Análise | Nissan Leaf é a experiência genuína do carro elétrico

Por Felipe Ribeiro | 05 de Julho de 2020 às 10h30
Felipe Ribeiro/ Canaltech

Falar que o Brasil não está preparado para os carros elétricos é chover no molhado. Por mais que as empresas que vendem esses produtos até tentem passar a ideia de que dá, sim, para ter um veículo desses, a realidade é bem diferente, ainda mais em lugares mais afastados e fora dos grandes centros urbanos.

Evidente que um produto como o Nissan Leaf beira a perfeição quando pensamos em mobilidade, tecnologia e futuro, mas é impossível ignorar esse fato quando analisamos um produto desses no Brasil. É assim com todo e qualquer segmento, e com o Leaf não será diferente.

Entretanto, passar uns dias com o carro elétrico da Nissan, com tudo muito bem planejado e dentro da estrutura que a cidade de São Paulo oferece, dá a impressão de que, quando tivermos tudo preparado para a popularização dos veículos do tipo, é mais do que certo que eles dominarão as nossas ruas. É um caminho sem volta.

Leia também: Audi e-Tron: passamos um dia com o primeiro SUV 100% elétrico da marca

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Sai da frente que eu quero passar

A primeira coisa que precisamos dizer sobre os carros elétricos é que o torque é imediato. Ou seja, ao pisar no acelerador, a força do motor é passada para as rodas no mesmo instante e isso torna as coisas muito mais divertidas. Portanto, para aqueles mais puristas que dizem que veículos elétricos não são divertidos, pode ir tirando o cavalinho da chuva – principalmente com o Leaf. O elétrico da Nissan é um carro extremamente ágil e gostoso de guiar. O hatch entrega 149cv e 32,6kgf/m de torque que, na prática, seria como guiar um esportivo de entrada com muito mais potência. Traduzindo em números, o 0 a 100 do Leaf é de 7,9 segundos.

Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech

Isso, no trânsito, nos permite ultrapassagens e retomadas muito ágeis e seguras, além de um rodar macio e silencioso, algo que só pode ser visto em carros elétricos. Para ilustrar melhor para o leitor do Canaltech como é guiar um veículo desses, pense naqueles carrinhos de bate-bate; assim que pisamos, ele logo responde aos nossos comandos, só que, claro, com muito mais força.

Outras coisas, porém, ajudam o Nissan Leaf a ter esse desempenho e sensação esportiva de dirigir. Uma delas é a aerodinâmica, já que o carro possui um desenho agressivo e curvado que facilita a passagem de ar e o torna mais “rasgador”, por assim dizer. Além disso, por mais que ele pese 1582kg, sua bateria é alocada no assoalho, o que faz com que seu centro de gravidade seja baixo e, consequentemente, o torne mais preso ao chão. Isso pode ser sentido nas curvas e em manobras mais audaciosas.

Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech

A direção elétrica do Leaf casa bem com o estilo ágil do carro e foi calibrada de modo muito seguro, ficando mais firme sempre que pisamos um pouco mais no acelerador. Já para manobras e estacionamento, sua leveza impressiona e é uma das melhores que pudemos testar aqui no Canaltech.

Ainda com relação ao comportamento do carro, sua suspensão também foi ajustada para que o conforto fosse privilegiado, mesmo com seu comportamento de esportivo não indique sua maciez. Ou seja: nas curvas, o carro não dobra tanto e, nos inúmeros buracos e valetas da cidade, ele não quica de modo violento. Traduzindo: ele é uma delícia.

É necessário se planejar

Agora vamos ao que interessa quando falamos de um carro elétrico: consumo e autonomia. Segundo a Nissan, o Leaf é capaz de rodar 240 quilômetros pelos padrões americanos (mais estrada do que cidade) e 350 quilômetros em circuito Europeu (mais cidade do que estrada), que é bem parecido com o que adotamos aqui no Brasil e é o que nos baseamos para calcular o quanto ele aguenta rodar com carga completa.

Fizemos um trajeto de 15 quilômetros com dois modos de condução diferentes e ar-condicionado ligado: o primeiro, no tradicional, com o carro solto; o segundo, no modo Eco e com o câmbio no B, que faz com que o Leaf use ainda mais a energia motora das rodas e freios para dar mais carga à bateria.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

No primeiro caso, o mostrador de capacidade da bateria indicou que, ao final dos 15 quilômetros, gastamos pouco mais de 12 quilômetros de carga. Já no modo econômico, a surpresa: a economia foi pouca coisa maior, algo em torno de 11,5 quilômetros gastos. A explicação para isso se dá no comportamento do Nissan Leaf nesses dois modos, com o câmbio no D e no B.

Quando deixamos o carro no modo tradicional, o carregamento passivo da bateria se dá a partir do momento em que deixamos de pisar no acelerador e, em um nível maior, quando pisamos no freio. Com o carro solto, ele segura menos a rolagem e faz com que não tenhamos que pisar muitas vezes para fazer ele andar, o que economiza bateria.

Agora, quando deixamos o carro rodar com o câmbio no B, aliado ao modo Eco, por mais que o restante do funcionamento do carro seja de fato mais econômico, como a climatização, por exemplo, ele fica muito mais preso no seu comportamento, fazendo com que tenhamos que pisar no acelerador para fazer com que ele continue andando antes de quase parar por completo, seja em uma via reta, seja em uma descida. Sim, a bateria regenera com mais vigor, mas, ao termos que pisar para acelerar, a economia acaba não sendo tanta assim.

