Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Ator de John Wick se revolta com spin-offs e detona série do Prime Video

Por| 07 de Março de 2024 às 12h00

Link copiado!

Lionsgate
Lionsgate

A ideia de expandir o universo de John Wick em diversos spin-offs parece não ter sido bem recebida por todo mundo — inclusive por membros do elenco da franquia nos cinemas. O ator Ian McShane, que vive o personagem Winston Scott nos longas, revelou que não tem o menor interesse em acompanhar essas histórias paralelas e ainda chamou essas produções de oportunistas, pegando carona no sucesso dos filmes para entregar algo menor.

McShane não fez questão de esconder seu desprezo por O Continental: Do Mundo de John Wick durante uma entrevista ao site MovieWeb. Perguntado se tinha assistido à série do Prime Video, ele foi direto e disse que não viu, não vai ver e que duvida que o próprio Keanu Reeves, astro da franquia, se importou em acompanhar o prequel.

Continua após a publicidade

“Não tenho intenção de assistir. E não acho que nem Keanu Reeves ou Chad Stahelski tenham visto. Não tem nada a ver com os filmes”, disparou o ator. “Trata-se apenas de ganhar dinheiro para que alguns produtores possam lucrar com o sucesso da saga cinematográfica”.

O mais curioso disso tudo é que O Continental é uma série que explora o passado justamente de seu personagem, Winston, antes de ele se tornar o gerente do hotel que é parte central da mitologia de John Wick. E, ao que parece, é justamente por causa nisso que reside a mágoa de McShane.

“Nunca nos perguntaram nada, então por que eu deveria estar interessado?", disse o veterano ao site. A fala deixa bem claro que seu maior descontentamento está no fato de que nem ele e possivelmente nenhum outro nome do elenco de John Wick participou criativamente dessa expansão de universo. 

Continua após a publicidade

Qual a história de O Continental

Como o próprio nome deixa claro, O Continental: Do Mundo de John Wick é uma história que se passa décadas antes de criminosos matarem o cachorrinho de Keanu Reeves, mostrando a guerra por poder em torno do emblemático hotel Continental. O seriado traz um Winston mais novo — e sem o poder que conhecemos — tendo que lidar para resolver as burradas causadas por seu irmão enquanto trabalhava para o então gerente do Continental, vivido por Mel Gibson.

Como parte da série desde o seu início, em John Wick: De Volta ao Jogo (2014), faz sentido que McShane se sinta parte central da essência desses personagens. É uma década em que ele desenvolveu seu Winston ao longo de quatro filmes e, de certo modo, é compreensível o descontentamento ao ter sido completamente ignorado ao ver o gerente ter sua história ampliada sem que ele sequer tenha sido ouvido ou consultado. 

Continua após a publicidade

Só que, ao mesmo tempo, as falas de McShane ganham ainda mais peso quando a gente vê o resultado final de O Continental. A primeira temporada da série recebeu críticas bem variadas e, embora tenha uma média considerada positiva no site Rotten Tomatoes — 63% de avaliações positivas entre a imprensa especializada de 78% entre o público —, há um consenso de que a história do prequel não é tão interessante quanto a dos filmes.

Mais spin-offs a caminho

E se McShane ficou revoltado com o lançamento de O Continental por acreditar que se trata de uma obra feita para que os produtores lucrem em cima da franquia, é melhor o ator se preparar para passar mais raiva. A Lionsgate prepara novos títulos ambientados no universo de John Wick e que, assim como a série, não estão diretamente ligados aos longas.

Continua após a publicidade

O principal deles é Ballerina, filme estrelado por Ana de Armas e que vai mostrar um outro lado da associação de assassinos. Ambientado entre o terceiro e quarto capítulo da saga, o longa promete mostrar mais sobre a formação dessas mulheres matadoras que foram rapidamente apresentadas na trama principal. Prometido inicialmente para 2024, ele foi adiado para 2025.

Além disso, há um anime e uma nova série de TV também já em produção e, nesses casos, com o envolvimento direto do diretor Chad Stahelski. No entanto, não há maiores detalhes sobre o teor desses títulos.