Startup quer preparar profissionais brasileiros de TI para trabalhar no exterior

Startup quer preparar profissionais brasileiros de TI para trabalhar no exterior

Por Rui Maciel | 01 de Julho de 2021 às 09h20

A falta de profissionais de Tecnologia não atinge apenas o Brasil, mas o mundo inteiro. Segundo a consultoria de mercado IDC, o mercado mundial tem um déficit de 570 mil especialistas desse setor apenas em 2021. E de olho nessa demanda, o grupo educacional SEDA, de origem irlandesa, quer explorar esse promissor nicho, "exportando" brasileiros que querem trabalhar com TI para atuar em companhias diversas no exterior.

Para isso, a empresa está lançando no país, no próximo dia 07 de julho, o StarHire 365, uma plataforma que quer capacitar profissionais de Tecnologia brasileiros em diversas especialidades e aproximá-los de empresas no exterior e no Brasil.

Mas como a solução funciona? É o que vamos descobrir nas próximas linhas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Capacitação

Em conversa com o Canaltech, Vanderlei Abrantes, cofundador da StarHire 365, explicou que a plataforma atuará em três frentes: aprimoramento de hard skills – que inclui cursos de desenvolvimento para ecossistema Apple, Android e Design UX/UI; aprimoramento de soft skills – com desenvolvimento de habilidades como inteligência emocional, resiliência e gestão do tempo; e curso de inglês do básico ao avançado, visando a preparação desses profissionais para o mercado exterior, onde o inglês, claro, é mais que obrigatório.

"Para construir a StarHire, antes, nós conversamos com o mercado para entender como construir o negócio. Com isso, vimos que apenas investir na capacitação técnica (hard skills), ainda que seja essencial, não seria o suficiente", explicou Abrantes. "Os brasileiros ainda pecam muito na parte de soft skills e, como já sabemos, no inglês, essencial para ele se conecte com essas empresas no exterior. Com isso, ficou muito claro que o StarHire 365 precisava preencher essas três lacunas para que o nível de empregabilidade do brasileiro atingisse níveis satisfatórios e ele conte com mais chances de conseguir um emprego". 

Abrantes explica ainda brasileiro é considerado um profissional generalista e menos especialista na área de TI. Mas que isso é bem visto, por exemplo, pelas empresas na Irlanda, considerada um dos principais polos de Tecnologia da Europa e sede das principais Big Techs do mundo, como Google, Apple e Facebook, entre outras (muito por causa do generoso regime fiscal do país, que permite a essas companhias pagar menos impostos).

O generalista é visto na Irlanda como um profissional que se vira muito bem. Inclusive, a língua portuguesa também é bem vista, já que as big techs atendem mercados nesse idioma na África e na Ásia, por exemplo. Isso chama muito a atenção. Tanto que 10% do mercado de TI na Irlanda é formada por brasileiros.

Público-alvo e bolsas de estudo

Nesta primeira fase do StarHire 365, Abrantes explica que a plataforma quer atrair profissionais de nível Júnior, que estão começando na área de Tecnologia. Para isso, o Grupo SEDA subsidiará boa parte do curso, oferecendo 500 bolsas de estudo, com o profissional pagando apenas uma taxa de R$ 97 para ter acesso a todo o curso, sendo que na parte de hard skills, ele poderá escolher uma das três especializações.

"O nosso propósito é massificar o ensino de Tecnologia. Depois de três meses, faremos uma análise de todos os profissionais que estiverem na plataforma. Após eles terem finalizado o curso de hard skill, pelo menos dois módulos de soft skills e feito um módulo de inglês, ele estará elegível a uma bolsa de estudos para a Irlanda", disse o executivo. "Levaremos cinco profissionais que mais se destacaram e cumpriram todos os requisitos, para passar um mês na nossa escola em Dublin, estudando inglês e, como parte do programa, vamos levá-los para conhecer empresas de Tecnologias, como o TikTok, LinkedIn, entre outras".

Site da StarHire 365: 500 bolsas de estudo nessa fase inicial

Acompanhamento na contratação

O cofundador da StarHire 365 explica que nesse primeiro momento, o foco da plataforma será na massificação do curso entre os profissionais de TI. No entanto, ele afirma que um dos próximos passos da plataforma é participar do processo de contratação de seus alunos junto às empresas.

"Na verdade, esse é o nosso principal ponto. Nesse início, estamos oferecendo a parte de capacitação, mas o nosso objetivo é empregar os alunos", disse Abrantes. "Quando o profissional passa a fazer parte da plataforma, ele criará um currículo mais técnico e um portfólio. E com a evolução dessas pessoas, a partir do estudo de língua, da capacitação técnica e dos soft skills, vamos mostrando isso para as empresas com as quais criamos as pontes, principalmente na Irlanda, mas também em outros países como Portugal e Canadá. Quando tivermos esse pool de candidatos, faremos essa intermediação entre profissionais e as empresas. E elas podem optar por uma contratação remota e, posteriormente, presencial. 

O cliente não é o aluno, mas sim as empresas que contratam os profissionais capacitados pela StarHire 365. Na prática, a plataforma funciona como uma agência de empregos, que recebe exclusivamente pela empresa contratante apenas quando um candidato é contratado".

Quem poderá realizar o curso?

Cada curso oferecido pela StarHire 365 terá uma duração média de 40 horas - em um total de 150 horas. Todos eles serão ministrados de forma online, com aulas gravadas. Mas Abrantes explica que o aluno terá o contato com os professores de cada modalidade para tirar dúvidas e ter um acompanhamento na criação de projetos.

Para ter acesso às bolsas de estudo iniciais, há um processo seletivo no qual os interessados, após pagar a taxa citada anteriormente, fazem uma prova de conhecimentos gerais. Sendo aprovado, o aluno terá acesso a todos os conteúdos e ao mural de vagas, que o colocará na vitrine de empresas do exterior (e também do Brasil) que estiverem contratando.

"Nesse primeiro momento, não exigiremos um conhecimento técnico muito específico de uma determinada área, mas queremos ver o quanto o interessado conhece do mercado de Tecnologia e, com isso, verificar se ele estará apto a ter essa bolsa", diz o executivo.

E a startup já planeja a ampliação da sua oferta. Em breve, a plataforma deve agregar mais opções de programas de hard skill, além de curso de inglês específico para profissionais de tecnologia. Já no próximo ano, a empresa pretende lançar também um curso em espanhol, para conectar também os estudantes latino-americanos ao exterior.

E quando começam os cursos na plataforma?

As aulas na StarHire 365 começam no próximo dia 02 de agosto, com a abertura para as inscrições começando no dia 07 de julho e sendo encerradas no dia 21 do mesmo mês. O cadastro deve ser feito no site oficial do programa, clicando aqui.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.