Governo determina remoção de filme de Danilo Gentili dos streamings

Governo determina remoção de filme de Danilo Gentili dos streamings

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 15 de Março de 2022 às 11h54
Divulgação/Downtown Filmes

O Ministério da Justiça determinou a remoção do filme Como se Tornar o Pior Aluno da Escola de todas as plataformas de streaming disponíveis no Brasil após as denúncias de que o filme inspirado no livro do comediante Danilo Gentili trazia piadas relacionadas a pedofilia. A decisão foi publicada nesta terça-feira (15) no Diário Oficial da União e impõe multa de R$ 50 mil caso não seja cumprida pelas empresas.

Lançado em 2017, o longa voltou à pauta no último fim de semana após usuários se sentirem incomodados com uma cena que fazia piada com violência sexual de menores. Diante da repercussão, o próprio ministro Anderson Torres se pronunciou em suas redes sociais, informando que iria tomar todas as providências cabíveis.

Segundo o Ministério da Justiça, filme deve ser retirado de todos os streamings em até cinco dias (Imagem: Divulgação/Downtown Filmes)

No documento assinado pela diretora do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, Lilian Brandão, fica definido que o filme não poderá ser disponibilizado, exibido ou ofertado por nenhum serviço de streaming e que a distribuição deve ser interrompida em um prazo de cinco dias. A alegação da diretora é que a medida serve de “proteção à criança e ao adolescente consumerista”.

Além disso, o despacho ainda cita nominalmente as plataformas Netflix, Globoplay, Telecine, YouTube, Apple e Amazon como serviços que devem fazer a remoção do conteúdo. Isso significa que além dos streamings, a produção deverá ser retirada também de serviços de vídeo sob demanda, não podendo mais ser alugado ou vendido.

No entanto, Globoplay e Telecine anunciaram que não vão retirar o filme de seus catálogos por considerarem a determinação do Ministério da Justiça como censura e que, portanto, é inconstitucional por ofender o princípio da liberdade de expressão. "As plataformas respeitam todos os pontos de vista mas destacam que o consumo de conteúdo em um serviço de streaming é, sobretudo, uma decisão do assinante – e cabe a cada família decidir o que deve ou não assistir", escrevem as plataformas em nota.

"O filme em questão foi classificado, em 2017, como apropriado para adultos e adolescentes a partir de 14 anos pelo mesmo ministério da Justiça que hoje manda suspender a veiculação da obra", conclui o texto.

Repercussão

Diante das críticas, o comediante Danilo Gentili — que também protagoniza e assina o roteiro de Como se Tornar o Pior Aluno da Escola — ironizou a revolta e se disse contente com a repercussão. Em seu perfil no Twitter, ele disse que o episódio já é o maior orgulho da sua carreira, visto que conseguiu desagradar “tanto petistas quanto bolsonaristas”. “Os chiliques, o falso moralismo e o patrulhamento: veio forte contra mim dos dois lados”, escreveu. “Sigo rindo”.

Em entrevista ao programa Morning Show, da Jovem Pan, o humorista classificou a decisão como censura e disse estar sendo cancelado por um trecho editado e fora do contexto do filme. Ele ainda destacou que a produção do longa passou por todos os trâmites legais para ser lançado no país, incluindo uma exibição para o órgão responsável pela classificação indicativa, ligado ao Ministério da Justiça, que indicou o longa para maiores de 14 anos.

Nesta quarta-feira (16), ele usou o Instagram para ironizar a situação e anunciar a produção da sequência Como Ser o Pior Aluno da Faculdade.

Já Fábio Porchat não comentou o episódio. O Canaltech procurou o humorista e aguarda um posicionamento oficial.

Fonte: CNNMorning Show

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.