Exoplaneta "apressado" leva apenas 0,67 dias terrestres para orbitar sua estrela

Exoplaneta "apressado" leva apenas 0,67 dias terrestres para orbitar sua estrela

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 12 de Março de 2021 às 07h30
ESA/ATG

Com o telescópio Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS), da NASA, uma equipe internacional de cientistas liderados por Paz Bluhm, da Universidade de Heidelberg, identificou o exoplaneta TOI-1685 b. Ele orbita uma estrela anã vermelha a cerca de 120 anos-luz de distância da Terra, e precisa de apenas 0,6 dias terrestres para isso. Além disso, o sistema pode conter um outro planeta.

O TESS está realizando um estudo de 200 mil das estrelas mais brilhantes próximas do Sol em busca do trânsito de exoplanetas, ou seja, pequenas variações na luz das estrelas, que ocorrem quando estes mundos passam por elas. Até agora, 2.500 candidatos a planeta foram encontrados, com 113 confirmados — por isso que, de forma bem pertinente, o TESS é apelidado também como “caçador de exoplanetas”, apelido anteriormente dado ao seu antecessor, o telescópio espacial Kepler, aposentado em 2018.

Lançado em 2018, o TESS tem a missão de identificar exoplanetas que, de tempos em tempos, bloqueiam a luz de suas estrelas (Imagem: Reprodução/NASA)

Assim, o telescópio identificou haver algo ao redor da estrela TOI-1685. Trata-se de uma anã vermelha com metade do tamanho e massa do nosso Sol e cuja idade é estimada em até 2 bilhões de anos. Embora essas estrelas sejam menores e mais frias que o Sol, o possível planeta TOI-1685 b está bem pertinho dela, de modo que a equipe estima que as temperaturas por lá cheguem a quase 800 °C.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Depois, Bluhm e seus colegas analisaram dados coletados do espectrógrafo CARMENES, que fica instalado no telescópio do observatório de Calar Alto, na Espanha. Este instrumento caça planetas usando o método Doppler, ou seja, ele procura pequenas alterações no movimento das estrelas causadas pela atração gravitacional do planeta que está na órbita delas.

Ao combinar os dados, a equipe determinou que o TOI-1685 b é uma superterra, que é a classificação dos planetas que possuem de duas a dez vezes a massa do nosso planeta. Neste caso, o exoplaneta é cerca de 1,7 vezes maior e 3,8 vezes mais massivo que a Terra, e sua densidade o torna o “planeta menos denso de período ultra curto já encontrado em torno de uma anã M até hoje”, dizem Bluhm e seus colegas.

Devido ao trânsito e à temperatura, o TOI-1685 b é um bom candidato para estudos de acompanhamento feitos com outros instrumentos, além de também ser parecido com o Gliese 486 b, um exoplaneta encontrado recentemente. Por fim, os astrônomos encontraram evidências de outro planeta que pode estar na órbita da estrela: este candidato, chamado de TOI-1685[c], pode ter período orbital de 9,02 dias. Contudo, ainda serão necessários mais estudos para confirmar se o planeta realmente faz parte do sistema.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado no repositório online arXiv, e ainda não passou pela revisão de pares.

Fonte: Space.com, Phys.org

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.