Com isso em mente, chegamos ao seguinte relatório de economia do Leaf: conseguimos rodar, com segurança, algo em torno dos 330 quilômetros sem a necessidade de bater o desespero para recarregar o carro. Nos planejamos para eventuais necessidades e, claro, não fomos para muito longe no quesito estrada.

Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech

A diferença ínfima de consumo, porém, não se justifica não apenas pelos números irrisórios, mas também por um dos pouquíssimos pecados que o Nissan Leaf tem: ao rodar no modo Eco + B, o carro fica muito, mas muito preso, como se estivesse, no jargão popular, correndo de calça jeans. Isso incomoda até mesmo os passageiros.

Ter um Leaf na cidade para pequenos deslocamentos é o ideal. Ao adquirir o veículo, a Nissan fornece uma Wallbox para ser instalada em casa e garante carga máxima em no máximo oito horas e com um acréscimo justo na conta de luz: algo em torno dos 20% em um mês de uso normal. Porém, se você precisar de um carregamento na cidade, é necessário pesquisar estabelecimentos que façam isso, além de algumas concessionárias Nissan, que oferecem o serviço gratuitamente.

Leia também: O Brasil está preparado para os carros elétricos?

Muita tecnologia e conforto

No interior, o Nissan Leaf é digno de um hatch médio das antigas, só que com muita tecnologia embarcada. O cluster principal é digital e fornece todas as informações necessárias, como velocímetro, autonomia e o status das tecnologias de segurança como o sensor de proximidade frontal e o piloto automático adaptativo.

A central multimídia, na versão que testamos, era de 7 polegadas, mas era bem completa e fazia o espelhamento com Android Auto e Apple Car Play. Além disso, todas as informações referentes ao funcionamento do carro poderiam ser checadas ali. Já há uma versão do Leaf com o interior completamente remodelado e será testada pelo Canaltech futuramente. O acabamento do Leaf, apesar de simples, era bem encaixado e transparecia modernidade, sobretudo no console central, que abriga o câmbio em formato joystick.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

O destaque entre os equipamentos do Leaf e que o diferencia de modelos concorrentes é a câmera 360º, que vimos na Nissan Frontier, e no e-Pedal, o acelerador especial do carro. A versão da câmera que foi instalada no Leaf, além de fornecer imagens da parte frontal e traseira, faz a simulação do entorno do veículo e nos dá uma percepção clara da lateral do carro, algo muito útil em balizas.

Leia também: Análise | Nissan Frontier esbanja tecnologia, poder e robustez

Já o e-Pedal é uma solução encontrada pela Nissan para tornar a condução mais prática. Ao acionar esse recurso, você não tem mais necessidade de frenar o carro com o pedal de freio tradicional, bastando pisar ou soltar o acionamento do acelerador para fazer com que o carro ande ou pare. Apesar de prático, isso vai demandar uma boa dose de paciência do proprietário, já que os solavancos poderão ser frequentes nesse modo.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Completam os itens de segurança e conforto o Alerta Inteligente de Mudança de Faixa, Sistema Inteligente de Prevenção de Mudança de Faixa, Assistente Inteligente de Frenagem de Emergência, Controle Inteligente de Velocidade, Sistema de Advertência de Ponto Cego, Alerta Inteligente de Atenção do Motorista, Sistema de Monitoramento de Pressão dos Pneus, Alerta de Tráfego Cruzado Traseiro e ar condicionado digital.

Som com assinatura BOSE

Algo que chama muito a atenção nos veículos que testamos para o Canaltech recentemente é o esmero que algumas empresas têm tido com os sistemas de som. Com o Nissan Leaf não foi diferente. O modelo elétrico da montadora japonesa conta com a tecnologia da BOSE: são seis alto-falantes e um subwoofer para deixar os graves ainda mais vibrantes. Tudo isso fica potencializado com o excelente isolamento acústico, digno de carros premium.

Ainda por cima, é lindo

Quando temos que falar pouco sobre o design do veículo é porque ele acertou em cheio. A Nissan caprichou no estilo do Leaf, com requintes que misturam o auge dos hatches médios com a modernidade exigida para um carro elétrico. Como falamos acima, suas linhas lhe proporcionam uma aerodinâmica privilegiada e um visual mais agressivo, o que ajuda no desempenho.

A grade frontal, por sua vez, possui um detalhe em azul e é fechada, afinal, estamos falando de um carro elétrico. O conjunto óptico, por sua vez, é feito inteiramente em LED.

Ainda não estamos preparados

A experiência com o Nissan Leaf foi a melhor possível, mas dentro de situações controladas e com o propósito de análise para essa matéria. Entretanto, se você quer mesmo comprar um carro elétrico, seja ele qual for, atente-se para a sua estrutura local, principalmente se você mora em cidades interioranas e não quer desprender de muito dinheiro para instalar carregadores na sua casa.

O produto em si dispensa comentários. Bonito, eficiente, divertido, conectado, espaçoso e econômico. Com um Leaf, você nunca mais irá a um posto de gasolina na vida, principalmente se o seu uso for estritamente urbano. Mas, como dissemos, ainda não estamos preparados para que um carro desse se torne popular, principalmente por seu preço e infraestrutura tímida, para dizer o mínimo.

Quando esse dia chegar, preparem-se, pois os elétricos irão dominar as ruas.

O Nissan Leaf pode ser encontrado nas principais cidades brasileiras pelo preço de R$ 195 mil. Ao comprá-lo, a Nissan disponibilizará uma Wallbox, que será instalada em sua residência mediante análise local de amperagem e espaço físico.

O Nissan Leaf analisado pelo Canaltech foi gentilmente cedido pela Nissan do Brasil.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.