SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

5 motivos para não comprar o Ford Territory

Por| Editado por Jones Oliveira | 12 de Novembro de 2023 às 09h30

Link copiado!

Paulo Amaral/Canaltech
Paulo Amaral/Canaltech
Tudo sobre Ford

O Ford Territory mudou tudo em 2024 para, enfim, se tornar um rival de peso para o Jeep Compass e o Commander, ambos da Stellantis, como os próprios executivos da marca anunciaram durante a apresentação oficial do SUV.

Depois de testar o renovado modelo por alguns dias, a reportagem do Canaltech percebeu que as mudanças foram bem executadas e listou, em outro conteúdo, 5 bons motivos para comprar o Ford Territory:

  1. Espaço interno
  2. Nível de acabamento
  3. Motor mais potente e econômico
  4. Design atraente
  5. Preço
Continua após a publicidade

Como nada é perfeito, porém, há alguns pontos que ainda carecem de ajustes no SUV e, por conta disso, podem fazer o consumidor não comprar o Ford Territory. Não se tratam de defeitos, mas, sim de pequenos ajustes que podem ser feitos para tornar o carro ainda melhor.

Ford Territory: público-alvo

Segundo Dennis Rossini, gerente de marketing da Ford no Brasil, o Territory 2024 foi pensado para um público jovem e moderno, que busca por um SUV espaçoso mas “não precisa” de 7 lugares — diferencial utilizado pela Jeep para alavancar as vendas do Commander.

Continua após a publicidade

“O Ford Territory é um rival direto do Compass, mas olhando para o Commander. Ele é uma opção ao Commander para o cliente que não precisa de um carro com 7 lugares, pois, do ponto de vista de espaço interno e conforto, o Territory é superior”, cravou, durante a apresentação do carro no mercado brasileiro.

5 motivos para não comprar o Ford Territory

Confira, agora, 5 pequenos detalhes que podem ser mais bem trabalhados no SUV e que, na visão de um consumidor mais exigente, têm chances de se tornarem motivos para não comprar o Ford Territory 2024.

Continua após a publicidade

5. Retomadas “chochas”

Apesar de o novo motor 1.5 Turbo Ecoboost ter dado vida nova ao Ford Territory 2024, o propulsor ainda falha um pouco em determinados momentos, como pude detectar ao passar mais tempo com o SUV.

O único “senão” a respeito do powertrain foi percebido quando precisei, em mais de uma oportunidade, de uma retomada mais rápida em trechos rodoviários. O “defeito”, porém, se tornou praticamente imperceptível ao alternar o modo de condução de “Eco” para “Sport”, o mais forte dos quatro disponíveis.

Continua após a publicidade

4. Multimídia pouco intuitiva

O segundo entre os 5 motivos que podem fazer o consumidor não comprar o Ford Territory 2024 está diretamente ligado ao que citamos acima — a escolha dos modos de condução. Diferentemente do que é feito na maioria dos modelos, nos quais o acesso é facilmente encontrado na central multimídia ou em botões físicos (no console ou no volante), no Territory a missão é mais complicada.

Encontrar a melhor forma de trocar o modo de “Eco” para “Normal”, “Sport” ou “Serra/Colina”, requer uma série de passos na central multimídia. É necessário entrar em “configurações do veículo” e, depois, inexplicavelmente, em “segurança do veículo” para, enfim, selecionar o modo de condução desejado.

A multimídia também é pouco intuitiva quando procuramos pelo odômetro parcial, que mostra a quilometragem rodada após ser zerada, o consumo médio e a quantidade de combustível no tanque. Além disso, é confusa quando precisamos mudar de música no modo “shuffle”, pois pula de uma em uma sequencialmente, a não ser que puxemos o cursor manualmente até o fim da faixa. Só dessa forma é que ela, efetivamente, “embaralha” a sequência de músicas entre todas disponíveis na fonte selecionada.

Continua após a publicidade

3. Memória de banco

Um detalhe bobo, mas que em um carro que custa mais de R$ 200 mil pode fazer a diferença na hora de o consumidor escolher por um ou outro SUV está na memória de banco — ou na falta dela.

O Ford Territory conta com ajustes elétricos dos dois bancos dianteiros, com 10 posições para o motorista e 4 para o passageiro, algo que muitos competidores não oferecem. Por que, então, não colocar o recurso de memorizar as posições, mesmo que seja apenas para o motorista? Parece pouco, mas é um “mimo” que certamente agradaria a quem busca por um carro 0km deste porte.

Continua após a publicidade

2. Portas (quase secretas) USB

Mais um detalhe que incomodou a reportagem do Canaltech no Ford Territory foi a posição escolhida pela montadora para as portas USB, tanto para a inserção de um pendrive quanto para os eventuais cabos de carregamento do smartphone (tipo A ou tipo C). Elas são de difícil acesso e, portanto, complicadas de realizar o encaixe, principalmente com o carro em movimento.

Vale lembrar, porém, que o Territory 2024 conta com carregador sem fio para smartphones, e isso pode facilitar ao menos a vida de um dos ocupantes do SUV que precise recarregar seu telefone sem se abaixar para procurar pelas portas USB “quase secretas”.

Continua após a publicidade

1. LED interno é belo, mas atrapalha

Fechando a lista de motivos para não comprar está mais um detalhezinho que não chega a ser um “deal breaker”, mas, em minha experiência pessoal ao volante do excelente SUV, chegou a incomodar bastante, especialmente à noite.

As luzes azuis em LED que contornam as portas e painéis dão ao Ford Territory uma aparência futurista, elegante e sofisticada, mas tem um porém que é preocupante e, por isso, entra em nossa seleção.

Continua após a publicidade

A faixa horizontal posicionada abaixo da maçaneta interna do lado do passageiro acaba, vez ou outra, refletindo no retrovisor e passando a falsa impressão de que há um carro se aproximando. Na estrada, principalmente à noite, esse reflexo pode causar uma reação no motorista e ser perigoso.

E aí? Percebeu que, como dissemos no início da matéria, os 5 motivos que podem fazer o consumidor não comprar o Ford Territory são, na verdade, pequenos detalhes que podem ser facilmente ajustados pela marca para tornar o SUV ainda melhor, certo? Comente conosco o que achou do carro em nossas redes sociais.