Como funciona um sistema de frenagem autônomo?

Por Felipe Ribeiro | 28 de Junho de 2020 às 10h30
Matheus Argentoni/Canaltech

Os carros estão cada vez mais seguros e isso não é nenhuma novidade. Mesmo modelos mais modestos hoje já possuem tecnologias antes imaginadas apenas para veículos premium, como controle de estabilidade, controle de tração, airbags de cortina e por aí vai. No entanto, de uns anos pará cá, atingimos outro patamar, com a indústria desenvolvendo sistemas que auxiliam o motorista nas mais diversas situações. Entre esses sistemas estão os que, talvez, chamem mais a atenção dos consumidores: a frenagem autônoma.

Evidente que os sistemas são vários e variam muito de veículo para veículo. Aqui no Canaltech, por exemplo, já tivemos a oportunidade de experimentar alguns desses recursos em carros caros, mais acessíveis, picapes, sedãs e SUVs. Basicamente, os automóveis são equipados com câmeras e sensores que detectam a distância para o carro ou obstáculo à frente. Sua instalação, geralmente, ocorre no para-choque dianteiro e no pára-brisa.

Com o intuito de minimizar acidentes e salvar vidas, o recurso conhecido também como AEB (Auto Emergency Breaking) ou Frenagem Automática de Emergência, funciona como um alerta de colisão nos freios para diminuir o tempo de reação do condutor. Se o motorista não reagir ou se acelerar, o sistema entra em ação. A quantidade de sensores e radares no veículo varia de modelo para modelo.

Trabalhando em conjunto com softwares e, em alguns casos, até com inteligência artificial, os sistemas de frenagem autônomo atuam de modo a evitar tragédias em momentos que o motorista está, por via de regra, fora do controle total do automóvel. Mas não se engane: por mais avançados que esses recursos possam ser, nada substitui um motorista atento e com os olhos na estrada.

Nos Estados Unidos, a frenagem automática se tornará obrigatória para todos os veículos a partir de 1º de setembro de 2022. No Brasil, ainda estamos atrasados quanto a isso, mas ao menos existem modelos em que podemos ter amostras de como o recurso funciona.

Veja abaixo alguns dos veículos que o Canaltech já testou e que possuem esse recurso:

HB20 Diamond Plus

Principal automóvel da Hyundai, o HB20 ganhou uma nova geração no fim de 2019. Entre as novidades, está o sistema de frenagem autônomo que a montadora sul-coreana preparou para o carro. Ele atua da seguinte maneira: em caso de distração completa do motorista, o sistema entra em ação com um alerta sonoro bem chamativo e com leves toques no freio. Isso serve, claro, para alertar o condutor.

Para o caso do motorista não reagir, aí sim o HB20 frenará sozinho, mas desde que esteja a uma velocidade inferior a 50km/h. Ou seja: ele foi pensado para situações em que o motorista, de fato, se distrai e causa pequenos acidentes. Algo positivo nesse sistema, aliás, é que ele também é capaz de identificar pessoas e animais maiores.

Toyota Corolla Hybrid e RAV4

O sistema adotado pela Toyota em dois de seus principais veículos foi o Assistente de Pré-Colisão (Pre-Crash System – PCS). Quando testamos o PCS (de modo seguro, é claro), a ferramenta também se mostrou eficiente.

A diferença é que o recurso foi projetado para casos em que de fato o motorista está mesmo sem o controle do veículo ou completamente distraído e não é ativado ao menor sinal de controle por parte do condutor.

O sistema detecta veículos à frente na estrada através da câmera e radar de onda milimétrica ajudando o carro a evitar ou reduzir os danos causados por colisões. O grau de perigo é avaliado a partir da posição, velocidade e percurso previsto do próprio veículo, bem como da velocidade e posição de outros automóveis ou caminhões.

Se o sistema determinar a possibilidade de colisão, o carro alertará o motorista com avisos visuais e sonoros. Se o motorista aplicar pressão insuficiente no freio, o sistema ajudará com uma força de frenagem adicional. Se o motorista não frear completamente, o sistema aplicará os freios automaticamente.

Ford Ranger Limited

Na Ranger, o recurso ativa todos os freios da picape eletronicamente caso o sistema identifique qualquer automóvel ou pedestre no caminho, parando o veículo caso esteja com velocidade de até 60km/h. Se o motorista estiver mais rápido, o sistema também atuará, mas com menos eficácia.

Ele pode ser desativado caso o software detecte que o condutor está sob total comando da direção e da frenagem. Durantes os testes, tivemos a oportunidade de vê-lo em ação e ele funcionou perfeitamente, com frenagens pausadas e sem que houvesse tantos solavancos dentro da cabine, por mais que estivéssemos em uma picape com centro de gravidade alto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.