial Nacional da China (CNSA) criou o Gabinete do Programa Lunar Tripulado, dedicado a enviar missões robóticas e tripuladas à Lua, além de estabelecer uma base humana por lá.

A notícia foi anunciada por Huang Zhen, designer-chefe da CNSA, durante uma recente entrevista à mídia estatal CCTV. Segundo Zhen, ele e sua equipe da subsidiária Academia de Tecnologia Espacial da China (CAST) já estão trabalhando nas principais tecnologias que tornarão este plano uma realidade.

Em seu Twitter, a China Spaceflight (CNSpacefltigh), portal dedicado a cobrir as operações da CNSA, compartilhou uma série de imagens que fornecem uma ideia do que o programa lunar está tramando. Entre elas estava um slide dizendo, em chinês, “Escritório do Projeto de Exploração Profunda Lunar Tripulada”.

Outra imagem revela o que parece ser o projeto de futuros veículos e habitats lunares. Nela, tem o que se assemelha a uma pequena estação espacial com dois módulos infláveis nas laterais e uma cúpula na frente. Logo ao lado, uma espaçonave tripulável cujo conceito lembra a espaçonave russa Orel.

Ainda nesta imagem, está o que parece ser um rover lunar com um painel solar em formato redondo. No canto direto, uma espécie de módulo de pouso, também com painéis solares circulares, com dois taikonautas (astronautas chineses) logo à frente.

Ao fundo, está o provável habitat lunar com diversas instalações, incluindo uma torre de observação (localizada entre o rover e módulo de pouso). Zhen informou que sua equipe tem testado a espessura da parede do módulo lunar. Já o rover terá um motor com empuxo de 8 toneladas.

Estes planos fazem parte do Programa Espacial Tripulado da China (CMS), que desde 1992 alavanca as metas espaciais do país. A longo prazo, o programa inclui três etapas: lançamento e retorno de uma nave tripulada, um laboratório espacial para atividades extraveiculares (EVAs) e a finalização da estação Tiangong — prevista para o fim deste ano.

Avançando no espaço

No ano passado, a China revelou a sua parceria com a agência espacial russa (Roscomos) para a construção da Estação Internacional de Pesquisa Lunar (ILRS). Além disso, ela anunciou que enviaria dois astronautas para uma missão a Marte a partir de 2033 — culminando com a criação de uma base humana no Planeta Vermelho.

No começo de 2021, a missão chinesa Chang'e 5 coletou amostras da Lua e as trouxe à Terra (Imagem: Reprodução/CNSA)

China também tem planos para Marte

E os planos da China não se limitam apenas à Lua e a Marte. Na semana passada, o país anunciou a missão Tianwen-2, destinada a estudar um asteroide, cujo lançamento está previsto para 2025. Em seguida, será lançada a missão Tianwen-3, em 2028.

Segundo Zhang Rongqiao, primeiro designer-chefe da missão de exploração de Marte na China, a sonda da Tianwen-2 já está sendo nas primeiras etapas de desenvolvimento. Ela será enviada ao asteroide 2016 HO3 para coletar e trazer amostras dele à Terra.

Por enquanto, não há informações de quando veremos as primeiras etapas do programa lunar chinês se tornarem uma realidade. Ao contrário de outras agências espaciais, a CNSA não divulga em detalhes seus planos, se limitando a uma visão geral ou informações após o sucesso de uma missão. Nos resta aguardar.

Fonte: Via Universe Today

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.