Planos da Toyota para o Brasil vão além de motor híbrido a etanol; entenda

Planos da Toyota para o Brasil vão além de motor híbrido a etanol; entenda

Por Paulo Amaral | Editado por Jones Oliveira | 25 de Outubro de 2021 às 10h20
Divulgação/Toyota

Os modelos Toyota equipados com motores híbridos flex, ou seja, que usam etanol, não serão os únicos da montadora japonesa a rodar nas ruas e avenidas brasileiras no futuro. Palavra de Masahiro Inoue, presidente da empresa na América do Sul e Caribe.

O executivo da marca deu entrevista ao site AutoIndústria e revelou que a tecnologia hoje presente no Corolla sedã e no SUV Corolla Cross não será necessariamente adotada em toda a frota nos próximos anos. "A Toyota Motor Company tem várias tecnologias na prateleira", assegurou.

Apesar de não citar quais são as opções que a montadora tem em mente, um fato é consumado: o de que o caminho para a eletrificação, total ou gradual, está traçado e selado no planejamento da marca.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Inoue confirmou que todos os veículos da marca produzidos no Brasil terão "algum nível de eletrificação", mas repetiu que isso não implica que os próximos carros lançados pela marca serão híbridos a etanol. 

Quais as opções?

Mesmo elogiando a tecnologia que faz uso do etanol por ser limpa e com custos dentro do que pede o mercado brasileiro, veículos totalmente movidos à bateria (BEVs) ou no modelo plug-in (PHEV) também podem estar incorporados à frota.

Até mesmo o Toyota Mirai, movido a hidrogênio, que entrou para o Guiness por ter rodado 1.300 quilômetros com apenas um tanque, não foi descartado pelo executivo. Segundo ele, a escolha ficará a cargo dos responsáveis pelas operações regionais.

Ele alertou, no entanto, que os motores híbridos flex têm uma parcela significativa no processo de eletrificação da frota de países da África, Ásia e América Latina. “Precisamos utilizar muito ainda todo esse conhecimento e estrutura de distribuição que foram acumulados ao longo de tantos anos”, concluiu.

Fonte: AutoIndústria

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.