Astrônomos encontram duas superterras "nuas" orbitando anãs vermelhas

Astrônomos encontram duas superterras "nuas" orbitando anãs vermelhas

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 29 de Setembro de 2021 às 11h44
NASA

Através de observações do telescópio Subaru, uma equipe de astrônomos de instituições diversas confirmou a existência de duas intrigantes superterras — nome dado a exoplanetas rochosos e mais massivos que a Terra. Os planetas analisados no estudo orbitam estrelas anãs vermelhas de pertinho e, curiosamente, não são envolvidos por atmosferas primordiais. Assim, eles representam uma ótima oportunidade para estudos da evolução da atmosfera de planetas quentes e rochosos.

Os objetos foram identificados anteriormente pelo telescópio Transiting Exoplanet Survey (TESS), da NASA, mas ainda eram considerados candidatos a planetas. Agora, com o novo estudo, os mundos rochosos TOI-1634b e TOI-1685b foram confirmados. Eles ficam na constelação de Perseus, o Perseu, a 114 anos-luz e 122 anos-luz da Terra, respectivamente, e são considerados superterras de período ultracurto, por levarem menos de 24 horas para orbitarem suas estrelas.

Representação dos tamanhos dos planetas observados no estudo; o TOI-1634b tem raio 1,5 vezes maior que o da Terra, enquanto o TOI-1685 é 1,8 vezes maior (Imagem: Reprodução/Astrobiology Center)

Segundo os resultados, o TOI-1634b tem raio equivalente a 1,8 vezes o da Terra e 10 vezes a massa do nosso planeta, sendo então um dos maiores e mais massivos exoplanetas rochosos de período ultracurto já encontrados. As observações realizadas pelo espectrógrafo InfraRed Doppler (IRD), instalado no telescópio Subaru, mostram que esses planetas estão “nus”, ou seja, não têm atmosferas primordiais formadas por uma camada espessa de hidrogênio e hélio, o que pode ser o resultado de interações bem próximas com suas estrelas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Por outro lado, isso abre o caminho para a produção de uma atmosfera secundária, formada por gases do interior do planeta. Futuramente, telescópios como o James Webb, que tem lançamento estimado para dezembro, devem ajudar a detectar e caracterizar as atmosferas desses mundos, ótimos candidatos para novos estudos do desenvolvimento da atmosfera em planetas rochosos de período ultracurto. “Nosso projeto de acompanhamento intensivo dos candidatos identificados pelo TESS e Subaru ainda está em andamento, e muitos planetas incomuns serão confirmados nos próximos anos”, afirmou o Dr. Teruyuki Hirano, autor principal do estudo.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Astronomical Journal.

Fonte: Subaru Telescope

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.