Telescópio TESS já encontrou mais de 2 mil possíveis exoplanetas desde 2018

Telescópio TESS já encontrou mais de 2 mil possíveis exoplanetas desde 2018

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 26 de Março de 2021 às 12h00
NASA

O telescópio espacial TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite), da NASA, vem trabalhando em busca de exoplanetas distantes. Segundo informações da agência espacial, os dois primeiros anos de trabalho do TESS resultaram na descoberta de evidências de mais de 2.200 candidatos a exoplanetas orbitando estrelas brilhantes e próximas, sendo que centenas deles são planetas “menores” e, possivelmente, muitos são rochosos e com algumas características parecidas com a Terra.

Lançado em 2018, o TESS opera em uma grande órbita entre a Terra e a Lua, e a cada mês ele se volta para uma grande porção de estrelas para observá-las atentamente, em busca de alguma redução no brilho delas, que pode indicar o trânsito planetário ocorrendo entre a estrela e o TESS. O telescópio encerrou sua missão primária no ano passado, mas hoje segue operando na missão estendida para preencher algumas lacunas que sobraram nas áreas do céu.

Confira a posição dos primeiros planetas descobertos:

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Assim, no novo catálogo, os astrônomos se debruçaram sobre as observações feitas de mais de 16 mil objetos, para diferenciar os candidatos a planeta dos outros tipos de fenômenos. No fim, eles ficaram com 2.241 possíveis planetas, e descrevem detalhadamente no artigo as descobertas feitas desde 2018: “o mais interessante é olhar o mapa dos exoplanetas do TESS como uma espécie de lista de tarefas, que tem 2 mil itens nela”, comentou Natalia Guerrero, autora que liderou o estudo.

Eles realizam alguns testes com os candidatos e, no fim, acabaram encontrando mais de 500 fenômenos “disfarçados” de planetas — e é possível que o número de falsos-positivos aumente conforme eles analisam o que já foi descoberto até então. De qualquer forma, cada “objeto de interesse” terá que ter que sua natureza planetária por meio de medidas de massa e tamanho do objeto, para que os astrônomos tenham certeza de que a oscilação de luz que o TESS flagrou realmente foi causada por um exoplaneta.

Até o momento, o TESS já nos proporcionou descobertas bastante interessantes: o TOI-700 d, por exemplo, é um planeta que fica na zona habitável da sua estrela, de modo que a água pode existir em estado líquido por lá. Este planeta fica a 100 anos-luz de distância de nós, e orbita uma estrela anã vermelha menor que o Sol. Já o TOI 1338 b foi o primeiro planeta que orbita duas estrelas identificado pela missão. Neste sistema, que fica a cerca de 1.300 anos-luz de nós, o planeta realiza uma órbita quase circular em torno das duas estrelas que, por sua vez, orbitam uma à outra.

Segundo informações dos cientistas, apenas 120 candidatos do catálogo foram confirmados, porque o processo exige instrumentos que estão sempre em atividade. De qualquer forma, é certo que o novo catálogo irá servir como um guia para diversas investigações para a comunidade astronômica, que poderá ajudar a responder perguntas impostantes sobre a nossa galáxia: "agora, a missão da comunidade é ligar os pontos", disse Guerrero". "É muito interessante porque este campo é bem jovem, então ainda há bastante espaço para descobertas".

O catálogo foi detalhado em um artigo publicado no repositório online arXiv.

Fonte: NASA, Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.