Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Qual foi o primeiro SUV do Brasil?

Por| Editado por Jones Oliveira | 30 de Julho de 2023 às 11h30

Link copiado!

Freepik/CC
Freepik/CC

O segmento dos SUVs é, hoje, o “queridinho” de boa parte dos consumidores do Brasil. O espaço interno, a posição de dirigir e a sensação de segurança que passam aos ocupantes fizeram os carros dessa categoria alcançarem um novo status no país.

O modelo responsável por fazer crescer as vendas do segmento em larga escala foi o Ford Ecosport, SUV que teve sua primeira geração lançada no Brasil há duas décadas, mais precisamente em 2003.

Engana-se, porém, quem pensa que a paixão do brasileiro pelos Sport Utility Vehicles nasceu junto com o compacto da montadora estadunidense no mercado verde-amarelo. O primeiro SUV do Brasil surgiu muito antes disso, no final da década de 1950.

Continua após a publicidade

SUVs que conquistaram o brasileiro

Antes de viajarmos no tempo para contar efetivamente a história de qual foi o primeiro SUV do Brasil, porém, vamos relembrar outros modelos que chegaram por aqui antes mesmo do Ford Ecosport ser lançado e escancarar as portas do mercado (e do coração) dos consumidores do país.

Nissan Pathfinder

Continua após a publicidade

Em meados da década de 1990, época em que os carros importados estavam em alta no país, o Brasil conheceu e se apaixonou pelo Nissan Pathfinder. O SUV tinha sob o capô um motor a gasolina 3.0 V6, que gerava potência aproximada de 148cv.

O porte imponente e o espaço interno, porém, eram os principais destaques do modelo japonês, que rapidamente se tornou objeto de desejo e fez relativo sucesso nas ruas e avenidas brasileiras.

Jeep Grand Cherokee

Continua após a publicidade

Mais um SUV de grande porte que chegou ao Brasil bem depois do primeiro a ser lançado por aqui, mas merece ser citado é o Jeep Grand Cherokee. Se hoje as novas gerações estão mais distantes do país, talvez por conta do preço elevado, na década de 1990 o modelo era bastante comum, principalmente entre jogadores de futebol.

Chevrolet Blazer

O terceiro representante que ajudou a desbravar o segmento antes mesmo da chegada do Ford Ecosport por aqui foi a Chevrolet Blazer. O SUV da GM chegou ao Brasil em 1996 como substituto da Veraneio.

Continua após a publicidade

O modelo, que em breve chegará ao mercado brasileiro remodelado e com motorização 100% elétrica, oferecia duas versões de motorização, ambas a gasolina (2.2 ou 4.3 V6), e fez tanto sucesso que conquistou até mesmo os órgãos governamentais, tornando-se carro oficial das forças de segurança.

Qual foi o primeiro SUV do Brasil?

Agora que já citamos o Ecosport como principal responsável pela “explosão” do segmento e também listamos três modelos que chegaram por aqui antes do representante da Ford, mas também despertaram uma parte dessa paixão, chegou a hora. Afinal, qual foi o primeiro SUV do Brasil?

Continua após a publicidade

O primeiro SUV do Brasil, na verdade, nasceu nos Estados Unidos com o nome de Willys Jeep Station Wagon e rapidamente se transformou em um sucesso de vendas por sua vertente voltada para atender tanto o trabalho quanto o lazer.

O modelo começou a ser montado no Brasil em 1956, ainda com a velha alcunha, mas, em 1957, foi rebatizado como Jeep Rural ou Rural Willys, passando a receber motorização e 50% de peças de origem nacional em 1959.

Em termos de design, a Rural apresentava uma configuração que ganhou o simpático apelido de "saia e blusa", por apresentar cores diferentes nas partes superior e inferior da carroceria — vermelha e branca, verde e branca ou azul e branca.

Continua após a publicidade

A parte dianteira, que no Brasil recebeu uma frente igual à exibida no Aero Willys, tinha a companhia de dois faróis arredondados. A combinação dava ao SUV um visual único.

Espaço interno

O Rural Willys tinha espaço de sobra e conseguia levar 6 pessoas — o motorista e mais 5 passageiros. Os bancos apresentavam uma divisão curiosa. Na frente, ele era dividido em dois, sendo que o motorista poderia até dividir o espaço de seu assento com um outro passageiro, enquanto o terceiro ocupante ficava com um banco único.

Continua após a publicidade

Atrás, o banco apresentava uma peça única e bem grande, ao melhor estilo "sofá", que poderia comportar confortavelmente até 4 pessoas, mas não apresentava qualquer tipo de apoio para os braços.

Essa configuração pouco usual foi um dos diferenciais do primeiro SUV do Brasil, e fez com que ganhasse mercado em relação aos concorrentes da época, casos da Volkswagen Kombi e do Toyota Bandeirante.

1º SUV do Brasil: motor e desempenho

Continua após a publicidade

O conjunto mecânico do Willys Rural era formado por um motor 2.6 V6, que rendia até 90cv de potência ao motorista, e trabalhava em parceria com um câmbio manual de 3 velocidades. O painel de instrumentos ficava localizado ao centro e era bem simples, mostrando apenas velocidade, quilometragem total e consumo de combustível.

O primeiro SUV do Brasil chegava a uma velocidade máxima de 130 km/h e tinha tração 4x4. Em 1962, sofreu algumas mudanças, reposicionou o câmbio para a coluna de direção e recebeu tração 4x2. Um pouco depois, trocou o visual e também uma nova caixa de câmbio, agora com 4 marchas.

Da Jeep para a Ford

Continua após a publicidade

O Jeep Rural mudou mais uma vez em 1967, ano em que a Ford comprou a Willys. A partir daí, o primeiro SUV do Brasil passou a se chamar Ford Rural. A nova casa resolveu abraçar o modelo e anunciou duas versões diferentes: básica e luxo.

No início da década de 1970, o primeiro SUV do Brasil recebeu um motor 3.0 V6 que entregava potência de 132cv nas mãos do motorista e ampliava seu domínio no mercado.

O carro que nasceu baseado em um jipe utilizado pelos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial travou suas batalhas no Brasil em estradas com péssimas condições de rodagem, auxiliando os trabalhadores em viagens entre cidades do interior e capitais.

Continua após a publicidade

O Rural ficou, ao todo, 21 anos no mercado brasileiro e chegou a vender mais de 180 mil unidades, boa parte delas entre 1962 e 1975. Os principais motivos que justificam o alto número de emplacamentos do carro eram, segundo a própria marca, a versatilidade e a resistência.

Propagandas da época reforçavam que o modelo oferecia "motor e conforto de carro grande", mas com "consumo de combustível e facilidade de dirigir de um carro pequeno".

Em seus dois últimos anos de vida (1976 e 1977), porém, começou a perder fôlego e espaço para modelos mais novos. A queda nas vendas refletiu negativamente e, enfim, a Ford Rural saiu de cena em 1977, mas com a sensação de ter cumprido seu dever e de ter iniciado o desbravamento de um segmento que, até então, era inédito no país.